Entenda a osteoporose e saiba como se prevenir

Reumatologia; Osteoporose e Saúde Óssea
Fonte: Dr. Cristiano Zerbini, reumatologista no Hospital Sírio-Libanês
Publicado em 20/10/2016

O dia 20 de outubro é reconhecido internacionalmente como o Dia Mundial da Osteoporose, uma doença que provoca enfraquecimento dos ossos. No Brasil, segundo estimativas da Fundação Internacional de Osteoporose (IOF, sigla em inglês), aproximadamente 10 milhões de pessoas vivem com esse problema. De cada três casos de fratura no quadril, um é em consequência da osteoporose.

A osteoporose aparece quando a formação do osso não é adequada, geralmente por deficiência de cálcio e vitamina D na infância e na adolescência; ou quando há um desgaste excessivo dos ossos. Esse desgaste ocorre principalmente nos adultos e em idosos em decorrência de:

  • Menopausa e andropausa
    Após o período fértil, diminui a produção dos hormônios estrogênio e testosterona, que atuam para o fortalecimento dos ossos nas mulheres e nos homens. Como nas mulheres essa perda, geralmente, é maior, a osteoporose é mais comum no sexo feminino.
  • Uso de alguns medicamentos
    Entre eles, corticoides, antiepilépticos, hormônios tireoidianos, anticoagulantes e quimioterapia contra o câncer, pois podem comprometer a densidade óssea.
  • Doenças específicas
    Entre elas, artrite reumatoide, esclerose múltipla, insuficiência renal, hipertireoidismo e doenças reumáticas.
  • Envelhecimento
    A perda óssea aumenta gradativamente, como parte do processo natural de envelhecimento. Depois dos 50 anos de idade, cerca de 30% das mulheres e 10% dos homens apresentam osteoporose, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Reumatologista no Hospital Sírio-Libanês, o dr. Cristiano Zerbini lembra que a osteoporose é muitas vezes chamada de “ladrão silencioso”, pois pode progredir durante anos sem sintomas, diminuindo a força dos ossos até que ocorra a fratura.

O melhor exame para se fazer o diagnóstico de osteoporose é a densitometria óssea. “Trata-se de um exame de radiologia simples, indolor, e seu resultado nos diz quanto temos de osso nos locais do esqueleto onde as fraturas por osteoporose são mais comuns, como coluna e fêmur”, explica o dr. Zerbini.

A realização da densitometria óssea geralmente se inicia a partir da menopausa e da andropausa, mas algumas pessoas podem fazer o exame antes se tiverem fatores de risco. A partir dos resultados obtidos, o médico definirá a periodicidade com que a densitometria deve ser repetida e eventuais cuidados para se proteger da perda óssea.

O Hospital Sírio-Libanês, além de contar com um Núcleo Avançado de Reumatologia — formado por profissionais especializados no tratamento da osteoporose e de outras doenças reumatológicas —, criou em 2014 um Centro Integrado de Saúde Óssea. Localizado na unidade Jardins, esse serviço oferece avaliação médica personalizada para avaliar o risco de fraturas e fornece recomendações quanto à prevenção ou ao tratamento da perda óssea.

A osteoporose ainda não possui uma cura definitiva, sendo uma doença que necessita de cuidados constantes. Porém o avanço em seu tratamento tem resultado em métodos que melhoram a qualidade e a quantidade de massa óssea, reduzindo significativamente os riscos de fratura.

Entenda a osteoporose