Ombro e Cotovelo

Artrose do ombro

Para entender a artrose do ombro, é importante, antes, conhecer um pouco da sua anatomia. A articulação do ombro é composta pela cabeça do úmero (semelhante a um ovo) e a cavidade glenoidal ou glenoide (semelhante a uma colher de chá). Essa assimetria de tamanhos é muito importante, pois é ela a responsável pela enorme amplitude de movimentos dessa articulação, uma das mais móveis do corpo humano.

A glenoide e grande parte da cabeça umeral são revestidas de uma camada chamada cartilagem, que permite o deslizamento entre elas de forma harmônica, gerando movimentos suaves. A artrose é a degeneração progressiva da cartilagem do ombro. Em outras palavras, trata-se de um processo que vai “estragando" essa "engrenagem“, soltando pedaços da cartilagem, expondo osso com osso, causando deformidades ósseas e gerando “osteófitos” (formações ósseas nas margens da cabeça do úmero e na glenoide) que dificultam e comprometem ainda mais os movimentos articulares, gerando dor e rigidez progressiva.

Sua causa é desconhecida, mas alguns fatores podem contribuir para o seu surgimento, como doenças inflamatórias (artrites, reumatismo), traumas, idade avançada, infecções ósseas ou articulares, cirurgias anteriores, movimentos repetitivos, musculação exagerada, alterações hormonais (uso prolongado e/ou de altas doses de corticódes, por exemplo), necrose ou “morte“ de parte da cabeça umeral que resulta em deformidade local (por vezes causada por alcoolismo), frouxidão dos ligamentos e fatores hereditários

Sintomas da artrose do ombro

Dentre os sintomas mais comuns estão a dor, estalidos ou crepitações, e a progressiva limitação dos movimentos dessa articulação levando à rigidez com incapacidade das funções do paciente.

O diagnóstico é feito com base na história clínica, exame físico e exames de imagem.

Tratamento da artrose do ombro

Apesar de se tratar de um processo evolutivo, de tempo e velocidade de instalação variável e, portanto não ter cura, o seu tratamento vai depender do estágio da doença, da suas causas e dos sintomas clínicos do paciente, podendo se iniciar com uso de medicamentos, sessões de fisioterapia e exercícios, podendo , em alguns casos, ter, indicação de cirurgia, que inclui desde procedimentos menos invasivos, como a artroscopia, em que são realizadas liberações articulares necessárias para se restabelecer os movimentos do ombro, até cirurgias maiores, como a artroplastia do ombro. Nesse tipo de cirurgia, substituímos uma (parcial) ou duas superfícies articulares (total) por peças metálicas ou de polietileno (tipo de plástico) para se restabelecer os movimentos. Essas peças são chamadas de próteses.

 


Você está visualizando:

Ombro e Cotovelo

Outros conteúdos disponíveis para esta especialidade: