Pronto Atendimento ou consulta: como fazer a escolha certa

 
Fonte: Dr. Fernando Ganem, gerente médico do Pronto Atendimento do Sírio-Libanês
Publicado em 10/09/2014
Pronto Atendimento ou consulta: como fazer a escolha certa

Os serviços de pronto atendimento, ou pronto socorro, como o próprio nome diz, foram criados para atender rapidamente as pessoas em situações críticas. No entanto, por serem abrangentes e disponíveis 24 horas por dia, muitas vezes são usados em substituição ao consultório médico, o que não é o ideal.

O pronto atendimento nem sempre consegue oferecer a mesma investigação no diagnostico e no monitoramento do tratamento proposto pelo seu médico, por exemplo, que ao marcar consultas de retorno obtêm informações detalhadas sobre o andamento da sua saúde. Outro problema é que a procura excessiva do pronto atendimento, por questões sem gravidade, pode acabar por competir com os casos que realmente precisariam de atenção naquele momento.

No Sírio-Libanês, segundo estimativas do gerente médico do Pronto Atendimento, dr. Fernando Ganem, entre 50% e 70% dos que procuram o serviço são classificados como “urgência relativa”, sendo que muitos deles poderiam agendar uma consulta numa clínica especializada, aguardando alguns dias sem maiores riscos.

“Estamos aqui para atender os doentes e esclarecer suas dúvidas. Faremos isto sempre”, afirma dr. Ganem. “Mas é importante que aqueles pacientes não graves avaliem se de fato há a necessidade de ir ao hospital naquele momento ou se podem marcar uma consulta posteriormente”, acrescenta o médico.

A base para esta escolha, segundo o gerente do Pronto Atendimento do Sírio-Libanês, é ficar atento aos sintomas incomuns e agudos. Por exemplo, pacientes com dores intensas, falta de ar, desconforto respiratório, palpitações, traumas e lesões devem procurar imediatamente o serviço. No entanto, aqueles com problemas crônicos, tais como dores articulares, enxaqueca, cerume nos ouvidos, calos, incômodo sentido há meses no joelho ou nas costas, talvez se beneficiem mais agendando uma consulta com um especialista da área.

Dr. Ganem lembra que é comum também o atendimento de pessoas que estão no Hospital para acompanhar algum paciente e acabam usando o Pronto Atendimento apenas para medir a pressão ou o nível de açúcar no sangue, para controle do diabetes. “Como isso não pode mais ser feito nas farmácias, acabamos recebendo essa demanda”, conta. “Muitas vezes o paciente está bem e passa pelo Pronto Atendimento só para aproveitar a presença no local”, completa.

Pediatras alertam para o problema

Em nota divulgada recentemente, a Sociedade de Pediatria de São Paulo informou que, com a falta de profissionais (atualmente existem 0,7 pediatra para cada mil crianças) e a demora em marcar consultas, o pronto atendimento tem sido a opção para muitos casos de atendimentos pediátricos.

De acordo com a entidade, os serviços de urgência e emergência também não devem substituir a consulta com um pediatra num consultório. Depois de passar pelo pronto atendimento, que realiza o diagnóstico e indica um tratamento, o ideal é levar a criança ao consultório para dar seguimento ao tratamento. Será na consulta que os pais receberão orientações para promover mais saúde e evitar doenças e acidentes com seus filhos.

Atendimento por prioridade

O Pronto Atendimento do Sírio-Libanês, localizado na Unidade Bela Vista, atende mais de 80 mil casos por ano. Ao chegar, os pacientes passam por uma triagem e são classificados como emergência, urgência e urgência relativa.

Aqueles em situação de emergência são atendidos imediatamente, seguidos pelos pacientes em situação de urgência. Entre os casos de urgência relativa, que se trata muitas vezes daqueles que poderiam agendar uma consulta médica, o atendimento se dá conforme a ordem de chegada.

Os profissionais médicos sempre presentes no Pronto Atendimento do Sírio-Libanês são cirurgiões, clínicos gerais, ortopedistas e pediatras. Os demais especialistas podem ser convocados conforme a necessidade observada pela equipe em atividade.

O Sírio-Libanês dispõe de um painel, na entrada do Pronto Atendimento e na internet (acesse aqui), com as previsões de tempo de espera para cada uma dessas especialidades médicas.