Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

PONTO A PONTO/BANDNEWS TV/SÃO PAULO
Data Veiculação: 28/10/2020 às 23h03

O partido verde recebi aqui no programa o ministro luís roberto barroso do supremo tribunal federal que presidia o tribunal superior eleitoral ele que vai comandar as eleições de novembro muito bem-vindo ao programa ministro boa noite Mônica agora tu vai me ajudar mariana é um prazer estar aqui com vocês Lisboa descoberto começar nossa conversa é bom dia as telas por lavareda trouxe pra gente sobre o comparecimento a expectativa de comparecimento na nas próximas eleições em novembro abstenções no primeiro turno das eleições de dois mil e dezesseis São Paulo rio de janeiro belo horizonte vinte e um vírgula oitenta e quatro por cento em São Paulo vinte e quatro vírgula vinte e oito por cento e no rio de janeiro vinte e um vírgula sessenta e seis por cento em belo horizonte fonte tse dois mil e dezesseis intenção de comparecimento na eleição de dois mil e vinte oitenta e um por cento com certeza vai comparecer à seção eleitoral para votar em novembro doze por cento vai decidir se vai ou não comparecer pra botar dependendo de como esteja a situação da pandemia seis por cento acham que não irá comparecer para votar por causa do risco do coronavírus cem por cento não sabe ou não respondeu onde Covid19 e vinte de outubro de dois mil e vinte isso como nós vimos nas telas há pouco em dois mil e dezesseis o brasil assistiu uma abstenção recorde nas eleições municipais no agregado cerca de vinte e cinco milhões de brasileiros não compareceram para votar naquele ano mas vemos aí que na pesquisa e de São Paulo especificamente mostra oitenta e um por cento dos eleitores dizendo que vão comparecer ao número parecido com de na pesquisa nacional da cnt me dê a divulgada na última segunda-feira que mostra o cerca de setenta e sete por cento dos brasileiros ou seja do país e gente vota parecer falei expectativa sua expectativa do tribunal superior eleitoral com relação a abstenção Luciano ministro a boa noite na maioria da nossa expectativa é a melhor possível e acho que nós vamos ter paradoxalmente índices menores de abstenção neste ano o que tivemos em dois mil e dezesseis e eu tenho me indicadores objetivos para isso mas fizemos uma campanha para recrutamento de mesários voluntários e conseguimos um número muito significativo de novecentos e nove novecentos e vinte e nove mil mesários voluntários que se apresentaram para patrioticamente contribui para a justiça eleitoral e agora os números dos registros de candidatura é a falta uma tabulação final mas nós tivemos quinhentos e cinquenta e seis mil candidatos um aumento muito expressivo também em relação a dois mil e dezesseis a minha expectativa é positiva o que eu acho que a sociedade brasileira vem se tornando mais modernizada mais consciente mais exigente você tem hoje no brasil imensa demanda o integridade pôr o patriotismo o idealismo acho que essa energia que empurra a história Henrique muda paradigmas e a sociedade brasileira está com uma certa ânsia de participação política e a eleição municipal lavareda é decisivo para a vida das pessoas e é aí que se definem questões muito importantes como educação fundamental é da responsabilidade do município saúde básica das responsabilidade de saneamento básico agora com a nova lei o novo marco regulatório eco estipêndio papel muito relevante e as pessoas de última análise moram nos municípios mesmo portanto nós estamos esperando ou muito significativo no dia quinze de novembro nisso ainda nessa questão é o bg é a pnad do ibge divulgada no início de setembro passado apontou que cerca de quarenta e um milhões de brasileiros continuam num rigoroso isolamento social ou seja boa parte ensinar a grande maioria destes quarenta milhões são pessoas idosas e com comorbidades dessas pessoas menos daquelas que não tiverem condições de comparecer por indicação médica eticétera o seu estado de saúde em andamento ou que não tiveram condições de comparecer a seção eleitoral vai ser facilitada a comunicação por elas é da justiça eleitoral dessa impossibilidade ou elas vão ter que rompeu o seu isolamento ou comparecer pessoalmente pra é justificar ausência a primeira coisa que eu gostaria de dizer é que nós fizemos minucioso plano de segurança sanitária para as eleições o tse constituiu uma consultoria sanitária com a fundação oswaldo cruz o hospital israelita albert einstein o hospital sírio libanês que mandaram preso dos seus principais médicos profissionais e nós fizemos um plano o passo a passo de segurança os procedimentos para proteção dos mesários dos eleitores e dos candidatos e o recomendação da consultoria sanitária nós adquirimos uma imensa quantidade de materiais de proteção dos mesários que nove milhões de máscaras dois bilhões pra depois parciais um traço dois milhões de frascos de álcool gel cada mesário terá o seu frasco um milhão de litros de álcool gel para o eleitor e para mão na entrada e na saída marcadores para o chão para isolamento social quinhentas mil canetas embora a gente esteja recomendando que os eleitores comparecer com a sua própria caneta bic compareça a máscara o tempo tudo que era razoavelmente possível de se fazer para prover segurança para os eleitores nós fizemos um a observância desses protocolos minimiza o risco de contaminação além disso mas vamos as três primeiras horas nós contratamos é contratar muito que não pagamos baixo constituímos uma comissão de estatística pra gente calcular quanto precisávamos aumentar a jornada eleitoral aumentamos uma hora e também por cálculos estatísticos probabilísticos reservamos as três primeiras horas fizeram um cálculo de saturação para evitar filas as três primeiras vários reservadas para os que têm mais de sessenta anos que é o critério objetivo para grupo diz os que têm mais de setenta lavareda faltam facultativamente não são obrigados a guardar aonde o risco aumenta mais longe estamos estimulando também estes vão votar e setenta anos hoje em dia são os novos que chegou aos setenta provavelmente vai chegar aos noventa tenho vinte anos pelo menos de vida pela frente portanto deve participar da definição dos destinos que afetam a eles próprios e também os seus filhos e netos opção alvo que esteja uma doença no dia que evidentemente é uma situação particular nós estamos convocando todos para votarem agora o voto é obrigatório é mais um mecanismo de justificativa e quem estiver fora pode justificar pelo e título o georreferenciamento e quem não puder comparecer e pode justificar também apresentando sua justificativa mas veja nós não cogitamos do voto facultativo mesmo nessas eleições primeiro porque acho que a democracia brasileira ainda precisa este naldinho como diria um americano um empurrãozinho de participação em algum lugar do futuro próximo e eu espero que a gente possa ter um voto facultativo mas ainda não chegou voto facultativo e eleições como essas e aqui no estágio nildinho fez parte favorece muito o voto radical o voto dos extremos e nós estamos precisando mesmo labareda de moderação bom ministro eu queria fazer é pegar um pequeno detalhe dessa questão das eleições é pra depois falar dessa coisa do que é ou não facultativo é mas é o seguinte do dia por exemplo a gente sabe que tem muitos brasileiros começando por algumas atividades que estou um pouco rebelde vamos dizer assim pra mim vê relaxados em relação a essa epidemia então a questão de máscara por exemplo se um eleitor chega sem máscara lá na fila sem máscara na hora de votar ele vai é poder votar que tipo de obrigação vai ser imposta aos eleitores ou é só confiando na responsabilidade de cada um não chega a ser mais que ele não vai voltar e pronto é a orientação é ser o que não é uma opção pessoal de livre arbítrio é uma questão de proteção dos oito te a gente pode ter ligado pra decisões que não afetem mais se tiver em casa sozinho pode beber o quanto quiser mas se for dirigir não pode portanto a neste caso se tiver sem máscara simplesmente não vai votar e nós não temos nós temos máscara pra todos os mesários do tse forneceu três máscaras pra todos deixar cada mesário terá três máscaras para trocá-la de quatro em quatro horas mas evidentemente nós temos cento e quarenta milhões de eleitores e não havia o senhor não gastou um centavo viu é como você mesmo iniciou uma única nós fizemos uma chamada pública e trinta entidades é tão pouco mais da sociedade civil e da iniciativa privada apostaram todos os equipamentos e materiais de tivesse uma extraordinária parceria público privada que merece ser celebrado endereço ser reconhecida mas evidentemente nós conseguimos nove milhões de máscaras dos mesários cento e quarenta e oito milhões de mas que os eleitores não conseguimos ainda gentilmente o ministério da saúde a pedido do presidente do senado Davi alcolumbre forneceu três milhões de máscaras este trecho para eleitores que compareço eventualmente sem mágica as três milhões de embora seja um número relevante é pouco expressivo num universo de cento e quarenta e oito milhões de eleitores de modo que todo mundo tem que com a sua própria máscara que de resto como vocês mesmo observaram no início é uma exigência em quase todos os municípios quem vai pra um local público tem que ir de mágica então tem que votar é de máscara e não é uma escolha a orientação é o chefe dos mesários simplesmente não deixará entrar na sessão de votação hoje eu li agora só pra eu vou eu vou entrar num assunto aqui depois a gente volta pra eleição pra não perder a oportunidade senhor falou assim que tem coisas que não são facultativas vida porque a gente pode beber em casa que a gente quer mas não pode sair dirigindo pra matar o outro e um dos assuntos que tá muito bom diferente agora nesse e a questão da vacina se vai ser ou não obrigatória senhor relator de um caso de um processo em que pais não querem vacinar o filho então o supremo já ia discutir o senhor já tinha dado repercussão geral se a obrigação ou não dos pais a se darem às crianças e o ministro Ricardo Lewandowski agora relator de ações de partidos e entidades sobre a obrigação da vacina da Covid19 presidente da república eu disse que esse não é assunto de juiz né presidente ao funcionário mas obviamente não é ele quem decide o que vai ou não decidi pois você pode ficar um pouquinho pra gente quando isso vai ser votada no supremo em que o prazo é e o que o senhor acha desse assunto onde quer que eu vou falar o que eu posso falar porque eu não antecipa o voto mas que eu saiba ainda não tem vacina portanto eu acho que as pessoas estão discutindo ainda por um certo diletantismo é a vacina não chegou eu torço para que chegue na minha outra vida é que era feliz e talvez o mais colorido eu fui advogado de laboratórios os remédios levavam sete oito dez anos para serem produzidos e portanto eu torço para que se consiga produzir mais eu vou ser sincero ainda tem um certo ceticismo mas eu só tenho seis mil processos por ano e hoje em dia não decido nada em tese quando chegar eu vou me pronunciar sobre especificamente a questão é convite o caso ao qual eu de repercussão geral que você também noticiou você tá em todas é o caso que envolvia a corrente era um caso que envolvia a opção de paz de não vacinarem seus filhos mesmo aquela vacinação que o sistema de saúde pública considera obrigatório que todas as instituições médicas recomendam sendo ministradas evidentemente não posso antecipar o meu voto mas eu me considero uma pessoa adepta do iluminismo significa razão ciência humanismo progresso social separação entre igreja e estado e são valores que o cultivo e que eles devem informar a minha eventual decisão ameaça matar lúcio é mudando um pouco de assunto mas ficando na no terreno das eleições o tribunal tem conduzido uma campanha com é bastante intensa lá alinhado na direção do combate aos pequeninos e causa obviamente potencialmente são extremamente danosas bancos só pra mim só vai pra democracia quando todos nós estamos praticamente na metade da campanha eleitoral já transpondo aí a cinquenta por cento de duração da mesmo ou então se já tem algum levantamento o ministro como é que isso tem se dado a um combate efetivo restrição medida judicial no âmbito dos tribunais regionais eleitorais já um primeiro levantamento com relação a isso ministro olha nós de fato fizemos uma grande campanha fizemos uma campanha pública liderada pelo youtube é átila e amarilo e o mesmo me manifestei nas redes sociais um pronunciamento em cadeia nacional avalia demais fizemos parcerias específicas por todas as mídias sociais como whatsapp facebook instagram google é tick tock é mesmo gravei vídeos para algumas dessas mídias algumas desenvolveram produtos específicos de pioneiros para a justiça eleitoral para derrubar notícias fraudulentas comprovadamente fraudulenta de pra permitir a comunicação com um chute fácil fizemos uma coalizão todas as agências checadores é de notícias então Dilma desânimo te montamos um grupo de whatsapp e que qualquer notícia que se tenha o fraudulenta imediatamente vai pro grupo esclarecida a verdade vai pra página da justiça eleitoral no site da justiça eleitoral tem uma página chamada fato ou boato e nós fizemos um acordo com todas as empresas de telefonia para todo eleitor ter acesso a esta página da justiça eleitoral chamada fato ou boato sem gastar sem consumir o seu pacote de dados acesso gratuito mas visivelmente pra nós fizemos um conjunto de medidas a polícia federal tem ido atrás da origem da disseminação de fez Bruce alguma operação aí em São Paulo ainda esta semana o efeito tem sido uma quantidade bastante reduzida quinze notícias fraudulentas circulando mas muitas delas já foram retirados pelas próprias mídias sociais nós tivemos a grande preocupação labareda de não percebemos como liberdade de expressão não é uma manifestação individual o que te preocupa por mais absurda que seja o que nós combatemos com auxílio das mídias sociais de das agências checadores de notícias são os comportamentos do conteúdo desse comportamento são chamados de comportamentos coordenados e não tente quinze perfis falsos e impulsionamento de ilegais ou dois que muitas vezes tentam dar visibilidade ilegítima a notícia fraudulento das notícias mentirosas a democracia depende da liberdade de expressão e da pluralidade de opiniões e de divulgação de fato o que é democracia não deixa de ser uma causa da humanidade uma certa busca da verdade possível só que a verdade é plural e a vida tem muitos pontos de observação e ninguém é dono da verdade portanto nós não queremos cercear a liberdade de expressão a verdade não tem dono mas a mentira deliberada tem e quando ela é difundida por grupos hierarquizados nesses cenários de segue comando centralizado e são pagos para destruir as instituições destruir a credibilidade do processo eleitoral aí não é liberdade de expressão estão mudando o bandido ministro nós estamos indo atrás samba eleitoral e fiscalização das contas dos candidatos na reforma da legislação eleitoral dois mil e dezessete pensava que na possibilidade do país migrar pro sistema eleitoral proporcional de lista fechada voto distrital misto é total e o chumbo eleitoral terminou aprovado e também mantinha do sistema proporcional de lista aberta o senhor nós temos quinhentos e cinquenta mil mais que cinquenta mil candidaturas como é que a justiça eleitoral está Sandy está organizando está realizando essa fiscalização das contas dos candidatos está utilizando vai utilizar a inteligência artificial o qual é um grande desafio como é que a justiça eleitoral é lidará está lidando com ele ministro o marido da minha vida de uma maneira geral a prevenção é muito melhor do que a repressão quase tudo aqui como você bem observou a grande solução para este problema da derrama de dinheiros das eleições e nós mudarmos o sistema eleitoral é preciso baratear o custo das eleições é preciso aumentar a representatividade no parlamento é preciso facilitar a governabilidade e preciso institucionalizar a disputa isto a meu ver só é possível com o sistema distrital misto o sistema proporcional de lista aberta o cientista político aqui é você mas eu tenho estudado isso na medida do possível tenho uma proposta mínima de mudança para o sistema distrital misto a essa é a posição oficial do tse tirada desde a gestão da ministra rosa bebê a solução é baratear o custo das eleições e como você observou no distrital misto metade das vagas será preenchida pelo voto distrital e aí a campanha vai ser uma campanha muito mais barata porque cada candidato indicado por cada partido para a campanha no distrito se tiver interesse depois detalhou a proposta do ps é o segundo voto eu voto partidário como lícita tanto você institucionaliza o que facilita o controle eu vou ser muito sincero com você o sistema de fiscalização de contas ele é eficiente e mesmo quando ativei as punições adequadas elas acabam sendo anistiados pelo próprio congresso nacional tanto nós precisamos mudar o sistema eleitoral e precisamos mudar o sistema de prestação de contas também assim que passarem as eleições a gente consegue enfrentar muitos batalhas ao mesmo tempo ele eu vou colocar energia na mudança do sistema tem duas e dez na mesa eu vou partir e vice-presidente de cientistas políticos há duas ideias na mesa diferentes mas menores do que o sistema atual possivelmente uma é a prestação de contas Cher cinco nos moldes da declaração anual de renda dos indivíduos de partir de portanto prestariam a sua declaração dos gastos e aí por inteligência artificial e verificação de inconsistências você faria o controle a menos que algum dos legitimados inclusive o ministério público alguma questão específica tal como é atualmente a gente passa três anos correndo atrás de documento hoje em dia já é eletrônico os tá muito trabalho e pouco proveito a um canto essa é uma ideia a outra ideia é ter um modelo de auditorias privadas de partir de estou tem empresas de capital aberto preciso de você dar transparência e publicidade é seus pontos eu não tenho ideias formadas salvo a de dizer que o sistema atual ele é ruim mesmo quando ele funciona ele não produz resultados satisfatórios porque se a condenação for relevante ela é anistiada e ainda tem o entendimento de que as fundações partidárias estão fora do controle da justiça eleitoral que a interpretação o legislativo tem dado que ministério estados e fiscaliza o furo não fiscalizam pra fins eleitorais é eu diria com muita sinceridade que acho que tá tudo muito ruim nessa área eu gostaria de me vestir e energia para melhorar a prestação de contas desse momento você entenderá eu investir energia primeiro no adiamento das eleições depois do plano de segurança na obtenção dos materiais e nós temos um projeto muito bacana que é de eleições do futuro que é acabar com essa necessidade de a gente comprar alguns mimos que custou setecentos oitocentos bilhões de reais a cada um ou dois anos e nós fizemos uma chamada pública também pra iniciativa privada também sem custo país tá em crise fiscal aqui não gasta nada e não seja dispensado vieram labareda trinta empresas e giva amazônico digo a microsoft e ibm se candidataram a oferecer modelos alternativos de eleição digital sim eles vão fazer os testes de maneira dissimulada agora nas eleições de quinze de novembro e boa apresentar todas elas nos modelos alternativos e aí quando apresentarem eu vou convidar o ministro aqui ao meu sucessor início Alexandre de Moraes que é o sucessor do ministro aqui para sentar juntos e o que ai já não será mais as próximas eleições já não sou mais sob a minha gestão para nós pensarmos a modernização do sistema eleitoral brasileiro que é exemplar para o mundo nunca ouvi é prova de fraude já a retórica eu sou eu lido com fatos e provas pra se demonstrou um tipo de fraude com essas urnas eletrônicas fraude tinha no tempo do voto impresso do voto é é que eu não consigo bem entender as pessoas têm saudade do que não existiu sob o sistema era muito ruim e era um sistema que favorecia a desonestidade que fraudava na hora de contar fraudava na hora de fazer o mapa é difícil entender a obsessão que augusto pelo voto impresso voto manual mais ou menos como a gente é comprar um aparelho de videocassete aparelho mônica e subsidiar locadoras de vhs é voltar ao voto impresso ministro o senhor falou agora sobre modernização avanço tecnologia o eu queria voltar um pouquinho na questão da sua luz acha que as instituições brasileiras e não só brasileiras tu sempre a reboque de todas as plataformas e de todo esse sistema de mentiras que comprometem democracia até demais pra ser sólidas é quer dizer a gente tem aqui no brasil vários questionamentos com relação às eleições de dois mil e dezoito é um processo que até agora não chegaram ao seu fim é responsável e que até agora não foram apontados estou falando de eleições e um pouco atrasado sim tampouco instrumento pra lidar com esse monstro ministro o mangá assim é a vida a vida real vai à frente das inscrições em dias úteis somos tentam chegar a tempo é importante em situações para as quais não havia mesmo remédios na farmacologia jurídica o que direi que a quantidade é que as mídias sociais as plataformas tecnológicas mudarão de atitude nas eleições de dois mil e dezoito tanto a seleção do brasil como as anteriores de americana já do brecht e mesmo na índia a postura delas era de eu sou apenas uma avenida por onde passo de informações eu não interfira lumi meto eu tenho nada pra te ajudar em relações elas mudaram completamente o título de mestre das eleições elas têm sido nossos grandes parceiros e acha que mudaram e por uma questão de imagem os começaram a ser associadas a um processo de deterioração da democracia está sendo associado negativamente aí todo mundo não só no brasil todo não houve uma mudança de atitudes por isso que eu falei que prevenir é sempre melhor do que você por número depois da barra num país como o brasil em que punia muito difícil eu percebi o professor americano porque eu falo com ele por telefone e ele me disse que vocês não fazem como aqui a eleição pelo correio o que vou assaltar a carteira puxei a urna dele de votos falsos aí ele disse não mas aqui isso é um crime federal já está preso eu espero que você desviou setenta milhões já não consegue prendê-lo carteira muito mesmo tanto a punição infelizmente não faz parte a punição proporcional dentro da questão das mês mas temos uma cultura ainda extremamente leniente e por motivos diversos desde dos excessos do autoritarismo até os pactos de Edgar da classe dominante brasileira tem de tudo da impunidade é brasileira mas a verdade é que as pessoas se deram conta deste fenômeno mais recentemente e acho que as reações vieram tarde mas todo mundo tá aprendendo eu estudei sei que deus e em tempos recentes você deixando-a patrícia campos mello que acabou faltando vinte páginas pra acabar o livro dela é que que narram um o filme de terror que foi no mundo inteiro foi o brasil e os estados unidos do brics ela na história da no dia e assustadores da manipulação das redes isso a gente tem que enfrentar agora a democracia também tem limite de enfrentamento é inclusive pra proteger a liberdade de expressão inclusive a liberdade de expressão de gente que eu que eu considero é assim é porque a moderna psiquiatria manda me internar mas porque tem gente já fala que eu do o ministro Alexandre o advogado kakay e em parceria com a embaixada da Coréia do norte da china temos um plano para derrubar o presidente e aí tem centenas de milhares de acessos não é remédio na farmacologia jurídica pra isso eu tenho que conviver é portanto é preciso ter uma certa resiliência uma resignação ano alguns subprodutos da modernidade da internet trouxe muitas coisas boas de diga a possibilidade de eu estar aqui em Brasília vocês estarem aí em são paulo não estarmos falando em tempo real para uma emissora de televisão como entrei no tipo o brasil inteiro tanto eu não sou uma dessas pessoas que acham que o mundo tem piorado e a tendência é piorar acho que o menu de uma maneira geral nós apenas estamos com este produto que é novo mas nós estamos aprendendo eu quero te dizer que nessas eleições é porque eu não gosto de comemorar gol antes da bola entrar na rede antes da bola na rede o justo é apontado por meio de campo mas até agora de sei que isso não aconteceu nada de relevante achei que nem os que têm circulado são recicladas contra números contra não tem nada de novo ou seja eu acho que esta é uma onda que foi contida mas é nós estamos atentos e não se comemora vitória antes do perigo o ministro e os dois mil e dezessete na salame rapidamente até lá atrás da reforma da legislação de dois mil e dezessete um duche reconhecidamente avanços daquela daquela reforma foi o sinal da proibição da coligação nas proporcionais porque se o sistema proporcional de lista aberta já negativo como este comentou o monsenhor ainda era pior por conta desse digamos adereço que era a possibilidade de coligações proporcionais pois bem é não estão trazendo as primeiras eleições sem elas a expectativa é de que reduza assim a fragmentação da representação nos parlamentos nas câmaras municipais agora e antecipando uma redução equivalente nas eleições gerais da eleição de assembléia legislativa da câmara federal daqui a dois anos pois bem já mais do que no muro já comentários estilísticos de políticos falando no retorno do retorno da aprovação da proposta e aprovação pelo congresso do setor no a se coligações nas eleições proporcionais isso por uma série de motivos que envolvia interesses de chefes de partido de dificuldades que tiveram este ano pra administrar alianças na majoritária sem as alianças nas proporcionais e uma série de outros fatores e mas sinteticamente ministro qual é a opinião do tribunal superior eleitoral sobre isso e como o senhor vê a possibilidade de uma manobra de entrar nessa direção de irá ter êxito mas eu não vou falar em nome do tribunal o que eu teria que conversar com os demais ministros o que frequentemente faço bloco muitas ideias internamente nós verdadeiramente temos democracia interna embora ai eu falei o nome do tribunal mas nesse caso específico vou falar em meu nome partido político embora seja uma entidade privada não é um negócio privado partido não pode ter dono partido não é feito pra enriquecer as pessoas e portanto a moralização do quadro partidário é um avanço importante que foi promovida pelo próprio congresso nacional tanto com a proibição de coligações em eleições proporcionais quanto com a cláusula de barreira que suprema atrapalhou como vocês bem sabem mas bem vindo bem-vindo lentamente mas ele e portanto há uma expectativa de redução expressiva do número de partidos o que fará muito bem à democracia brasileira pelo menos de partidos com de funcionamento bancado eu e o número desse tipo voto mas essa é uma questão institucional é uma questão jurídica específica eu acho que a volta das coligações é simplesmente inaceitável do ponto de vista constitucional quando as coligações estavam previstas na constituição é originária era inevitável mas foi a paz não pode voltar a me ver o que elas fraudam as coligações a vontade popular elas fraudou a democracia eles fraudo o sistema representativo e o evento é muito singelo e real a alguns dias atrás num estado da federação o partido dos trabalhadores se coligou com o prp o partido dos trabalhadores é um partido que tem uma específica a visão sobre a condição feminina e defende a descriminalização da interrupção da gestação o prp é um partido de base evangélica ou era na parte de baixo evangélica que tem uma específica visão sobre a condição feminina pois bem ele ficou lindão de modo que o eleitor que votou numa líder feminista o dia tá elegendo um pastor evangélico e o eleitor que votou no pastor evangélico o dia tá elegendo uma líder feminista tanto era uma fraude à vontade do eleitor eu acho inadmissível do ponto de vista constitucional a volta do sistema de coligações e acho que posso falar pelos demais colegas do supremo que esta é uma posição é dominante ou seria uma posição é dominante no supremo mas precisamos e à medida que numa democracia política é gênero de primeira necessidade nós somos da geração mais nova aqui mais nós somos de uma geração que vivemos as alternativas à política elas são todas piores pra baixo precisamos política mas precisamos de políticas de qualidade eu acho que o distanciamento entre sociedade civil e classe política é muito preocupante e portanto uma das razões de eu defender o voto distrital misto é para a aumentaram.

YAHOO! FINANÇAS/SÃO PAULO
Data Veiculação: 28/10/2020 às 16h24

Extra Ler o artigo completo Elisa Martins 28 de outubro de 2020 12:24 PM · 4 minutos de leitura A retomada de atividades de trabalho e socialização em várias cidades brasileiras movimentou o mercado de testagem para Covid19, que se expande com a reabertura. Em São Paulo, um laboratório acaba de lançar um serviço no qual a pessoa pede pela internet um kit que contém um teste de saliva, faz a coleta em casa e agenda a devolução a um coletor da empresa, que levará o material para análise em laboratório. O resultado sai em menos de 24 horas, também na internet. — É um teste simples de colher, prático, acessível do ponto de vista financeiro e que dá uma resposta rápida. A ideia é que seja mais uma camada de proteção para que as pessoas retornem com segurança às atividades de escola, trabalho, socialização, encontros de família — explica David Schlesinger, CEO do laboratório de mapeamento genético Mendelics e da healthtech por trás do serviço, chamada meu DNA. O teste custa R$ 169, mais acessível em comparação aos exames tradicionais de RT-PCR. A tecnologia foi desenvolvida em parceria com o Hospital Sírio-Libanês, em julho, mas até então o teste ficava restrito ao ambiente hospitalar e a empresas que contratavam o serviço para testar seus funcionários, sem venda direta ao consumidor final. — Começamos a fazer para empresas, foram mais de 300 mil testes, e vimos que havia uma demanda grande de pessoas que queriam testar na própria família, sem depender de intermediários. Essa nova logística veio da necessidade de maior agilidade e acessibilidade — acrescenta Schlesinger. O teste usa como base de diagnóstico uma tecnologia chamada PCR-LAMP (Amplificação Isotérmica Mediada por Loop). Assim como o RT-PCR, a técnica confirma a infecção a partir da identificação de presença do material genético do novo coronavírus no material colhido. A diferença, explica o laboratório, é que o resultado não depende de análise do swab nasofaríngeo (a secreção nasal é colhida com um cotonete nos exames de RT-PCR). E o próprio consumidor pode fazer a coleta de saliva em casa, em um tubo estéril que vem no kit. Continue lendo — Apesar de o número de infectados estar caindo, agora é um momento crucial para testagem e controle de novos picos, como temos visto na Europa — afirma Schlesinger. — Inclusive é um teste especialmente válido para assintomáticos, que têm carga viral e podem transmitir a doença mesmo sem apresentar sintomas. A testagem complementa outras estratégias, como o uso de máscaras e o contato reduzido com pessoas e aglomerações desnecessárias, e pode ser feita com frequência para aumentar a segurança. Segundo o laboratório, a confiabilidade do kit de saliva é maior do que a dos testes rápidos, alvos de discussão sobre falsos negativos no início da pandemia. — A sensibilidade gira em torno de 80%, e a especificidade é de quase 100% — diz Schlesinger. — Sem contar que o teste PCR-Lamp indica a infecção em fase ativa, não é baseado em testes de anticorpos, que são desenvolvidos depois da infecção. Por enquanto, o serviço está disponível apenas na cidade de São Paulo e região metropolitana, por conta da logística de entrega e retirada do teste. A empresa estuda formas de expansão a outras cidades. Os testes baseados em análise de saliva têm sido uma aposta no Brasil e no exterior. O hospital Sírio-Libanês também desenvolveu um teste próprio que usa a análise RT-PCR em saliva colhida de pacientes e que será lançado ainda este mês. — É um teste molecular com processo parecido ao do swab, mas com análise da saliva — explica Cesar Nomura, superintendente de medicina diagnóstica do Sírio. — A vantagem é a facilidade de coleta. Não é necessário um ambiente protegido, como quando se faz a coleta de swab nasal, e o resultado sai mais rápido, em menos de 24 horas. Além disso, a saliva tolera melhor a temperatura ambiente e não precisa ser acondicionada em refrigeração até o processamento do material. Segundo o médico, o teste é especialmente dirigido a pessoas assintomáticas, em empresas ou escolas que queiram ter um retrato da infecção entre colaboradores ou alunos. — Esse teste tem especificidade de 100%, sensibilidade de 93% e concordância próxima a 96% — afirma. Para os casos que chegam ao hospital com forte suspeita de Covid19, o teste mais recomendado ainda é o convencional RT-PCR, explica, que tem a detecção mais alta. A Universidade de São Paulo (USP) também trabalha em um teste que detecta a Covid19 por meio da saliva, com o uso da técnica RT-Lamp. Ainda em testes internos, ele deve ser lançado no próximo mês. Além disso, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Federal de Goiás (UFG) estão desenvolvendo testes de Covid19 com análise de saliva, como opção para ampliação do diagnóstico de funcionários e pacientes. POPULARES 1. Governo brasileiro entrega carta à Rússia e pede soltura de Robson 2. Troca de milhas por passagens está mais rápida que o previsto, diz Smiles 3. Segue a novela: proposta não agrada empresário e renovação de Dodi com o Fluminense está emperrada 4. Casos de Covid19 disparam justo quando mais podem atingir Trump 5. Pesquisa revela hábitos esportivos dos brasileiros após a Covid-19.

EXTRA ONLINE/RIO DE JANEIRO
Data Veiculação: 28/10/2020 às 13h24

A retomada de atividades de trabalho e socialização em várias cidades brasileiras movimentou o mercado de testagem para Covid19, que se expande com a reabertura. Em São Paulo, um laboratório acaba de lançar um serviço no qual a pessoa pede pela internet um kit que contém um teste de saliva, faz a coleta em casa e agenda a devolução a um coletor da empresa, que levará o material para análise em laboratório. O resultado sai em menos de 24 horas, também na internet. — É um teste simples de colher, prático, acessível do ponto de vista financeiro e que dá uma resposta rápida. A ideia é que seja mais uma camada de proteção para que as pessoas retornem com segurança às atividades de escola, trabalho, socialização, encontros de família — explica David Schlesinger, CEO do laboratório de mapeamento genético Mendelics e da healthtech por trás do serviço, chamada meu DNA. O teste custa R$ 169, mais acessível em comparação aos exames tradicionais de RT-PCR. A tecnologia foi desenvolvida em parceria com o Hospital Sírio-Libanês, em julho, mas até então o teste ficava restrito ao ambiente hospitalar e a empresas que contratavam o serviço para testar seus funcionários, sem venda direta ao consumidor final. — Começamos a fazer para empresas, foram mais de 300 mil testes, e vimos que havia uma demanda grande de pessoas que queriam testar na própria família, sem depender de intermediários. Essa nova logística veio da necessidade de maior agilidade e acessibilidade — acrescenta Schlesinger. O teste usa como base de diagnóstico uma tecnologia chamada PCR-LAMP (Amplificação Isotérmica Mediada por Loop). Assim como o RT-PCR, a técnica confirma a infecção a partir da identificação de presença do material genético do novo coronavírus no material colhido. A diferença, explica o laboratório, é que o resultado não depende de análise do swab nasofaríngeo (a secreção nasal é colhida com um cotonete nos exames de RT-PCR). E o próprio consumidor pode fazer a coleta de saliva em casa, em um tubo estéril que vem no kit. — Apesar de o número de infectados estar caindo, agora é um momento crucial para testagem e controle de novos picos, como temos visto na Europa — afirma Schlesinger. — Inclusive é um teste especialmente válido para assintomáticos, que têm carga viral e podem transmitir a doença mesmo sem apresentar sintomas. A testagem complementa outras estratégias, como o uso de máscaras e o contato reduzido com pessoas e aglomerações desnecessárias, e pode ser feita com frequência para aumentar a segurança. Segundo o laboratório, a confiabilidade do kit de saliva é maior do que a dos testes rápidos, alvos de discussão sobre falsos negativos no início da pandemia. — A sensibilidade gira em torno de 80%, e a especificidade é de quase 100% — diz Schlesinger. — Sem contar que o teste PCR-Lamp indica a infecção em fase ativa, não é baseado em testes de anticorpos, que são desenvolvidos depois da infecção. Por enquanto, o serviço está disponível apenas na cidade de São Paulo e região metropolitana, por conta da logística de entrega e retirada do teste. A empresa estuda formas de expansão a outras cidades. Amostras de saliva os testes baseados em análise de saliva têm sido uma aposta no Brasil e no exterior. O hospital Sírio-Libanês também desenvolveu um teste próprio que usa a análise RT-PCR em saliva colhida de pacientes e que será lançado ainda este mês. — É um teste molecular com processo parecido ao do swab, mas com análise da saliva — explica Cesar Nomura, superintendente de medicina diagnóstica do Sírio. — A vantagem é a facilidade de coleta. Não é necessário um ambiente protegido, como quando se faz a coleta de swab nasal, e o resultado sai mais rápido, em menos de 24 horas. Além disso, a saliva tolera melhor a temperatura ambiente e não precisa ser acondicionada em refrigeração até o processamento do material. Segundo o médico, o teste é especialmente dirigido a pessoas assintomáticas, em empresas ou escolas que queiram ter um retrato da infecção entre colaboradores ou alunos. — Esse teste tem especificidade de 100%, sensibilidade de 93% e concordância próxima a 96% — afirma. Para os casos que chegam ao hospital com forte suspeita de Covid19, o teste mais recomendado ainda é o convencional RT-PCR, explica, que tem a detecção mais alta. A Universidade de São Paulo (USP) também trabalha em um teste que detecta a Covid19 por meio da saliva, com o uso da técnica RT-Lamp. Ainda em testes internos, ele deve ser lançado no próximo mês. Além disso, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Federal de Goiás (UFG) estão desenvolvendo testes de Covid19 com análise de saliva, como opção para ampliação do diagnóstico de funcionários e pacientes.

O GLOBO ONLINE/RIO DE JANEIRO
Data Veiculação: 28/10/2020 às 13h13

A retomada de atividades de trabalho e socialização em várias cidades brasileiras movimentou o mercado de testagem para Covid19, que se expande com a reabertura. Em São Paulo, um laboratório acaba de lançar um serviço no qual a pessoa pede pela internet um kit que contém um teste de saliva, faz a coleta em casa e agenda a devolução a um coletor da empresa, que levará o material para análise em laboratório. O resultado sai em menos de 24 horas, também na internet. — É um teste simples de colher, prático, acessível do ponto de vista financeiro e que dá uma resposta rápida. A ideia é que seja mais uma camada de proteção para que as pessoas retornem com segurança às atividades de escola, trabalho, socialização, encontros de família — explica David Schlesinger, CEO do laboratório de mapeamento genético Mendelics e da healthtech por trás do serviço, chamada meuDNA. Covid-19:Estudo britânico indica que imunidade cai rapidamente e dura pouco O teste custa R$ 169, mais acessível em comparação aos exames tradicionais de RT-PCR. A tecnologia foi desenvolvida em parceria com o Hospital Sírio-Libanês, em julho, mas até então o teste ficava restrito ao ambiente hospitalar e a empresas que contratavam o serviço para testar seus funcionários, sem venda direta ao consumidor final. — Começamos a fazer para empresas, foram mais de 300 mil testes, e vimos que havia uma demanda grande de pessoas que queriam testar na própria família, sem depender de intermediários. Essa nova logística veio da necessidade de maior agilidade e acessibilidade — acrescenta Schlesinger. Vacinas:GSK e Sanofi prometem acesso a 200 milhões de doses contra Covid-19 para países pobres O teste usa como base de diagnóstico uma tecnologia chamada PCR-LAMP (Amplificação Isotérmica Mediada por Loop). Assim como o RT-PCR, a técnica confirma a infecção a partir da identificação de presença do material genético do novo coronavírus no material colhido. A diferença, explica o laboratório, é que o resultado não depende de análise do swab nasofaríngeo (a secreção nasal é colhida com um cotonete nos exames de RT-PCR). E o próprio consumidor pode fazer a coleta de saliva em casa, em um tubo estéril que vem no kit. — Apesar de o número de infectados estar caindo, agora é um momento crucial para testagem e controle de novos picos, como temos visto na Europa — afirma Schlesinger. — Inclusive é um teste especialmente válido para assintomáticos, que têm carga viral e podem transmitir a doença mesmo sem apresentar sintomas. A testagem complementa outras estratégias, como o uso de máscaras e o contato reduzido com pessoas e aglomerações desnecessárias, e pode ser feita com frequência para aumentar a segurança. Imunização:Reino Unido diz que vacina para Covid-19 pode começar a ser disponibilizada antes do Natal Segundo o laboratório, a confiabilidade do kit de saliva é maior do que a dos testes rápidos, alvos de discussão sobre falsos negativos no início da pandemia. — A sensibilidade gira em torno de 80%, e a especificidade é de quase 100% — diz Schlesinger. — Sem contar que o teste PCR-Lamp indica a infecção em fase ativa, não é baseado em testes de anticorpos, que são desenvolvidos depois da infecção. Por enquanto, o serviço está disponível apenas na cidade de São Paulo e região metropolitana, por conta da logística de entrega e retirada do teste. A empresa estuda formas de expansão a outras cidades. Amostras de saliva os testes baseados em análise de saliva têm sido uma aposta no Brasil e no exterior. O hospital Sírio-Libanês também desenvolveu um teste próprio que usa a análise RT-PCR em saliva colhida de pacientes e que será lançado ainda este mês. — É um teste molecular com processo parecido ao do swab, mas com análise da saliva — explica Cesar Nomura, superintendente de medicina diagnóstica do Sírio. — A vantagem é a facilidade de coleta. Não é necessário um ambiente protegido, como quando se faz a coleta de swab nasal, e o resultado sai mais rápido, em menos de 24 horas. Além disso, a saliva tolera melhor a temperatura ambiente e não precisa ser acondicionada em refrigeração até o processamento do material. Covid-19:Estudo mostra como 59 casos da doença foram associados a um voo de 7 horas para a Irlanda Segundo o médico, o teste é especialmente dirigido a pessoas assintomáticas, em empresas ou escolas que queiram ter um retrato da infecção entre colaboradores ou alunos. — Esse teste tem especificidade de 100%, sensibilidade de 93% e concordância próxima a 96% — afirma. Para os casos que chegam ao hospital com forte suspeita de Covid19, o teste mais recomendado ainda é o convencional RT-PCR, explica, que tem a detecção mais alta. A Universidade de São Paulo (USP) também trabalha em um teste que detecta a Covid19 por meio da saliva, com o uso da técnica RT-Lamp. Ainda em testes internos, ele deve ser lançado no próximo mês. Além disso, a Universidade Estadual Paulista (Unesp) e a Universidade Federal de Goiás (UFG) estão desenvolvendo testes de Covid19 com análise de saliva, como opção para ampliação do diagnóstico de funcionários e pacientes.

G1/NACIONAL
Data Veiculação: 28/10/2020 às 09h43

Você pode ouvir o Bem Estar no G1, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer ou no aplicativo de sua preferência. Novembro está começando e a pandemia da Covid-19 vai completar oito meses no Brasil. E a pergunta que começa a rolar é: vai ter Natal? Dá para reunir a família? Teremos festas de confraternização? Fogos no Ano Novo? Como se comportar nessas reuniões e como diminuir o risco de contaminação? Esse é o tema do podcast da semana. Conversamos com o Infectologista Estêvão Urbano, professor da Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais, presidente da Sociedade Mineira de Infectologia e diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia e Mirian Dal Ben, infectologista e epidemiologista do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo. O que são podcasts? Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde a gente quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio, a gente acha na internet. De graça. Dá para escutar num site, numa plataforma de música ou num aplicativo só de podcast no celular, para ir ouvindo quando a gente preferir: no trânsito, lavando louça, na praia, na academia... Os podcasts podem ser temáticos, contar uma história única, trazer debates ou simplesmente conversas sobre os mais diversos assuntos. É possível ouvir episódios avulsos ou assinar um podcast – de graça - e, assim, ser avisado sempre que um novo episódio for publicado.

FOLHA DE S.PAULO/SÃO PAULO | GERAL
Data Veiculação: 28/10/2020 às 03h00

Tratamento de Covas ainda não tem fim previsto diagnosticado há quase um ano com câncer na transição entre estômago e esôfago, o prefeito Bruno Covas (PSDB) está com a doença controlada, mas ainda não há previsão de fim do tratamento imunoterápico, segundo a equipe que o acompanha. Poder as bem controlada”, diz Pfiffer. Segundo o oncologista, não há um prazo para a duração das aplicações. "É um tratamento promissor. Para essa doença [do prefeito], começamos [no Sírio] neste ano. Ele tem uma chance grande de uma resposta duradoura [regressão do câncer].” Estudos apontam que o tratamento imunoterápico dura dois anos, em média. Pfiffer afirma que a forma como Covas tem reagido ao enfrentamento da doença surpreende a todos. “Não apenasno aspecto do tumor, mas em relação a toda condição clínica. Teve Covid, foi praticamente assintomático. Fisicamente, está tirando tudo de letra. Emocionalmente, nunca se deixou abater.” Em junho deste ano, Covas foi diagnosticado com Covid-19, afastou-se e retornou ao cargo apenas duas semanas depois. De acordo com Pfiffer, Covas tem sido transparente desde o início do diagnóstico, o que diminui as chances de rumores, mas, ainda assim, eles se intensificaram nesse período eleitoral. “Desde a primeira coletiva de imprensa, ele pediu para gente ser sincero e transparente com as informações.” O oncologista diz que o prefeito está apto a realizar suas atividades pessoais e profissionais sem maiores restrições. Sob a condição de anonimato, a Folha conversou com outros cinco oncologistas (Sírio-Libanês, A.C. Camargo, Albert Einstein, Icesp e Rede D'Or) que ratificam o avanço da imunoterapia nesse tipo de câncer, mas deixam claro que, por ora, não há garantias de que o tumor não voltará a progredir mesmo com o tratamento. Um deles diz que, anos Tratamento de Covas contra câncer não tem previsão de fim Diagnosticado há um ano com tumor na cárdia, tucano está com doença controlada Cláudia Collucci são paulo Diagnosticado há quase um ano com um câncer na cárdia, localizado na transição entre o estômago e o esôfago, o prefeito Bruno Covas (PSDB) está com a doença controlada. Ele segue com o tratamento imunoterápico e não há previsão de término. As afirmações são do oncologista Tulio Eduardo Flesch Pfiffer, que acompanha Covas desde o início do diagnóstico, em 28 de outubro de 2019. Além dele, integram a equipe que o assiste no Hospital Sírio-Libanês os médicos David Uip, Roberto Kalil Filho e Artur Katz, todos do Hospital Sírio-Libanês. No dia 14 deste mês, Covas, que está em campanha para a reeleição, fez a 12a aplicação de imunoterapia. “Eu o examinei de ponta-cabeça. Está clinicamente ótimo”, afirma Pfiffer. Embora a literatura médica aponte um prognóstico ruim para a doença, o tratamento avançou muito nos últimos anos. No caso de Covas, além do tumor na cárdia, foram detectadas lesões no fígado e nos linfonodos ao lado do estômago. Entre outubro e fevereiro último, o prefeito fez oito sessões de quimioterapia. As lesões cancerígenas regrediram, mas não desapareceram. Desde fevereiro, ele passou Candidato à reeleição, Bruno Covas faz campanha no Jardim São Francisco Patrícia Cruz/Divulgação a fazer uso da imunoterapia. O tratamento é inovador e usa anticorpos monoclonais para estimular o sistema imunológico do prefeito. As drogas não visam atacar as células do tumor, como na quimioterapia convencional, mas sim estimular as células de defesa do organismo para que elas combatam a doença. As aplicações duram cerca de 30 minutos e ocorrem a cada três semanas. “Uma outra vantagem é que tem menos efeito colateral do que a quimioterapia. Depois que a gente mudou para a imunoterapia, ele está muito melhor clinicamente, mais bem-disposto. É um cara jovem, forte.” A cada três ciclos de imunoterapia —dois meses aproximadamente— Covas faz exames laboratoriais e de imagem (endoscopia, ressonância magnética e PET/ Scan). “Eles têm mostrado que a doença está muito atrás, essa doença evoluiria em meses, no máximo dois anos, de maneira fatal. Mas que hoje não é assim, segundo ele, pois essas novas drogas personalizadas possibilitam respostas duradouras, de médio e longo prazo. Esse mesmo médico explica que o resultado vai da resposta de cada indivíduo, já que é o próprio organismo que conduz a batalha contra o tumor. Ainda de acordo com esse médico, não é possível saber se o tumor de Covas continuará regredindo até ocorrer uma “resposta completa” ou se voltará a progredir, piorando o quadro. Para um outro especialista, essa é uma resposta que ninguém tem, nem mesmo o médico de Covas. As respostas, completa, são duradouras enquanto duram. Um cirurgião oncológico conta um caso ilustrativo sobre a experiência com a imunoterapia. Há cinco anos ele diz ter operado uma moça de 36 anos. Ela já tinha feito diferentes cirurgias, quimioterapia e estava com a barriga obstruída, cheia de tumores. Ele conta que abriu e fechou a barriga da paciente, não tendo condições de fazer absolutamente nada. O médico pensou que ela morrería em dois ou, no máximo, três meses. Como a imunoterapia para o câncer da paciente já se mostrava promissora, ela passou a usá-la como um último recurso. Em três meses, segundo o médico, uma ressonância apontou que os tumores no abdome haviam diminuído pela metade. Em seis meses, a doença tinha sumido, e a explicação é que, com a droga, houve uma ativação imunológica duradoura contra o tumor.