Cuidado com a Doença do Beijo durante o Carnaval

Publicado em 21/02/2020
Mononucleose é transmitida pela troca de salivas; infectologista do Hospital Sírio-Libanês diz que não há tratamento específico e recomenda repouso e ingestão de líquido

Beijou muito no pré-Carnaval e agora está com sintomas como garganta inflamada, náuseas, fadiga, dores musculares e de cabeça, febre e inchaço no pescoço e nas axilas? Pode ser mononucleose, também conhecida como Doença do Beijo.

 

“A mononucleose é uma doença infecciosa causada pelo vírus Epstein-Barr, da família do vírus do herpes”, explica a infectologista Miriam de Freitas Dal Ben, do Hospital Sírio-Libanês, acrescentando que a doença é transmitida pelo contato íntimo de salivas e afeta principalmente jovens entre 15 e 25 anos. Também pode ser transmitida pelo contato com secreções orais pela tosse ou espirro.

 

As pessoas são infectadas via orofaringe e, depois, o vírus atinge os linfócitos B (também conhecidos por glóbulos brancos), responsáveis pela produção de anticorpos. Como outros vírus da família dos herpes, uma vez infectado e, após o quadro clínico agudo inicial, o vírus permanece no organismo ao longo da vida. Mesmo sem apresentar nenhum sintoma a pessoa pode ser um transmissor da doença. 

 

“Não existe tratamento específico para a mononucleose, por isso a recomendação médica é tratar dos sintomas, como febre e dor de garganta”, explica a médica. Também é importante fazer repouso e tomar bastante líquido.

Assunto: Saúde
  • ​​​​​​Assessoria de Imprensa​

    Plantão
    +55 (11) 97613-3816

    FSB Comunicação

    Vanessa Rodrigues
    +55 (11) 3394-4830
    Rose Guirro
    +55 (11) 3394-4819
    Gabriela Scheinberg
    +55 (11) 3165-9762
    Max Gonçalves
    +55 (61) 9261-6565