Medicamentos e dieta errada estão entre as causas de hipoglicemia nos pacientes com diabetes

Diabetes
Fonte: Hospital Sírio-Libanês
Publicado em 28/05/2014

​​Em pessoas com diabetes, hipoglicemia se desenvolve quando não há glicose suficiente para ser usada como combustível para as células. Uma série de fatores diferentes pode causar hipoglicemia, incluindo certos medicamentos e dieta. Algumas condições médicas também podem fazer com que alguns pacientes diabéticos se tornem especialmente susceptíveis à hipoglicemia.

Quadro clínico

A maioria das pessoas apresenta sintomas de hipoglicemia quando a taxa de glicose no sangue é igual ou menor a 70 mg/dL. Contudo, a depender da frequência com que a hipoglicemia vem ocorrendo, alguns pacientes podem "se acostumar" a valores mais baixos, só apresentando sintomas quando a glicemia atinge valores como 40 ou 50 mg/dL.

O tipo de sintoma apresentado pelo paciente também pode variar. Os sintomas de hipoglicemia incluem:

  • Tontura.
  • Fome.
  • Sudorese fria.
  • Palidez cutânea.
  • Tremores.
  • Fraqueza.
  • Dores de cabeça.
  • Irritabilidade.
  • Ansiedade.
  • Taquicardia (coração acelerado).
  • Pesadelos (podem representar episódios hipoglicêmicos durante o sono).

Se o paciente não reconhecer e tratar a hipoglicemia, sintomas mais graves podem surgir, incluindo:

  • Dificuldade de concentração e confusão mental.
  • Desmaio.
  • Convulsão.
  • Coma.

Hipoglicemia e o tratamento do diabetes

Tanto a insulina quanto alguns medicamentos orais usados no tratamento do diabetes podem causar hipoglicemia. Estes medicamentos incluem as sulfoniluréias (glibenclamida, gliclazida, glimepirida, glipizida, clorpropamida) e as meglitinidas (nateglinida e repaglinida). Inibidores de alfa-glicosidase (acarbose), biguanidas (metformina), tiazolidinedionas (pioglitazona), inibidores de DPP-IV (sitagliptina, vildagliptina e saxagliptina) e agonistas do GLP-1 (exenatida), quando usados isoladamente, não causam hipoglicemia. Contudo, podem aumentar o risco de hipoglicemia quando utilizados em associação com insulina ou os medicamentos orais citados anteriormente.

O álcool, se consumido em excesso, pode causar hipoglicemia em pacientes não-diabéticos e diabéticos, principalmente se estes últimos estiverem usando alguma medicação para reduzir as taxas de glicose.

Hipoglicemia, dieta e exercício

Pacientes diabéticos ou com pré-diabetes podem apresentar hipoglicemia após uma refeição rica em açúcares simples. Esta condição é chamada hipoglicemia reativa ou alimentar, e decorre de uma liberação de insulina pelo pâncreas de forma exagerada e atrasada, levando a uma queda da taxa de glicose, além do necessário.

Outra situação em que a dieta pode precipitar uma hipoglicemia é quando um paciente que usa insulina ou medicações orais para diabetes pula uma refeição importante, como o almoço ou jantar, ou ainda quando aplica uma dose de insulina desproporcional à quantidade de carboidrato que ingeriu.

Exercício intenso também pode desencadear uma crise hipoglicêmica. É por isso que antes de iniciar uma atividade física mais vigorosa, os pacientes diabéticos devem se alimentar e verificar a taxa de glicose no sangue.

Diagnosticando a hipoglicemia

Parte do tratamento do diabetes é a verificação de glicose no sangue periodicamente, por meio de um glicosímetro portátil. A frequência de medidas por dia varia de paciente para paciente, e irá ser determinada pelo endocrinologista. Um dos objetivos destas medidas de glicose é diagnosticar episódios de hipoglicemia, para poder tratá-los prontamente.

Além disso, é importante que as medidas também sejam feitas quando o indivíduo tiver algum sintoma que possa estar relacionado à baixa glicose no sangue. Depois de verificar e ver que existe hipoglicemia, esta deve ser tratada rapidamente.

Quando um paciente apresenta sintomas que podem representar uma hipoglicemia, mas não pode fazer a verificação no sangue, deve tratar o episódio como se fosse uma hipoglicemia, medindo a glicose assim que possível.

Tratamento da hipoglicemia

A maneira mais rápida de aumentar a glicose no sangue e tratar a hipoglicemia é com alguma forma de açúcar ou carboidrato simples, como sucos adoçados, balas, doces e bolachas. A quantidade de carboidrato recomendada é de pelo menos 15 a 20 g. É importante que o alimento escolhido não tenha muita gordura, como biscoitos ou chocolate, pois estes demoram mais para aumentar os níveis de glicose no sangue.

A lista abaixo contém alguns alimentos com 15 gramas de carboidratos:

  • ½ xícara de suco adoçado ou refrigerante normal.
  • 2 colheres de sopa de uvas passas.
  • 4 ou 5 bolachas água e sal.
  • 4 colheres de chá de açúcar.
  • 1 colher de sopa de mel.

Os pacientes devem perguntar ao médico ou nutricionista quais alimentos que eles recomendam para tratar a hipoglicemia, e devem carregar sempre pelo menos um tipo de açúcar consigo.

Depois de ingerir o alimento, o paciente deve esperar de 15 a 20 minutos e verificar a glicemia novamente. Se esta ainda estiver baixa e os sintomas de hipoglicemia persistirem, o tratamento deve ser repetido. Depois que os sintomas tiverem desaparecido, o paciente deve fazer as suas refeições regulares e lanches conforme o planejado, para manter a glicemia dentro da normalidade.

Se uma hipoglicemia não for reconhecida e tratada, as taxas de glicose continuam caindo e o paciente pode desmaiar. Se isso acontecer, a pessoa deve ser tratada com uma injeção de glucagon (GlucaGen®Hypokit) ou levada imediatamente ao serviço de emergência para receber glicose por via intravenosa.

O glucagon atua de forma oposta à insulina, aumentando a glicose no sangue, e pode ser prescrito para pacientes com risco de hipoglicemia. É interessante que as pessoas que convivem com o paciente (familiares, colegas de trabalho) saibam como e quando injetar glucagon. Após a injeção de glucagon, o paciente vai apresentar elevação da glicemia e deve recuperar a consciência. Neste momento, deve se alimentar para evitar novas quedas da glicose sanguínea.

Se glucagon não está disponível, o paciente deve ser levado para o pronto-socorro mais próximo ou o serviço de emergência deve ser contactado.

Hipoglicemia assintomática

Alguns pacientes podem ter hipoglicemias graves, cuja primeira manifestação é a perda de consciência, sem perceber sintomas que poderiam indicar que os níveis de glicose no sangue estavam caindo. Esta hipoglicemia assintomática tende a acontecer em pessoas que tem diabetes há muitos anos, mas não em todos. É mais frequente em pacientes que têm neuropatia (lesão nos nervos), as pessoas com controle glicêmico rigoroso, e as pessoas que tomam certos medicamentos para coração ou pressão arterial elevada.

Como o passar dos anos, os sintomas de hipoglicemia que um paciente apresentava podem mudar. Neste caso, é possível que a pessoa não reconheça a hipoglicemia, pois está sentindo algo que não sentia antes.

Estas mudanças são um bom motivo para verificar a glicose no sangue frequentemente, e para alertar os seus amigos e familiares para os sintomas de hipoglicemia. Os pacientes devem tratar glicemias baixas mesmo que estejam se sentindo bem.

Mensagens importantes:

  • A hipoglicemia é um evento comum aos pacientes com diabetes. Dependendo do tipo de tratamento usado e das metas almejadas, sua ocorrência pode ser frequente.
  • Os pacientes devem ser orientados a verificar os níveis de glicose no sangue periodicamente. Essa atitude permite um ajuste das medicações para atingir o alvo determinado, evitando a queda acentuada da glicemia.
  • É importante conhecer os sintomas da hipoglicemia, para que o tratamento seja instituído rapidamente.
  • A hipoglicemia, na maior parte das vezes, é tratada com a ingestão de alguma fonte de açúcar; em situações especiais, como naquele paciente inconsciente, uma injeção de glucagon pode ser necessária.