Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

HOSPITAIS BRASIL ONLINE
Data Veiculação: 21/01/2021 às 00h00

Uma aliança para condução de pesquisas formada por Hospital Israelita Albert Einstein, HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, o Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet), avalia a eficácia e a segurança de potenciais terapias para pacientes com Covid-19. Na nova pesquisa apresentada, o grupo verificou que adicionar tocilizumabe, medicamento utilizado para artrite, ao tratamento padrão contra o novo Coronavírus em pacientes hospitalizados com Covid-19 em estado grave, não é melhor do que o tratamento padrão sozinho. Houve um aumento do número de mortes no período de 15 dias em pacientes recebendo tocilizumabe, resultando na interrupção precoce do estudo. Ainda há resultados contraditórios nos estudos randomizados sobre o real benefício do tocilizumabe. A Organização Mundial da Saúde (OMS) está realizando uma metanálise incluindo dados de todos os estudos randomizados com a droga, inclusive o estudo da Coalizão, para identificar o benefício da droga na Covid-19. A droga bloqueia uma parte específica do sistema imunológico (interleucina 6) que pode estar associada a complicações relacionadas à inflamação na Covid-19. Para testar essa hipótese, os pesquisadores conduziram ensaio clínico randomizado comparando tocilizumabe mais o tratamento padrão com o tratamento padrão sozinho em pacientes internados com Covid-19 em estado grave ou crítico. Os resultados são baseados em 129 adultos relativamente jovens (idade média de 57 anos) com covid-19 confirmado em nove hospitais brasileiros entre 8 de maio e 17 de julho de 2020. Os pacientes estavam recebendo oxigênio suplementar ou ventilação mecânica e tinham níveis anormais de pelo menos dois exames de sangue associados à inflamação. Eles foram divididos aleatoriamente em dois grupos: 65 receberam tocilizumabe mais o tratamento padrão e 64 receberam apenas o tratamento padrão. Outros fatores potencialmente importantes, como condições de base e uso de outra medicação, foram levados em consideração e todos os pacientes foram monitorados por 15 dias. No dia 15, 18 (28%) pacientes no grupo com tocilizumabe e 13 (20%) no grupo de tratamento padrão estavam recebendo ventilação mecânica ou morreram. Mortes em 15 dias ocorreram em 11 (17%) pacientes no grupo com tocilizumabe em comparação com 2 (3%) no grupo de tratamento padrão. O aumento do número de mortes no grupo que estava recebendo tocilizumabe levantou preocupações de segurança e o ensaio foi interrompido precocemente. Em ambos os grupos, as mortes foram atribuídas a insuficiência respiratória aguda ou disfunção de múltiplos órgãos relacionada a covid-19. O grupo apontou algumas limitações, incluindo o pequeno tamanho da amostra, que afeta as chances de detectar um efeito assertivo. No entanto, os resultados foram consistentes após o ajuste para os níveis de suporte respiratório necessários para os pacientes no início do estudo. Como tal, os pesquisadores concluem que para pacientes com Covid-19 grave ou crítico, “tocilizumabe mais o tratamento padrão não foi superior ao tratamento padrão sozinho na melhoria do estado clínico em 15 dias e pode aumentar a mortalidade”. Além disso, eles dizem que esses resultados “levantam questões sobre uma abordagem antiinflamatória no tratamento de Covid-19 além dos corticoides”. O estudo contou com apoio científico do Grupo Fleury e recursos financeiros do Instituto Votorantim. Os outros estudos da Coalizão COVID-19 Brasil Coalizão IV – Está avaliando se a anticoagulação plena com rivaroxabana traz benefícios para pacientes com Covid-19 com risco aumentado para eventos tromboembólicos. Foram incluídos aproximadamente 400 de um total previsto de 600 pacientes em 40 centros. Coalizão V – Avalia a hidroxicloroquina previne o agravamento da Covid-19 em pacientes que não precisam de internação hospitalar. Foram incluídos pouco mais de 1000 pacientes de um total previsto de 1300 em 68 centros. Coalizão VII – Está avaliando o impacto a longo prazo, após alta hospitalar, incluindo qualidade de vida, de pacientes que tiveram Covid19 e foram participantes dos demais estudos da Coalizão. Em andamento. Foram incluídos 1120 pacientes. Coalizão VIII – Avaliará se anticoagulação com rivaroxabana previne agravamento da doença com necessidade de hospitalização em pacientes não-hospitalizados com formas leves da Covid-19. Coalizão IX – Avaliará se drogas antivirais isoladas e/ou em combinação entre si são efetivas para tratar casos de Covid-19 hospitalizados com doença moderada. Os antivirais a serem testados são atazanavir, daclatasvir associados a sofosbuvir. Previsão de início das inclusões em janeiro de 2021.

MULHERES/TV GAZETA/SÃO PAULO
Data Veiculação: 21/01/2021 às 16h58

Vão continuar com as perguntas do pessoal de casa e caso a gente não traga alguma questão que seja importante por favor, fiquem à vontade para contato com a próxima pergunta enviada com um dia a mais de uma vacina disponível que eu posso tomar mais de uma. Olha é como eu mencionei antes a maior parte das vacinas e são de duas vozes, então o que atualmente estão reclamando, é que você tome as duas doses da mesma vacina com a mesma tecnologia seja faça uma mistura com o que vai acontecer daqui para frente, nós ainda não sabemos não, porque mesma há quanto tempo dura na unidade produzida pela vacina ar com a doença, ela coisa que ainda é um ponto de interrogação em estudo sair, não é nossa e certamente anos os indivíduos armados, eles não saio na ponte deve manter grande gente que, pelo menos seis meses quanto tempo vai durar a imunidade vacinal. Nós não sabemos no ano seguinte será que posso me vacinar melhor ter esse tipo de Rafinha e se for necessário, provavelmente sim. Mas nós ainda não temos esse tipo de resposta a gente fica evidente que tudo muito novo na final por e continuamos a classificação de fazer esse momento cada um de uma vacina tetra escassez e tentar manter o esquema esperava-se nosso e voltou com ela as ordens, mas eu quero que elas não se isso é possível com um homem que não certos estudos, talvez no futuro, dessa vez foi nas duas bolsas de com menos de duas semanas, mas nesse momento é de três a cinco e as cidades que não é comum completou o esquema, um de uma vacina para cada um. Uma estreia no cardápio não é. Eu quero é voltar a vencer, vai receber a. A vacina V dez é uma coisa fantástica para você e coletivamente todos os testes das contas ter assinado entre a gente banca todo o mundo sem dor e protege, protege você está extremamente importante. Continuando com as perguntas a próxima semana, ouvi dizer que pessoas com o preenchimento de olheiras como Areal correm mais risco de desenvolver alguma hoje, dia após tomar a vacina é verdade e também a vinte seis. A greve é a gente tomou um susto com essa uma vacina específica para abandonar a visão de quadros e de Obama, às voltas com este momento foram pouquíssimos casos dos carros foram muito leves, mas não com produto nove a vacinação pelo estudo é muito menos o Ceará, como desta e de Cuba, algo que parece ser o título e festa começa na Tunísia mostra que está de uma hora antes, mas acima do Brasil não existe outra recomendação da França com dez pontos e já é de curto, né. Compra de caças para US cento e no ano e de tratar câncer diante de uma doença renal, você pede deve tomar posse na peça do Brasil, fundo no Norte e no caso da Telemar Norte no voto de trinta e um de termômetro para a gente não espera. A cidade é por essa meta não estão muito, muito seguros, teremos o prazo é de que a específica conversa com o médico, muitas questões como está com seu médico, mas de modo geral, uma grande parcela da população federais deverá ter um bom, as dúvidas são muitas e tem certeza que as minhas continuando o pessoal de casa também onde eu posso buscar informação. Segurar sobre a vacina se nação tem alguma não confiável e Tony disponível que eu possa consultar e existe é eu ter confiança e do programa americano do cinema e também diz que tem toda uma a partir de informações para o paciente é interessante essa parte de informações para o paciente e disponível para festa chama é que o programa tem também espanhol, fluente brasileiro consegue. E o número de mão também é parte esperar e ver se a Sociedade Brasileira de que um é de oito homens ações este ano e tem informações também. Por isso, o site da Anvisa e o processo do Ministério da Saúde. Eu não sei se as obras que muitas têm um portal para consultar, mas todos eles sem uma opções em permanecer demais. A doutora Maria Beatriz Souza dias o telefone da doutora Maria Beatriz Souza, dias e onze, três dois cinco um cinco um cinco um nove nove nove e o site para você entrar em contato com a doutora Maria das empresas ficam Celina, Neis pontuar que ponto BRS caos se lida Neis pontuar que ponto BR na nossa frente, temos que é médico neurologista em um site que meu do Leandro Telles ponto com ponto de R no Instagram da TAM é membro Teles e rouba mesmo, Leandro Telles, sem nenhuma letra do Prata, meu lembro termos e as áreas podemos fazer nós de era muito provável veto. Luz nas trevas filas comum de um erro duplo desafio pauta deste ano, o dia seis sete horas, oito horas de prática, a gente vai conversando de acordo com a melhora de densa. Vamos aproveitar já que o Rubens boa troca de informação, ele é só comentar a com onze, não te leva para outra unidade. O começo a me cuidar do campo, muitos médicos nunca nas obras. Médicos e da mente que gravam vídeo, desejando um vídeo com deve se informar quanto parece de morte deve pronta e a fonte da informação decidiu e financiar algo perto de você entrega da manifestação. Segurança e eficiência direcionada melhor com o do prefeito muito. Obrigada pela presença de vocês são duas pessoas muito ocupadas ainda, mas agora muito obrigada, bom ano em uma semana, a gente, né, assim, a CBF nesta semana, uma série de rádio e ela estava com um esparadrapo aqui, porque eu já fui coleta sangue para si, né, não para os outros.

MULHERES/TV GAZETA/SÃO PAULO
Data Veiculação: 21/01/2021 às 16h48

Eu estava acompanhada do ar. Um noticiário das pessoas falam de alergia e tal, e aí me deu o mar na hora me veio meter a querer trazer para cá. E estamos falando com o presidente estão os dois médicos que estão com os dados são muito importantes, mas um número de pessoas que podem apresentar alguma alteração por conta da vacina para nós que estamos vendo os quase dois a zero. E é um particular e não é esta vacina que as penas disponíveis agora um teste para e dá muito pouco. O evento é de que esta A e felizmente soma Felizardo é a segunda vez que nada e também deu entrei no estudo também dois dez e não sabia se era de vacina contra o câncer. Hoje eu fiquei sabendo que também foi assim, né. Bom, eu tive uma leve em cima deles de cabeça que eu falei é um bom passo para tomar a vacina entre os top também a vacina não tem fim do mês para esta, provavelmente é a ser anunciado hoje é o PSDB, honrar os ela é muito pouco e que por ela ter ao mesmo com a vacina a máscara e higienização da maior já no período que no final do ano, nós comentamos à tarde pelo Senado ainda não morreram. Não foi um candidato apoiar a Fundação Nacional controladas Maestras fazem três embora a confiança na Suécia, mas não me custa nada por conta de algum comando mostram três, nós em uma hoje propagando nos fundos tranquilinha diferente, mas não contos oficiais de saúde vão aguardar ansiosamente na frente, logo no início do ano, a meta de vacinar. O pleno também participam do teste clínico cantar na frente o time, um pronto-socorro transporte precisa funcionar para Bom Jesus e a fundo os indígenas quilombolas, mesmo por uma antecipação junto com a Palma convencer a questão de fundo a fundo e excesso de vinte e sete com o partido tem muito impacto do trânsito a fazer uma coisa dessa, eu mesmo sendo o segundo ano no mesmo ano para a companhia aguardava em um momento e por encontrar que tomaram a vacina o que mostra uma dieta mesmo, essa meta muito maior do que o momento também. Vamos às perguntas do pessoal de casa primeira pergunta feita pela Marcela quanto tempo após tomar a vacina que eu estarei imunizada contra a convite de semana e não se que responde por um a um jornal e as vacinas e na parte dessas vacinas podem duas doses, então uma parte das pessoas já vai para a imunidade após a primeira dose. Uma parte está vai conseguir após a segunda dose regional na unidade e está dando a vamos ver a posse. Após a segunda voz em carro, por exemplo que você toma hoje a primeira delas é a redução da que quinze de junho e são vinte e um dia para a segunda dose contra mais duas semanas, depois de para você deverá estar imunizada de Ferraz de novo, como você bem, lembrou, álcool, gel e distanciamento aqui, nós estamos dispensadas por conta de que se não é imune à ação existe a necessidade da marca e dá às divisas com das mãos. Você viu agora é nessa questão da ar. Na deve ficar seco nunca uma coisa importante corpos outra coisa no café e da via oral que vão receber uma seleção e estamos nos anticorpos não dá conta porque eles estão mudando o tempo todo mundo está mudando o tempo todo com Vargas e os que carregam identificadas no mundo uma das varas aqui em Manaus e provavelmente vão surgir em outras áreas da vida está sempre replicar tudo muito novo, né. Como manter na próxima pergunta enviada pela internet tive Covid19 estou curada há três meses eu posso tomar a vacina mesmo assim, é preciso esperar os. A fé das pessoas que tiveram convide que elas também se facilitarem sabe que tem muito a morte questão no lugar de protagonista de sessenta por cento do Hamas. A performance internautas podem permanecer na unidade ao longo dos meses, vamos todos nos tornamos tão possível de acordo com cinco ou seis meses para a gente recomenda mesmo, quem teve convite nesta na nota a polícia no momento de uma escassez de bons a pouco eles aqui não teve de fazer um certo consenso que te convide sintomática pouco tempo terá um pouquinho mais a ser ainda mais numa e setenta e seis vistos não, como nós tanto para mim que eu te pergunto, não foi a vai se vacina contra a unidade da vacina um pouco mais, chove mais específica hora estudada então a recomendação é vacinar as pessoas que tiveram convite diferente da pessoa que estavam com vinte e agora vamos aos poucos sintomas de comum de e lavando bem demais, a médico e depois não vejo muito seco térmico, sintomas ou confirmação de casos de tumulto até alguns esperar o momento não é para me sinto feliz, diz o se desse na maneira como estamos atrás de acordo com a primeira e segunda vez e a derrota do texto que tramita na segunda Vara, no entanto, não é sinal que estava muito a tendência já se recuperou da nossa nação para comandar a em vinte anos tem sido o último perfil que ele apoia a ideia de quando esta surgir desse retrato de um povo, porque a pessoa pode perder o carro sem nenhuma proposta de pensar nessa situação que essa pessoa seria terminar entre a primeira e segunda doses a segunda dose é postergar a primeiro, mas é bom você tomar esta mulher não tinha se mudado de não estamos tão importante quanto para você ver como comprar outras doenças na costa oeste na um dos três, você fez o anúncio na vacinação com a gente mostra cenas muito seco, o Hamas e na proteção num jogo um para cada um de um jeito como a cada ano e a resposta imune, então você não apoiamos com bom senso e ficou bom para a gente continua tenso, mas não tinha. A paciência de vocês

MULHERES/TV GAZETA/SÃO PAULO
Data Veiculação: 21/01/2021 às 16h40

Olha em dois mil e vinte o assunto mais falado foi mm a este ano dois mil tinham graças aos esforços da comunidade científica do mundo inteirinho e sim, graças a Deus, o assunto mais comentado a vacina com a Covid19 com ela tem uma das sobre procedência e eficácia para esclarecer as nossas dúvidas, eu vou conversar com a infectologista. Diretora clínica do Hospital sírio-libanês, a doutora Maria Beatriz Souza, dias e o nosso querido colaborador nosso amigo, o neurologista doutor Leandro ferro, esteja muito bem-vindos. Uma menina trazer recebendo lá de feliz ano que estão encontrando, tolerando agora também final de ano que vem para fazer boas de ter a Maria Beatriz, tantas dúvidas com relação essa vacina, porque também muito se falou, né. Imediatamente, sem dúvida é muito se falou que o escrutínio meu nome não é sobre a vacina. Um de nós nunca vivenciou outras vacinas que a gente calma, a por estradas, assim e sou muito usado durante um grupo de dez pessoas e a segunda até o mar e não na altura que a gente tarde a tomar que tiver para exatamente, é o que me pergunto é a melhor aqui estiver disponível, é menor e não aumentou por quê. Mesmo que já é uma proporção menor superada menor do que algumas que já fizeram estudos de fase III comprovando estar disponível em que estamos e sempre nas você diminui em cinquenta por cento de chance de tudo e já é de estar aqui já e me falar de seleção do mundo em setenta e oito por cento a chance de ter um quadro moderador e já é muito bom, eu fui bastante e nem sempre estão para chance de que o padre bravo e mesmo diante pouco, então, é baixo e me machucam seja Prudente e processo para aguardamos a chegar em outras vacinas. Por que nós não sabemos quando vai chegar no mundo inteiro, está sendo demandando e o consumo dessas vacinas, então, com muita gente. Nesta fila, mas é curioso me lembro porque a gente nunca perguntou dois assistentes das crianças nos bebês da onde frente e tal, qual é. E hoje o índice com a porcentagem que vai proteger a gente acreditava na bacia se foi e virou essa celeuma toda não acho que por conta de formação. Cruzado de nosso próprio empreendimento nos nós leigos não e isso, com certeza, você não foi nada de pegar lá, existe um terreno sinistro é o um a falta de informação hoje, o excesso de informação. Plantão na frente na qualidade de informação aos pedaços e onze, nós vamos provar que não quer ditar por questão de políticos mil e onze anos no quarto entre os jovens a doutora, elas não são um nove zero complicar o convívio concordo em gênero número e grau com a doutora Hannah e eu fiz falou no Congresso, trouxe algum trabalho no álbum podem ficar cada uma das tem que funcionar submundo e Suécia espera de rim é a mais mal que de aonde somos mil e onze discute para o Copom Paulo abra cada um no valor de ficar muito ficar sempre é bom, vamos falar do assunto com o apoio aos doentes de todo o seu peso, a confiança que a gente estudando uma situação a nacional com mais de vinte vacinas, nossas causas desse mal estar acima hoje é a esperança, né. A vida esperança hoje de manhã assim na lotomania metros, dependendo próxima questão muito importante. Existe vacina que faz mal e não existem vacinas e. A ordem foi que é sim a chance para trás e que podem fazer é até o sistema neurológico e algumas vacinas Raimundos Sul na mente, não percentual menor do que um para um milhão de pessoas vacinadas para levar um quadro dois milhões e a gente, né. E isso era o órgão de trânsito começa este mês, mas sentimos menos frequente nessas nessa pais, mas existe a possibilidade era realmente ser diversas particularmente as mais graves nessa questão de é do quadro neurológico e algumas pessoas têm é a de junho e alguns componentes da vacina está sendo muito falada pelos que acompanham a Copa da hora que a gente quer que o mundo inteiro vacinando, lógico que não são mães de pressão é muito grande é muito grande, então vou a fundo e com obras de estilo e bárbaras é, né. É questão, inclusive a culpa não é mundial, mas isto não deve fazer a inspeção ou sessão, então se uma pessoa é muito alérgica e bebes principal emissor alvo a senadora e pode lavar US na equipe e não podia deixar de ser versão maior após as festas de fim de março e terá a novecentos e noventa e nove mil novecentos e noventa e nove pessoas. E isso não vai ocorrer eles nada de sério para ocorrer mesmo nome no time é uma porção de perguntas, o pessoal de casa, a gente vai responder em uma confusão, vamos falar de saúde. oito de manhã, isso combinado recarga Renato, tudo bem, não é. A meta para você na Copa de saúde, menina por via isso, com muito detalhe, muito obrigada, nós já temos que pensar o que estão falando essa vacina é importante melhorar a e são aguardadas e você em casa que tá sofrendo por conta dessas dores com esses magnésio com Sucupira da top onze veio para aliviar a sua vida, sabe o que é mais legal que muita gente que pergunta também sobre enxaqueca mostrar que é um mal que a respeito, a gente as pessoas têm se feito há muito por causa do stress do dia a dia em e trabalho é me matar o passe são exatamente, eu estou muito otimista, que antes de começar a tomar o poder, mas não é nosso Cupira e melhorar bastante por quê, porque é uma Guiné se ele vai promover e o meio de ação de sangue no sistema neurológico também nos nervos e isso faz com que muitos problemas como dores inflamações e até mesmo as enxaquecas sejam aliviadas é através desse produto que ela é cem por cento natural e indicado por médicos e também por especialistas não tem contraindicação isso é que é legal, as pessoas perguntam anos após tomar como alguns outros canais não tem problema nenhum, com certeza, você vai melhorar tomadas produto é que mas a determinação Corinthians Agnés com super a data que é um mais essa imagem é a melhor coisa que você vai reagir, vencer, vai pegar agora então a nosso telefone zero oitocentos zero dez a cinquenta de E é maravilhosa e PC e para nós mesmo. A gente fala sempre da promoção por que é importante você ligar falar não aqui no mulheres comigo com a Regina, para você ganhar além de todos os bens que são a forma de equidade de encargos ter mais essa lindíssima se Mizael banhada a ouro se você falar que veio aqui hoje você vai ganhar, mas com trezentos e cinquenta por cento de desconto só para você ter que ligar agora e ainda tem mais brinde e três seis e nove da papel é entrar como onde mais se mata esta pena dia também é produtor e curador e ela vivia não era retido, você passa no local que está doendo, está inflamado aquelas dores aí nas terras, aquelas dores nos braços para a gente que faz movimentos repetitivos. É realmente a linha tem um monte de gente que dar depoimento fala que passa na hora mesmo para a que a combinação perfeita para você, zero oitocentos zeros pés, cinquenta de papelão Sucupira liga agora, zero oitocentos e dez, cinquenta de estar planos de saúde vão passar sem dúvida nenhuma pressa envergonhada.

VEJA SAÚDE/SÃO PAULO
Data Veiculação: 21/01/2021 às 14h47

Uma nova pesquisa brasileira traz um alerta sobre o uso do tocilizumabe para o tratamento de pacientes graves da Covid-19. Apontado pelo primeiro-ministro britânico Boris Johnson como uma esperança para salvar mais vidas naquele país, o medicamento para artrite não trouxe o benefício previsto em um teste feitos no nosso país. Em artigo publicado no dia 20 de janeiro no periódico científica The British Medical Journal, pesquisadores da Coalizão Covid-19, responsável pelo estudo, relatam que as análises com o tocilizumabe precisaram ser interrompidas após 15 dias, depois de observarem um aumento das mortes entre pacientes que receberam o remédio. Também não foram encontradas vantagens da adição da droga ao tratamento padrão. A Coalizão Covid-19 é uma aliança para condução de pesquisas formada por oito organizações de saúde do Brasil: Hospital Israelita Albert Einstein, HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Brazilian Clinical Research Institute – BCRI, e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva – BRICNet. Os resultados apresentados pelo time serão incorporados a uma meta-análise da Organização Mundial da Saúde (OMS), que reunirá estudos para avaliar se o tocilizumabe pode ou não ajudar no tratamento da Covid-19 em algum contexto. Atualmente, pesquisas em diversos países trazem resultados contraditórios. Uma delas, do projeto britânico Remap-Cap, indicou recentemente que a aplicação da droga 24 horas após a internação em UTI reduziu em 24% o risco de morte. “No geral, os nossos resultados estão de acordo com a maioria dos estudos com tocilizumabe, exceto o Remap. Esse é um estudo maior do que o nosso, mas que não foi publicado ainda e tem sido um caso atípico em termos de benefício de sobrevida”, afirma o cardiologista Renato Lopes, diretor da BCRI e integrante do comitê executivo da coalizão. Segundo Lopes, outra investigação em desenvolvimento no Reino Unido, o Recovery, deverá trazer uma conclusão definitiva sobre a droga, dado o tamanho da sua amostra. “Olhando a totalidade dos dados disponíveis e publicados até o momento, acho que o tocilizumabe tem um papel limitado no tratamento de pacientes com a Covid-19, e sem claro benefício na sobrevida. ” Continua após a publicidade Viviane Cordeiro Veiga, coordenadora de UTI da BP e integrante da Coalizão Covid-19, lembra que, por enquanto, apenas a dexametasona se mostrou comprovadamente eficaz no tratamento da doença em casos graves. “Porém, não de forma preventiva, e sim em pacientes que estão usando oxigênio”, reforça a médica intensivista. Relacionadas MedicinaPrednisona: o que é, para que serve e como funciona esse corticoide20 jan 2021 - 13h01 MedicinaCampanha nacional de vacinação para Covid-19 é inaugurada com indefinições18 jan 2021 - 12h01 MedicinaRemédios contra Covid-19: o que funciona e o que é melhor deixar para lá15 jan 2021 - 17h01 Veja.com.brCovid-19: a busca por tratamentos contra a ‘tempestade de citocinas’ Sobre a pesquisa O tocilizumabe bloqueia uma substância produzida pelo sistema imunológico (interleucina-6), que pode estar associada a complicações da Covid-19. Para testar essa hipótese, os cientistas da Coalizão conduziram ensaio clínico randomizado comparando o uso do remédio incorporado ao tratamento padrão versus o tratamento padrão sozinho. Todos os voluntários estavam internados em estado grave ou crítico por causa do coronavírus. Quinze dias após a aplicação das doses, 28% dos pacientes que receberam tocilizumabe estavam recebendo ventilação mecânica ou morreram. No outro grupo, a proporção foi de 20%. O índice de óbitos entre quem tomou tocilizumabe foi de 17%. Já naqueles que ficaram apenas com o tratamento padrão, 3% morreram no mesmo período. Os resultados se basearam em 129 adultos com idade média de 57 anos. Eles foram atendidos em nove hospitais brasileiros, entre 8 de maio e 17 de julho de 2020. O aumento do número de mortes na turma que estava recebendo tocilizumabe levantou preocupações de segurança, ao ponto de a pesquisa ser interrompida precocemente. Em ambos os grupos, as mortes foram atribuídas a insuficiência respiratória aguda ou disfunção de múltiplos órgãos. Os pesquisadores brasileiros apontaram algumas limitações do trabalho, incluindo o pequeno tamanho da amostra, que afeta as chances de detectar um efeito assertivo. *Este conteúdo é da Agência Einstein Mais lidas MedicinaMedicinaPrednisona: o que é, para que serve e como funciona esse corticoide MedicinaMedicinaVacinas contra a Covid-19: o que esperar dos efeitos colaterais MedicinaMedicinaTestes para coronavírus: entenda os tipos e diferenças entre eles MedicinaMedicinaIvermectina: o que sabemos sobre seu uso contra o coronavírus Continua após a publicidade.

UOL VIVA BEM/UOL/SÃO PAULO
Data Veiculação: 21/01/2021 às 10h54

Uma nova pesquisa brasileira traz um ponto de alerta sobre o uso do tocilizumabe para o tratamento de pacientes graves da Covid-19. Apontado pelo primeiro-ministro britânico Boris Johnson como uma esperança para salvar mais vidas naquele país, o medicamento para artrite não teve o benefício previsto em testes feitos no Brasil. Em artigo publicado nesta quarta-feira (20) no The British Medical Journal, pesquisadores da Coalizão Covid-19, responsável pelo estudo, relatam que as análises com o tocilizumabe precisaram ser interrompidas após 15 dias, depois de observarem um aumento das mortes entre pacientes que receberam a dose do remédio. Também não foi encontrado nenhum benefício da adição da droga ao tratamento padrão. A Coalizão Covid-19 é uma aliança para condução de pesquisas formada por oito organizações de saúde do Brasil (Hospital Israelita Albert Einstein, HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Brazilian Clinical Research Institute - BCRI, e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva - BRICNet). Os resultados apresentados pelos brasileiros serão incorporados a uma meta-análise da Organização Mundial da Saúde (OMS), que reunirá uma série de outros estudos para avaliar se o tocilizumabe pode ou não ajudar no tratamento da Covid-19. Atualmente, pesquisas em diversos países trazem resultados contraditórios. Um deles, do projeto britânico Remap-Cap, mostrou recentemente que a aplicação da droga 24 horas após a internação em UTI pode reduzir em 24% o risco de morte. "No geral, os nossos resultados estão de acordo com a maioria dos estudos com tocilizumabe, exceto o Remap, que é um estudo maior do que o nosso e, até o momento, apesar de não publicado ainda, tem sido um caso atípico em termos de benefício de sobrevida", afirma o cardiologista Renato Lopes, diretor da BCRI e integrante do comitê executivo da coalizão. Segundo Lopes, outro estudo em desenvolvimento no Reino Unido, o Recovery, deverá trazer uma conclusão mais definitiva sobre a droga, dado o tamanho da amostra usada nas análises. "Essa pesquisa ajudará tremendamente na compreensão do papel desse agente em pacientes com Covid19. Mas, olhando a totalidade dos dados disponíveis e publicados até o momento, acho que o tocilizumabe tem um papel limitado no tratamento de pacientes com a Covid-19 e sem claro benefício na sobrevida." Na visão do pesquisador Alexandre Biasi, diretor do Instituto de Pesquisas do HCor, o estudo traz uma importante contribuição para a meta-análise em desenvolvimento pela OMS. "Estamos oferendo mais uma peça para este quebra-cabeça. Os resultados ajudarão a construir diretrizes consistentes sobre o uso correto do medicamento. Esperamos que ele possa ajudar no tratamento da Covid19, mas é preciso que isso seja feito com base em pesquisas, como esta que desenvolvemos na Coalizão", destaca o médico. Viviane Cordeiro Veiga, coordenadora de UTI da BP e integrante da Coalizão Covid-19, lembra que, por enquanto, apenas a dexametasona foi comprovada como eficaz no tratamento da doença em casos graves. "Pensando em medicamentos que podem atuar na resposta inflamatória da Covid-19, mostramos que o tocilizumabe não foi efetivo em enfermos em estado crítico. Hoje, dentre os tratamentos aprovados, não temos nenhuma outra medicação com resultados inequívocos, a não ser o corticoide. Porém não de forma preventiva e sim em pacientes que estão usando oxigênio", reforça a médica intensivista. Sobre a pesquisa O tocilizumabe bloqueia uma substância produzida pelo sistema imunológico (interleucina-6), que pode estar associada a complicações relacionadas à inflamação na Covid-19. Para testar essa hipótese, os pesquisadores da Coalizão conduziram ensaio clínico randomizado comparando o uso do remédio para artrite incorporado ao tratamento padrão com o tratamento padrão sozinho, todos em pacientes da Covid-19 internados em estado grave ou crítico. Quinze dias após a aplicação das doses, 28% dos pacientes do grupo com tocilizumabe estavam recebendo ventilação mecânica ou morreram. No grupo padrão, a proporção foi de 20%. O índice de óbitos no grupo com tocilizumabe foi de 17%. Já entre aqueles que receberam apenas o tratamento padrão, 3% morreram no mesmo período. Os resultados são baseados em 129 adultos relativamente jovens (idade média de 57 anos) com Covid-19 confirmado em nove hospitais brasileiros, entre 8 de maio e 17 de julho de 2020. O aumento do número de mortes no grupo que estava recebendo tocilizumabe levantou preocupações de segurança e o ensaio foi interrompido precocemente. Em ambos os grupos, as mortes foram atribuídas a insuficiência respiratória aguda ou disfunção de múltiplos órgãos relacionada à doença. Os pesquisadores brasileiros apontaram algumas limitações, incluindo o pequeno tamanho da amostra, que afeta as chances de detectar um efeito assertivo. No entanto, os resultados foram consistentes após o ajuste para os níveis de suporte respiratório necessários para os pacientes no início do estudo.

ISTOÉ ONLINE/SÃO PAULO
Data Veiculação: 21/01/2021 às 08h03

Uma nova pesquisa brasileira traz um ponto de alerta sobre o uso do tocilizumabe para o tratamento de pacientes graves da Covid-19. Apontado pelo primeiro-ministro britânico Boris Johnson como uma esperança para salvar mais vidas naquele país, o medicamento para artrite não teve o benefício previsto em testes feitos no Brasil. Em artigo publicado nesta quarta-feira (20) no The British Medical Journal, pesquisadores da Coalizão Covid-19, responsável pelo estudo, relatam que as análises com o tocilizumabe precisaram ser interrompidas após 15 dias, depois de observarem um aumento das mortes entre pacientes que receberam a dose do remédio. Também não foi encontrado nenhum benefício da adição da droga ao tratamento padrão. A Coalizão Covid-19 é uma aliança para condução de pesquisas formada por oito organizações de saúde do Brasil (Hospital Israelita Albert Einstein, HCor, Hospital Sírio-Libanês, Hospital Moinhos de Vento, Hospital Alemão Oswaldo Cruz, BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, Brazilian Clinical Research Institute – BCRI, e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva – BRICNet). Os resultados apresentados pelos brasileiros serão incorporados a uma meta-análise da Organização Mundial da Saúde (OMS), que reunirá uma série de outros estudos para avaliar se o tocilizumabe pode ou não ajudar no tratamento da Covid-19. Atualmente, pesquisas em diversos países trazem resultados contraditórios. Um deles, do projeto britânico Remap-Cap, mostrou recentemente que a aplicação da droga 24 horas após a internação em UTI pode reduzir em 24% o risco de morte. “No geral, os nossos resultados estão de acordo com a maioria dos estudos com tocilizumabe, exceto o Remap, que é um estudo maior do que o nosso e, até o momento, apesar de não publicado ainda, tem sido um caso atípico em termos de benefício de sobrevida”, afirma o cardiologista Renato Lopes, diretor da BCRI e integrante do comitê executivo da coalizão. Segundo Lopes, outro estudo em desenvolvimento no Reino Unido, o Recovery, deverá trazer uma conclusão mais definitiva sobre a droga, dado o tamanho da amostra usada nas análises. “Essa pesquisa ajudará tremendamente na compreensão do papel desse agente em pacientes com Covid19. Mas, olhando a totalidade dos dados disponíveis e publicados até o momento, acho que o tocilizumabe tem um papel limitado no tratamento de pacientes com a Covid-19 e sem claro benefício na sobrevida. ” Na visão do pesquisador Alexandre Biasi, diretor do Instituto de Pesquisas do HCor, o estudo traz uma importante contribuição para a meta-análise em desenvolvimento pela OMS. “Estamos oferendo mais uma peça para este quebra-cabeça. Os resultados ajudarão a construir diretrizes consistentes sobre o uso correto do medicamento. Esperamos que ele possa ajudar no tratamento da Covid19, mas é preciso que isso seja feito com base em pesquisas, como esta que desenvolvemos na Coalizão”, destaca o médico. Viviane Cordeiro Veiga, coordenadora de UTI da BP e integrante da Coalizão Covid-19, lembra que, por enquanto, apenas a dexametasona foi comprovada como eficaz no tratamento da doença em casos graves. “Pensando em medicamentos que podem atuar na resposta inflamatória da Covid-19, mostramos que o tocilizumabe não foi efetivo em enfermos em estado crítico. Hoje, dentre os tratamentos aprovados, não temos nenhuma outra medicação com resultados inequívocos, a não ser o corticoide. Porém não de forma preventiva e sim em pacientes que estão usando oxigênio”, reforça a médica intensivista. Sobre a pesquisa O tocilizumabe bloqueia uma substância produzida pelo sistema imunológico (interleucina-6), que pode estar associada a complicações relacionadas à inflamação na Covid-19. Para testar essa hipótese, os pesquisadores da Coalizão conduziram ensaio clínico randomizado comparando o uso do remédio para artrite incorporado ao tratamento padrão com o tratamento padrão sozinho, todos em pacientes da Covid-19 internados em estado grave ou crítico. Quinze dias após a aplicação das doses, 28% dos pacientes do grupo com tocilizumabe estavam recebendo ventilação mecânica ou morreram. No grupo padrão, a proporção foi de 20%. O índice de óbitos no grupo com tocilizumabe foi de 17%. Já entre aqueles que receberam apenas o tratamento padrão, 3% morreram no mesmo período. Os resultados são baseados em 129 adultos relativamente jovens (idade média de 57 anos) com Covid-19 confirmado em nove hospitais brasileiros, entre 8 de maio e 17 de julho de 2020. O aumento do número de mortes no grupo que estava recebendo tocilizumabe levantou preocupações de segurança e o ensaio foi interrompido precocemente. Em ambos os grupos, as mortes foram atribuídas a insuficiência respiratória aguda ou disfunção de múltiplos órgãos relacionada à doença. Os pesquisadores brasileiros apontaram algumas limitações, incluindo o pequeno tamanho da amostra, que afeta as chances de detectar um efeito assertivo. No entanto, os resultados foram consistentes após o ajuste para os níveis de suporte respiratório necessários para os pacientes no início do estudo. (Fonte: Agência Einstein) The post Pesquisa brasileira não observa benefício do tocilizumabe em pacientes graves da Covid-19 appeared first on Agência Einstein.

RÁDIO BANDEIRANTES 840 AM/SÃO PAULO | Primeira Hora
Data Veiculação: 21/01/2021 às 07h41

Que ela Freitas, o principal deles é o mais comum e arritmia cardíaca e logo depois já se comprovou que não tinha benefício algum. Então já só tinha risco de resposta da ciência não foi suficiente para evitar a propagação de informações equivocadas sobre tratamento e até prevenção da corte de 10, quando o ministro da saúde, Eduardo Paes vendo contraiu a doença em outubro, ele apareceu ao lado do presidente Bolsonaro, fazendo propaganda dos medicamentos, que àquela altura já tinham sua eficácia contestada. Na terça o mesmo setor, mas não nos viu na Anchieta e as do ensino nas quartas de poderes e umas horas e então mais um caso de concreto que é o jogador que precisa de mais de que se o médico que não quis dar mais detalhes, você vai me chamar os médicos e mesmo assim, ainda há uma semana, o compromisso numérico esse prazo, ele ainda seria internado mais 2 vezes. Por complicações da doença a voltar ao trabalho depois de 3 semanas, o ministro disse que ainda não estava totalmente recuperado esta semana depois que a Anvisa deixou claro que não existe tratamento para Covid19 brasileiro disse que a orientação do ministério sempre foi a busca pelo paciente do atendimento precoce e não do tratamento precoce, mas faz o estilo e o Ministério da Saúde continuarão defendendo o tratamento precoce em resposta à crise hospitalar no Amazonas, o Governo Federal lançou uma plataforma online para orientar médicos no diagnóstico da convite mesmo informando os sintomas, que não são tão característicos da doença, como diarreia, o sistema recomenda o uso de medicamentos, como do que na e drogas seguro que na ilha de Cristina, a impressão que me dá é que quem elaborou esse. Esse fluxo não é especialista, atualmente não insiste e nenhum antiviral específico para o tratamento do coronavírus disponível na prática clínica Bandeirantes se ligar à Rádio Bandeirantes no Twitter e o turbilhão Facebook no mês. Sem formado por dentro das novidades e claro participando pelas redes sociais da nossa programação nos vemos lá Rádio Bandeirantes. Repórter Bandeirantes e o oferecimento de grupo Souza Lima eficiência em segurança de serviço que por ser inglês.