Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

PODER 360/BRASÍLIA
Data Veiculação: 29/04/2021 às 05h50

“Está peremptoriamente proibido dizer que alguém morreu depois de tomar a vacina.” Esse decreto, nunca promulgado formalmente, tem o poder imensurável das leis que dispensam edital, porque seu cumprimento é garantido pela polícia mais truculenta em sociedades proto-democráticas: os seres enfraquecidos pelo medo que tentam se fortalecer imunizando-se contra os fatos. Receba a newsletter do Poder360 Eu presenciei esse barbarismo em tempo real quando fui atacada por hordas de destrambelhados salivantes ao contar que duas pessoas da minha família pegaram a covid depois da vacina (Coronavac). Esse caso aconteceu algumas semanas depois que o pai de um deles e a mãe do outro morreram, também depois de tomarem as duas doses da mesma vacina. Segundo essas pessoas, meus fatos estariam desencorajando a vacinação e, portanto, eles deveriam ser omitidos, censurados, ou integralmente proibidos. Esse raciocínio tortuoso nós já conhecemos há anos. Ele foi usado por Hitler, Stalin, Mao. Note que essa defesa da censura não é exclusividade de apenas um lado da nossa forçosa binariedade –ele é ambidestro, e exclusivo de pessoas autoritárias, tanto de direita quanto de esquerda. E isso deveria assustar qualquer indivíduo de bom senso. Poucas coisas na história prenunciaram tragédias de modo mais consistente do que o argumento de que a divulgação de verdades coloca a sociedade em risco. O que é inédito no nosso caso agora é ver tanta gente não apenas aceitando ser impedida de saber, mas pedindo para não saber. O que teria acontecido com a indústria tabagista se tivesse sido protegida por uma população tão acovardada? E o que teria acontecido com o grupo de mulheres que começou a trocar experiências no Facebook sobre os defeitos da mola de metal intrauterina, feita pela Johnson, que causou danos tão horríveis? O que teria acontecido se essas mulheres tivessem sido silenciadas e impedidas de fazer o trabalho que a própria FDA não fez? O mais irônico é que o governo americano, o governo do Reino Unido e os fabricantes de vacina dizem que somos nós que vamos ter que fazer esse controle e acompanhamento, porque somos nós que vamos registrar efeitos adversos não observados ou subestimados nos ensaios que garantiram às vacinas permissão emergencial. Nos Estados Unidos existe a base de dados chamada Vaers (Sistema de Registro de Eventos Adversos da Vacina), e no Reino Unido existe o Yellow Card. No Brasil dos covardes, confunde-se silêncio com inexistência. Mas isso não faz sentido nem jornalisticamente. O jornalismo é muitas vezes baseado na divulgação do estranho e inusitado. Um cachorro que morde um homem não merece reportagem, já um homem que morde um cachorro, sim. Se a contaminação pela covid19 após vacinação contra a covid19 for mesmo a coisa mais incomum do mundo, ainda assim essa divulgação é justificável. Ainda mais quando sabemos que o governador de São Paulo, João Doria, publicou ele próprio a seguinte afirmação no seu Twitter: “Os estudos clínicos indicam que 100% dos vacinados não desenvolveram formas graves da doença. Ou seja, chance zero de morrer. Compartilhe a verdade”. Deixa eu repetir aqui, para ênfase: “Zero chance de morrer”. E o que dizer do que foi comunicado pelo ginecologista e obstetra Renato Kalil, em vídeo escolhido como objeto de verificação pelo Estadão Verifica (Checagem de fatos e desmonte de boatos™)? Segundo o próprio jornal: “No vídeo, Kalil afirma que visitou o hospital Sírio-Libanês com o irmão e que encontrou muitas pessoas já imunizadas com as duas doses, mas que teriam se contaminado mesmo assim e em alguns casos até precisaram de entubação” E Kalil não fala isso só uma vez, mas duas, repetindo a constatação em um novo vídeo. Segundo o próprio Estadinho, “Neste novo vídeo, ele novamente contou que foi visitar o hospital onde o irmão trabalha e que encontrou muitos leitos de UTI ocupados por pessoas que já haviam tomado as duas doses da vacina”. É desconcertante notar que as pessoas que consideram que tal informação deva ser censurada são exatamente as mesmas que não perdem tempo em associar morte por covid com o tratamento precoce. Na coluna de hoje, contudo, não quero falar de hipocrisia e nem deficiência mental, mas de como a covardia coletiva é a característica mais desejável para a maior empreitada econômica já vista nos últimos séculos. Antes de continuar, existe outro ponto crucial que pessoas de pensamento reduzido esqueceram de considerar: qual dos 2 tipos ameaça com mais eficiência a confiança nas vacinas –aquele que comunica um evento indesejável, ou aquele que quer proibir a comunicação desses eventos? Eu até ontem tinha toda razão para acreditar que mortes e sequelas são extremamente raros, e que estatisticamente é bastante razoável que se opte pela vacinação, apesar da minha inclinação pessoal. Mas depois de ver a perseguição esganiçada às pessoas que partilham experiências negativas, depois de presenciar o esforço coletivo de humilhar quem tem algo negativo para contar, e perceber o sincronismo desses autômatos de Skinner, em igual medida incultos e convictos, tentando reduzir o questionamento a coisa de “terraplanista,” minhas dúvidas sobre as estatísticas oficiais aumentaram bastante. Raramente vi um tiro pela culatra dado por coletividade tão expressiva. Existem maneiras eficientes de aumentar a confiança nas vacinas, e uma delas, acima de qualquer outra, seria a quebra das patentes. Afora a imoralidade intrínseca ao fato de que alguns poucos vão ter um lucro sem precedentes com uma das maiores calamidades a atingir a população da Terra, essa associação de benefício para uns poucos, e malefício para muitos, é receita insuperável para outros tipos de tragédias –algumas das quais vamos estar sentindo por décadas. Catástrofes de grande porte, como pandemias e guerras, são a forma mais eficiente de transferência de renda de milhões para uns poucos, um cenário em que o governo é autorizado cega e fanaticamente a agir como um Western Union de motivações elevadas e inquestionáveis. A guerra do Iraque –aquela mentira repetida mil vezes, e só desbancada anos depois– custou mais de 3 trilhões de dólares, segundo o Nobel de ciências econômicas Joseph Stiglitz em livro publicado em 2008. Os fabricantes de vacina já foram formalmente isentos –imunizados– contra todo e qualquer efeito adverso resultante do produto que nos estão vendendo, a ser pago com dinheiro público, e cujo próprio processo de desenvolvimento também em grande parte foi financiado com dinheiro público. Que loucura coletiva acometeu as pessoas racionais, inclusive da esquerda, tradicionalmente desconfiadas do capital e do seu contumaz facilitador, o governo? O que aconteceu com a esquerda que apoiou a decisão sábia, digna de estadista, tomada pelo então presidente Lula quando quebrou a patente do coquetel contra o HIV? Como não se perguntar o seguinte: se a vacina é algo tão extremamente crucial para a salvação do mundo, e ela tem o poder de impedir a progressão geométrica das mortes pela covid, como justificar o silêncio ensurdecedor sobre as patentes? Não é possível que essas duas afirmações co-existam: ou a covid precisa ser combatida imediatamente e todo mundo precisa ser vacinado (e isso justificaria a quebra das patentes em nome da salvação do mundo), ou a vacina não tem esse poder todo. Bill Gates já avisou que não vai abrir mão das patentes, no, sir. Segundo a OMS, em dados de 9 de março de 2021, publicados no Instagram da ABC News, das 15 maiores vacinas apresentadas no gráfico, só uma foi totalmente aprovada (a Gamaleya, da Rússia). Não fica claro ali qual é a autoridade à qual a OMS se refere como órgão autorizador, até porque algumas vacinas já foram aprovadas em alguns lugares e não em outros (a da Pfizer, por exemplo, foi aprovada no Brasil mesmo antes de receber autorização plena nos EUA.) Portanto, eu termino com uma humilde recomendação: se você tomar ivermectina, ou qualquer tratamento precoce, e mesmo assim for contaminado e parar numa UTI –por favor, fale disso, adicione essa informação preciosa ao tesouro de dados que está sendo coletado. Se você for vítima da vacina, faça o mesmo. Não tenha medo da comunicação dos fatos –ela salva. Se for pra ter medo, tenha medo dos fatos –aqueles que precisam da comunicação e do bom jornalismo para serem conhecidos.