Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

RÁDIO CBN 780 AM/SÃO PAULO | REVISTA CBN
Data Veiculação: 30/01/2021 às 14h14

A gente traz agora para o pleno da realidade, as dúvidas que as pessoas têm em relação às vacinas como a gente trouxe aqui a contextualização política que a Thaís Oliveira explicou em detalhes para a gente e eu converso agora, condutores. Fernando Lima Reis, ele é diretor de ensino e Pesquisa do Hospital sírio-libanês. Essa semana vários especialistas em infectologia se reuniram para levantar e responder dúvidas de pacientes de pessoas e em que querem saber mais a respeito desse assunto. Em relação à vacinação em relação aos cuidados e doutor Luís Fernando Takeo e no sul do ICB do COI e do também Fernanda Lima Reyes está aqui com a gente hoje, para responder também suas questões. E hoje a sigo aqui no minha boa tarde, produtor e perguntando hoje de todo juiz, quais são as principais dúvidas das pessoas em relação a vacina são tantas informações que a gente precisa ajudar que o nosso ouvinte a entender o que que é relevante na chegada dessas vacinas para o Brasil, o que que está perto será que a gente vai ter uma vacinação logo boa tarde. Tudo isso. A tarde e que, portanto, os ouvintes da CBN. E eu acho que a primeira grande dúvida que a gente tem que tirar a população é que a vacina é a principal arma para nos tirar desta família, existem duas maneiras principais a primeira delas é o nosso comportamento, enquanto a gente não tem programa de vacinação atingindo o grande número de brasileiros a grande maioria dos livros. A principal arma é o nosso comportamento para o distanciamento das máscaras, regime das no os a vacina é a segunda arma que vai chegar e seguramente a mais importante e eu selecionou que essa semana a gente cheios, né. Uma reunião de sete anos disse o China do mês que iria reforçar a vacina o desenvolvimento das vacinas. Foi um dos fatos que aumento significativo na mídia, a sobrevida a expectativa de vida de expressão, uma vacina evita de milhões e milhões de mortos. Todo ano, tanto em doenças a da primeira infância, ano. Pessoas mais adultos e a máxima é de fato um ganho da Ciência e do conhecimento, mas acho que o primeiro que temos que a máxima e muito importante. O Cinemark e de Cidadania, não é um ato político individual é um ato político, ela só surte efeito quando olhada nessa perspectiva. Não adianta eu me protegi e perder o controle do meu comportamento e saem espalhando de os eu acho que essa é a principal mensagem que eu gostaria que ficasse bastante. Cristalina no porto do Açu e essa ideia científica, né. E do conhecimento é muito importante agora, porque lá atrás, né, doutor se criou uma disputa política em relação à qual seria a melhor vacina e for comunismo versos capitalismo, então não vamos comprar dos comunistas, né. Então assim. E a gente foi para o lugar do debate de muitos antes de muita sombra e como é que a gente pode e contar para as pessoas que tem alguma dúvida que tem algum receio da vacina, eu vira e mexe, segundo o meu WhatsApp matérias de fontes duvidosas sem assinatura de jornalista ou de algum especialista cientista falando sobre casos de vacina que traz uma série de problemas para as pessoas como é que a gente pode elucidar o informação e de credibilidade das pessoas que têm algum medo, algum receio em relação às vacinas, doutor. Segundo a TIM, com isso o conhecimento como você bem disse e o conhecimento do que tem de que os treze a segurança para esse processo, acho que tem dois aspectos importantes para conversar sobre as vacinas neste momento no primeiro lugar. É um feito extraordinário que nós conhecemos o vírus sequência, os livros montamos métodos diagnóstico para o vírus aprendemos a tratar melhor o vírus e desenvolvemos uma vacina por tiros. Sou extraordinário re Kurt isso não é obra do acaso que o mundo de conhecimento que vem ao longo dos anos e que isso se de um trabalho de internação, os Nicholas Ciências entanto, trabalhos interativo, por isso são os trabalhos publicados nos últimos doze meses que esse esforço de um único laboratório de trabalho de cooperação, segundo a indústria privada e defendeu a responsabilidade e quer ser também operando consciência os financiando a ciência nunca tivemos tanto recurso vindo da iniciativa privada sustentar a geração de crescimento no Brasil e eu tive o privilégio de fazer parte de um conjunto de pessoas sem trabalho há mais de sete minutos para a saúde, uma doação de um bilhão de reais. Quando o banco Itaú e de outras iniciativas que ajudou a financiar fábrica do Butantã que ajudou a financiar a fábrica de filtros, então é é extraordinário que a gente conseguiu isso, tudinho sim, é extraordinário em nenhuma dessas vacinas e teve nenhuma e nem escape de um controle rigoroso no processo de qualidade segurança e eficácia, todas elas passaram punições para clínicos e sair sozinho e saiu de fase II e fase i Say suas e três, o que também é muito importante entender que as agências regulatórias em defender a sua responsabilidade. E as agências regulatórias também acompanharam esse desenvolvimento passo a passo e por isso nós temos os dilemas ações emergenciais e sendo feitas no de muito menor, então é o que a gente vê de e excepcional esse momento na verdade é um grande aprendizado de eu acho que a gente sai das unia que o valor do conhecimento e não tem saída e o tempo. Escrevi um artigo no jornal e grande circulação dizendo que se é que se o caminho fosse gol e exigiu a tarde. Em discurso, o ataque fosse bom, existe um caminho que não se inicia no bem-estar na ciência e o conhecimento que ele tem o seu processo itens, o protocolo de intenções seguido. Doutor ah, eu também percebo muitas pessoas e da sociedade civil, hoje se questionando do Brasil sobre quem devem cobrar hoje por essa demora na vacina e pela sua visão de cientista diretor científico de uma das entidades mais respeitadas do Brasil em contato com os especialistas que estão imbuídos na cura, né. Na cura hoje da nossa população e quando você fala de lição, qual é a lição que a gente deve cobrar é que o brasileiro deve cobrar nesse momento como a gente viu esse atraso, uma das nações que menos vacinou até agora é que poderia ter sido diferente como cobrar e de quem cobrar, na sua avaliação, doutor. Não adianta agora a gente cobrar, no curto prazo o conhecimento e o desenvolvimento tecnológico, ele não vai acontecer no curto prazo e o Brasil é uma nação que tradicionalmente e tem investimento baixo no seu desenvolvimento, Científico e Tecnológico e graças a duas instituições centenárias de enorme reputação internacional que o Instituto Butantan começou o jogo com os criminosos os vir produzidas as e os orgãos de ser menos dependente da condição de estrangeiro diz ainda que a gente dependa nesse primeiro momento da chegada das famosas, isso tudo isso facilita e motiva o e em algum momento durante o ano de dois mil e vinte e um todo tanto aconteceu que os produziram a isso. Aqui no Brasil vai nos dar uma certa e independência para a produção de nasce o que a gente tem de cobrar é que ao longo do tempo, nós precisamos ter mais do que nossos anos ter mais fiel crus nós vamos ter mais fizer nós vamos ter mais domínio de tecnologias, porque só isso que vai evitar com que a gente disse que sempre é refém do desenvolvimento tecnológico que acontece fora do país, eu acho isso fundamental se une, a gente joga, por exemplo, a para a Amazônia e a Amazônia e todos havia muito tempo que existe um ecossistema de repleto de microrganismos que a gente conhece o é fundamental que o Brasil desenvolveu um sistema de Vigilância Epidemiológica, vigilância em saúde baseado em genômica baseado em de informática, baseada em dados que é comum isso Camilo mundo, porque a gente não seja no futuro surpreendido uma nova. Eu vi a ciência, né. Doutora, eu lembro de trazer aqui, inclusive no revista CBN mesmo algumas vezes pesquisadores, por exemplo, a pesquisadora Larissa, mesmo bar de que fala do do impacto do agrotóxico na nossa saúde, ela também pesquisa animais a questão de pandemias a gente precisa ouvir mais, né, menos influências e mais cientistas não é talvez a gente devia como também para que no programa educar o nosso algoritmo para as informações que elas são as mais importantes as mais relevantes. Boa pergunta que eu tenho para o senhor também em relação que tem sido discutido pela paciente carros no Brasil existe alguma previsão de quando a população e vai tá vacinada de quando a gente tem uma cor e a gente tem uma previsão de quando a população está seguro em relação à situação aqui no Brasil pelas perspectivas de compra de chegada de insumos, porque se a gente for a ano no ritmo que estamos hoje vai demorar demais qual é a previsão se tem isso aí é. A previsão, uma demora muito e o esforço de me fazer perder ao menos, a gente precisa vacinar a população o mais rápido possível. São dois grandes motivos que a gente precisa é de olhar isso com muito caro. O primeiro deles é que a gente precisa diminuir o número de mortos. O número é a pressão no sistema de saúde número de do estímulo e por isso mais grave eventualmente a óbito, eles mas reduzir em função de uma ampla máximas são os administram da circulação do vírus. Isso é uma ação direta quando mais gente protegida na sociedade menos os vírus mais circular menos formas graves da doença e a e quantos estavam idos de dois a zero vinte seis mais uma, mas sim negociando a chance de o ex de caças importante dizer que essas diferenças de eficácia que a gente tem observado, por exemplo, todos os assassinos aprovados até agora e no final do dia elas reduzir de forma muito significativa casos graves e óbito. Até agora, todas elas reduziram os cem por cento o número de óbitos e no conjunto das pessoas vacinadas, é esse o principal motivo que a gente ver, vamos diminuir o sofrimento. Número de votos. Em segundo lugar como do vírus à e infelizmente o coronavírus não reduzir os conhecidos aqueles que apresentam uma taxa de mutação muito rápida, mas ele tem algum tipo de mutação Egídio em nenhuma discussão sobre a origem das listas do Sul, a área de Manaus, que quanto mais tempo, a gente demorar para a população como um todo para estar protegida maior são um meio de casos maior a possibilidade de novas mutações é possível que a gente tem que fazer e a suas assim, que possível isso gente já conhece e máxima de gripe, A no estado todo o ano, porque é isso mesmo, o vírus da gripe influenza e tem uma alta taxa de mutação ônibus e caminhão assim tudo, então acho que esses são os dois grandes e as duas mil cidades que a gente tem de população assinada em primeiro lugar mais importante reduzir o sofrimento reduzir o número de casos a pressão do sistema de saúde e o meio de óculos que segundo lugar, a gente precisa correr mais que o vírus para que a gente tenha logo um controle efetivo das o poder. Ciência e política ano junto, né, inteligência, se é necessário era de cem mensalmente, esses doutores Fernando limar, ex diretor de ensino e Pesquisa do Hospital sírio-libanês que gentilmente nos atendeu aqui para responder para você ou vinte quais são as principais dúvidas, né. É o que que a gente precisa agora qual é a corrida. Corrida político empenho que a gente precisa agora para vacinar o quanto antes e toda a nossa população doutores, muito obrigada sempre muito bem-vindo, aqui na revista CBN até na próxima. Obrigado a vocês brasileiros sempre à disposição.

RÁDIO JOVEM PAN 620 AM/SÃO PAULO | Jornal da Manhã
Data Veiculação: 30/01/2021 às 09h04

9 3 6 3 9, 3 ou nós não seremos nessa semana que um consórcio de empresas privadas está avaliando a possibilidade de comprar vacinas e doar ao SUS, um porcentual dessas 2 adquiridas utilizar o restante para vacinar funcionários de empresas o presente e Bolsonaro chegou a se colocar de maneira favorável a esse ideia e sobre esse assunto, a gente conversa agora com o presidente do Comitê de Bioética do hospital Sírio Libanês, Daniel Neves, forte doutor Daniel, como vai muito obrigado por estar aqui conosco na Jovem Pan esclarecer esse assunto bem-vindo. Obrigado Iker desse convite futuro já vi que o próprio Ciro tem um posicionamento que nesse momento essa discussão seria uma questão de ética, porque faltam vacinas, principalmente para o poder público não só aqui no Brasil, mas em todo o mundo de que maneira é possível se discute esse assunto se houver doação para o poder público se as clínicas privadas também contrárias às vacinas de que maneira essa discussão deve ser feita na avaliação do senhor. Olha perfeito, eu acho que se pode é chegar a isso por 3 grandes perspectivas, acho que a perspectiva é justamente com o texto cita como em casa e se tem escassez e aí foi uma escassez relativa de seus absoluta no senhor existe produção de vacina suficiente para atender as aves que que aconteceu na Europa não é uma empresa farmacêutica conseguindo atender o que ela já aprendeu e não tem não tem, não existe vacina. O suficiente para toda a demanda se não existir você vê e lê, manda o competir no acesso a ela entre público e privado seria inadequado. Então vai ser e de conceito e na saúde suplementar para competindo no acesso o público. Então, o texto da escassez e um com um ponto de corte importante se. Doutor, então, na opinião do senhor a partir de quando a a rede privada poderia começar a comprar também dentro de quais condições. E eu entendo que uma vez que não existia essa escassez absoluta e digo, não esteja faltando você no mercado. E aí não vejo nenhum tipo de impedimento e isso é o próprio conceito e somos a única e mais uma vez que ela estiver disponível, se é o tipo melhor uso dela e 5 em que uma coisa que é difícil das pessoas entenderem e que vacina é que uma lógica e por pouco diferente, uma boa, mas principalmente do indivíduo. A vacina o benefício dela é por tecnologia matemático banco de dados. E não é um assinado o que resolve o problema é a população de risco que não consegue maior benefício do país que você fez, porque tanto que não se consegue o melhor tenista vacina contra, principalmente, porque você consegue evitar o colapso do sistema de saúde e aí mesmo que não fosse nada, disse. O doutor pela sua experiência para que funcione a essa questão aqui no Brasil, as clínicas privadas hospitais com mostrar sua representante essas críticas só podem comprar vacinas que já forem aprovadas em definitivo pela Anvisa ou vacinas, em e aprovação emergencial também podem ser compradas como é que isso funciona na prática que no Brasil. Na prática, o medicamento independente se vacinas e um que também é médico medicamentos que ele precisa para você mesmo diz e é uma a uma e perdeu assim, ela vai entender uma vacina bem nada disso é o que acontece muito diferente nesse também Mia e que tem uma aprovação emergencial. Por conta disso, ele e sua família e aí essa situação de emergência a 1ª vez que o poder público. A vizinha e Peru. O poder político legais comissões. Que dá tanto desse momento é que nós estamos revendo como o senhor analisa a discussão de vacinar mais pessoas com a 1ª dose ao seguro a 2ª doses para vacinar as primeiras pessoas já vacinadas. Olha é um tema bastante difícil e eu não, não acho que tem uma posição e definitiva sobre isso e não o que se debatia a melhor do que eu mas a minha 1ª impressão é favorável a vacinar mais pessoas com menos os tipos de leão, um espectro maior de atendimento em conta a gente quer chegar, 2º, é que existe uma possibilidade. Isso a gente tem que se investigar o suposto médico maior intervalo entre idosos, o que significa transmissão, então, se você não vê agora na 2ª dose de 2 meses com os rivais que estão vivas na melhor e parece por lista de Mojica de que iria fornecer, disse. Doutora claro que tudo que a gente fala sobre hipótese porque como nós atacamos eles começar, nossa conversa, faltam vacinas não temos oferta para todo mundo, mas eu pergunto aqui no Brasil e outros países, mas fala demais salas, fisicamente o Brasil, os planos de saúde teriam interesse de comprar também vacinas e Ophir estar e para o os segurados, porque é muito mais barato se vacinar uma pessoa do que bancar depois uma internação de às vezes dias, né. É isso que isso é a lógica de toda a sessão. Isso hoje você tem que se esforçar em agora sim, tem todo interesse e é ponto de vista e aí sim, aí e que não é uma questão que é um pouco difícil e delicada, mas sim e o calor gica tem que privilegiar a saúde e a lógica financeira do sistema de investigação e isso é uma grande discussão no sistema de saúde e do mundo. Então, o ponto de vista de longe da saúde, sim, com certeza, campanhas de prevenção de atenção primária à saúde são muito mais eficaz e que de de encostos ganhar saúde a fim de evitar custos essa é a tendência de saúde, eles. Redatora como o senhor analisa esse processo ainda meio que inicial de vacinação aqui no nosso país vê com preocupação ou com otimismo, acho que a distribuição das vacinas. Nos estados está sendo feita de uma forma coerente. Olha, o acidente Franco vejo com preocupação e com otimismo, mas se eles já se ele for preocupação porque por um lado e eu acho que existe a percepção as vezes de uma sertão e demora eles vezes e se mas é pule das demoras um termo bom que a dor da dor do poder público conseguir fazer o que ele precisa fazer que consegui negociar, disse essa demora do poder público a crimes e segurança e preocupação. Eu achei mesmo tempo no geral, nossa no otimismo concomitante preocupação que apesar disso, o veículo em diversas iniciativas que estão funcionando, eu vejo e veio acima de tudo que essas coisas sem esses dilemas e dificilmente estará vivendo agora neste ano, às vezes, não dão alguns problemas centrais Moraes centrais o que a gente entende que é uma sociedade melhor de que a gente precisa que é importante mencionar, existem Rio e é com essa atitude que cabia que você me traz um dano e que a gente presa que tem que fazer isso revela, não só 1 1 1 escolha, o volume continua no bote e 6 com a pesquisa, o valor moral Central. A explicar esse que tem discussão das vezes pessoas reagem muito e emocionalmente muito inflamável, esse assunto pessoas reagem com muita informação na minha opinião sobram o Haiti de DIS mais longos, não gosto que faltou uma postura das vezes, olha, eu não sei o que pensar um pouco mais. Autor Daniel, com que é a opinião não se isso pode responder pelo próprio cílio mais em relação a a vacina da Rússia, por exemplo, essa vacina já passou pelo o que pelos testes da fase 3 DS, os países inclusive já está sendo utilizada na Argentina e aqui no Brasil ainda não avisa, não aceita sôr acha que uma vacina no Brasil poderia já se aplicada mesmo sem essa 3ª fase de testes, sendo que sua 3ª fase foi feito e os países que já que é o momento emergencial momento em que o país precisa de vacinas com que deve ser a posição da Anvisa, nesse caso continuar negando o registro, essa vacina. Tem um bom acerto de mais força, não sei porque sim para discutir uma questão desses estes serão os dados não vistas, o conheço os dados inéditos de estudar usando o nome de Hugo com uma pessoa com melhor capacidade técnica disse. Essa análise citada pessoalmente, eu acho que isso fez a diferença. Os dados demonstrar alguma segurança pelo menos, algum sinal de segurança forte. Algum sinal de que eu ficasse e avaliar esse sinal e o funcionário, mas a estatística de metodologia científica, sem olhar dados não tem melhor condição e fala sobre isso e eu confio bastante Chan vista, tem até que o corpo técnico muito bem capacitado para isso, de acordo com este mês. Defeito toda minha Neves forte que é presidido cometido de pior ética do hospital Sírio Libanês, mais uma vez, o ator muito obrigado pela atenção pela gentileza, bom fim de semana e voltaremos a nos falaram, abraços. Obrigar, entendeu.