Uso excessivo do smartphone pode causar problemas na cervical

Publicado em 13/12/2018
Pesquisa exclusiva do IBOPE Conecta mostra que jovens de 16 a 24 anos, das classes A e B, são os que mais sofrem acidentes

Você já sofreu algum acidente por causa do celular? Ao responder esta questão em um pesquisa feita com 2 mil internautas pelo IBOPE Conecta, 3% dizem que sim, ao dirigir. Outros 8% relatam acidentes ao caminhar; 2% ao praticar atividade física e 3% em outras situações.

Os homens (4%) sofreram mais acidentes ao dirigir do que as mulheres (2%). Pessoas da classe A (7%) foram as mais afetadas, assim como as de 16 a 24 anos (4%). Quanto à região, os moradores do Nordeste (4%) foram os que mais se envolveram em acidentes.

As mulheres, por sua vez, são as maiores vítimas ao caminhar (8%), assim como internautas das classes A (11%) e B (11%). Na questão de idade, os mais jovens, de 16 a 24 anos, são a maioria (12%). Em relação à região do pais, moradores do Norte são os que mais sofreram acidentes ao caminhar (9%).

Entre as pessoas que dizem ter sofrido acidentes ao praticar atividade física, 3% são homens (ante 1% das mulheres), 4% pertencem à classe B, 3% têm entre 16 e 24 anos e 4% vivem no Norte do Brasil. 

Esta pesquisa, inédita e exclusiva para o Hospital Sírio-Libanês, mostra o que os médicos vêm notando nos últimos tempos: uma maior procura de atendimento por causa de quedas, com entorses do tornozelo, machucados nos joelhos e nas mãos. Mas não é só isso. O uso contínuo do celular – basta olhar nas ruas, onde a maioria das pessoas anda curvada de olho na tela do aparelho – tem elevado o número de casos de cervicalgias, que são as dores localizadas na parte posterior da nuca.

"A posição estática com flexão da cervical causa uma sobrecarga na coluna anterior da cervical, provocando dores", explica Dr. Douglas Kenji Narazaki, ortopedista e traumatologista no Sírio-Libanês. De acordo com o médico, a dor causada pelo uso frequente do celular começa na nuca (cervical) e irradia para os ombros. "Não é apenas o celular o responsável por este tipo de dor", explica. "Muitos equipamentos eletrônicos que exigem a flexão do pescoço, como tablets e o próprio notebook, podem propiciar o aparecimento de cervicalgias."

Atualmente, no Brasil existem mais de 230 milhões de linhas de celulares ativas e 116 milhões de pessoas conectadas à internet, o que indica que a dor no pescoço, também conhecida por Text neck' (dor cervical pelo smartphone), tende a afetar cada vez mais os usuários. "Se a pessoa ficar uma hora por dia com o pescoço inclinado, existe maiores chances de problemas", alerta Dr. Narazaki. Isso porque a nossa coluna foi feita para ficar ereta. Conforme vamos inclinando o pescoço, a pressão sobre ela aumenta, elevando os riscos. Segundo o médico, a cabeça pesa, em média, de 4 a 5 quilos. Com uma inclinação de 15%, esse peso sobre para 9 quilos. Quando a flexão é de 60 graus, o peso da pressão sobre a região cervical é de 20 quilos

Outro problema que tem aumentado por causa do uso excessivo do celular, de acordo com o ortopedista, é a tendinite nos polegares, usados para digitar mensagens de texto. "Antes, o problema era no punho por causa do mouse, hoje os polegares são os mais afetados."

Para evitar cervicalgias, a recomendação é tomar cuidado com a postura. Descer os olhos, e não dobrar o pescoço, para baixo ao olhar um dispositivo e tentar manter celular no nível dos olhos sempre que possível ajudam a reduzir os riscos. Também é importante fazer pausas, evitando pressão no pescoço. Caso seja necessário, o tratamento médico inclui medicamentos e fisioterapia.

Sobre a pesquisa

A pesquisa foi realizada de 18 a 22 de outubro de 2018, com 2.000 internautas das classes A, B, C e D, de todas as regiões do Brasil.

Sobre o IBOPE Conecta

Seu foco está na fusão do melhor da pesquisa online tradicional, tecnologia para gestão de seu painel online – CONECTAí – e soluções interativas e inovadoras de marketing digital. O IBOPE CONECTA atende clientes finais, agências e institutos de pesquisa, fazendo boa mistura da tradição, experiência e confiança do IBOPE Inteligência, somados à inovação, tecnologia, agilidade e competitividade, oferecidas pela coleta de dados digitais. Para conhecer mais, acesse www.ibopeconecta.com Para conhecer os painéis online do CONECTAí, acesse nosso site e cadastre-se www.conectaibrasil.com.br Acumule pontos, troque por prêmios e concorra a sorteios. Transforme o mundo com a sua opinião e com as suas ideias!

Sobre o Sírio-Libanês

A Sociedade Beneficente de Senhoras Hospital Sírio-Libanês, instituição filantrópica fundada em 1921, trabalha diariamente para oferecer uma assistência médico-hospitalar de excelência, sempre com um olhar humanizado e individualizado, em mais de 60 especialidades. Em uma busca constante, o hospital desenvolve atividades de ensino, integradas ao trabalho de compromisso social. Com o olhar sempre voltado para a tecnologia e inovação na atenção à saúde, o Sírio-Libanês Ensino e Pesquisa promove estudos e compartilha conhecimento. A instituição também desenvolve projetos integrados com o Ministério da Saúde de apoio ao Sistema Único de Saúde (SUS) e contribui para a disseminação de conhecimento e boas práticas para mais de 8 mil gestores de saúde em todo o país, como parte do Programa de Apoio e Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS). O Sírio-Libanês é responsável ainda pela gestão de cinco unidades públicas estaduais e municipais de saúde como parte do trabalho do Sírio-Libanês Responsabilidade Social. 


Assunto: Bem-estar
  • ​​​​​​Assessoria de Imprensa​

    Plantão
    +55 (11) 97613-3816

    FSB Comunicação

    Vanessa Rodrigues
    +55 (11) 3394-4830
    Rose Guirro
    +55 (11) 3394-4819
    Gabriela Scheinberg
    +55 (11) 3165-9762
    Max Gonçalves
    +55 (61) 9261-6565