Benefícios e malefícios relacionados ao colesterol

Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares; Centro de cardiologia
Fonte: Dr. José Antônio Marcondes, endocrinologista do Hospital Sírio-Libanês
Publicado em 11/07/2017

A palavra “colesterol” geralmente é associada a doenças cardiovasculares como infarto e acidente vascular cerebral. Mas ao contrário do que se pensa, o colesterol é uma gordura importante para o organismo. Produzido pelo fígado, ele ajuda na estruturação da membrana das células, na digestão, na produção de hormônios e na fabricação da bile. O problema do colesterol é o excesso. Manter uma rotina de hábitos saudáveis ajuda a manter a saúde em dia, mas nem sempre o colesterol alto pode ser controlado com alimentação e exercícios físicos.

“Os exercícios contribuem para aumentar o nível do ‘colesterol bom’, o HDL, mas eles não reduzem o ‘colesterol ruim’, o LDL”, alerta o endocrinologista do Hospital Sírio-Libanês, dr. José Antônio Marcondes. Para que tenham bons resultados, os exercícios devem ser aeróbicos, tais como andar, correr, pedalar, nadar, porque proporcionam o aumento da captação de oxigênio pelo organismo. Também precisam ser feitos regularmente e, quando possível, com intensidade moderada.

A alimentação é outra aliada importante para manter o corpo saudável, mas o especialista explica que só uma dieta equilibrada não diminui o colesterol. “A alimentação consegue diminuir o colesterol em cerca de 5% a 10%. É um valor considerável, mas não para quem tem risco de doença cardiovascular.” Nesses casos, o uso de medicação (estatinas) é indicado para controlar e estabilizar as placas de gordura que obstruem as artérias (aterosclerose) e que podem levar ao infarto.

Segundo dr. Marcondes, o nível ideal de colesterol varia de pessoa para pessoa. “Se o indivíduo tiver algum outro fator de risco cardiovascular, é preciso manter baixos os níveis de colesterol no sangue. Caso contrário, índices maiores são tolerados”, avalia. Não existe um limite mínimo de colesterol. O especialista explica que o colesterol baixo pode ser encontrado em algumas situações ou doenças, como desnutrição grave, parasitoses intestinais, doenças do fígado (cirrose) e do rim (síndrome nefrótica). “Nesses casos, é uma consequência, e não causa da doença.”

A frequência com que o exame de coleta deve ser realizado é determinada pelo médico. Como o colesterol alto não apresenta sintomas, a regularidade depende da idade e dos fatores de risco aos quais a pessoa está exposta (ser obeso, diabético, fumante, hipertenso).

O Núcleo de Obesidade e Transtornos Alimentares do Hospital Sírio-Libanês possui um grupo multidisciplinar que atende pacientes obesos, compulsivos, anoréxicos e bulímicos, ou com outras alterações endocrinológicas. O núcleo oferece, ainda, um completo check-up hormonal e metabólico, com medidas da composição corpórea pelo método de bioimpedância.

O hospital também possui um moderno Centro de Cardiologia com instalações e equipamentos para a realização de exames diagnósticos e procedimentos intervencionistas. O paciente pode realizar desde eletrocardiogramas até exames de imagem mais sofisticados.

Benefícios e malefícios relacionados ao colesterol