Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

BOL
Data Veiculação: 18/03/2020 às 00h00

O Hospital Albert Einstein, em São Paulo, informou na manhã de hoje que 21 pessoas estão internadas em sua unidade com diagnóstico confirmado de novo coronavírus. Outros 24 pacientes estão internados com quadro de suspeita de covid-19, nome dado à doença causada pelo vírus. Desse total de 45 pessoas, sete pacientes estão em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva). A assessoria de imprensa do hospital não informou quantos deles têm o diagnóstico confirmado. A informação foi divulgada após áudios circularem nas redes sociais e apontarem que nos hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês estariam internados mais de 100 pacientes em UTIs em razão da pandemia. O Einstein desmentiu a informação indicada no áudio. Procurado, o Sírio-Libanês não se manifestou até o momento. Foi no Einstein que houve a primeira confirmação de um caso do novo coronavírus no país, no final de fevereiro. Ontem, o estado de São Paulo confirmou a primeira morte pela covid-19 no país. A vítima era um homem de 62 anos que estava internado em um hospital da rede Prevent Senior. Outros quatro óbitos ocorridos em hospital da mesma empresa da área de saúde são investigados por suspeita de ligação com o novo coronavírus. De acordo com o último informe do Ministério da Saúde, o país possui 291 casos da covid-19. Desses, 164 estão no estado de São Paulo.

METRÓPOLES/BRASÍLIA
Data Veiculação: 18/03/2020 às 23h37

O senador Nelsinho Trad (PSD-MS), que testou positivo para o novo coronavírus, foi internado, na noite desta quarta-feira (18/03) no Hospital Sírio Libanês de Brasília. Trad, presidente da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado, foi um dos integrantes da comitiva do presidente Jair Bolsonaro na viagem aos Estados Unidos. Esta é a terceira vez que o parlamentar procura a unidade particular de saúde em busca de atendimento. Nas duas primeiras, ele foi medicado e orientado a cumprir tratamento contra a doença em isolamento domiciliar. Nesta quinta, porém, apresentou sintomas mais severos da Covid-19, sendo necessária sua internação. Trad estaria sentindo dificuldades respiratórias e apresenta quadro febril. Há a possibilidade de que o senador seja transferido para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital, apenas para título de monitoramento. O estado de saúde dele é considerado estável. Trad não foi o primeiro da comitiva a testar positivo para o novo coronavírus. Nesta quinta, o chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, braço direito do chefe do executivo nacional, também confirmou o contágio. Além de Heleno e do senador, o secretário de Comunicação da presidência, Fabio Wajngarten; seu secretário-adjunto, Samy Liberman; e o encarregado de Negócios do Brasil nos Estados Unidos, o embaixador Nestor Forster, também foram testados como positivo.

R7.COM/SÃO PAULO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 23h04

Diagnosticado com coronavírus, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), de 58 anos, foi encaminhado para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do hospital Sírio-Libanês de Brasília nesta quarta-feira (18). Ele deu entrada no hospital às 9h e foi submetido a uma tomografia, que identificou resíduos provenientes de coronavírus no pulmão do senador. O diagnóstico seria uma pneumonia causada em decorrência do covid-19. No momento, a situação do senador, que também é médico, é considerada "bem delicada”. Ele deve ficar em observação intensiva durante toda a madrugada desta quinta-feira (19). Leia mais: Ministro de Minas e Energia testa positivo para coronavírus Antes de ingressar na UTI, Trad esteve três vezes no hospital. Na primeira entrada apresentou falta de ar, febre e realizou exames. Depois, o quadro de saúde foi piorando. Nesta última passagem pelo hospital, precisou ficar internado. Nelsinho Trad foi um dos membros da comitiva que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos no início do mês. Em nota, o senador disse ter sido surpreendido quando o secretário de comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, positivado para a covid-19. "Segui fiel e estritamente os protocolos de quem se enquadra em comunicante de caso. Fiz o exame, que resultou positivo. Serenamente, com fé em Deus, e atendendo todas as orientações dos profissionais de saúde envolvidos nesse enfrentamento, estou em casa com a minha família, guardando o período de isolamento", afirmou Trad.

JORNAL GLOBONEWS - EDIÇÃO DAS 10H/GLOBONEWS
Data Veiculação: 18/03/2020 às 12h35

Transcrição:

Elisa é uma situação tão nova tão excepcional. Este ano com a gente de uma maneira que talvez nem saibamos dimensionar nesse momento, vemos famílias isoladas dentro de casa pessoas que conviviam afastadas, eu vi uma cena que veio da Itália de hospitais, em que as pessoas estão morrendo e não podem se despedir dos seus parentes em termos de lojas não estão acontecendo, quer dizer, é com a Al que a gente tem que começar a ficar atento neste momento para que a gente consiga atravessar. Essa crise é o mais saudável possível inclusive aqui mentalmente e tem uma linha me fez conhecer muitas dimensões, né, acho que você fala e de uma dimensão que essa de como a nossa vida é impactada por mudanças e mudanças desde outros ritmos e trabalho outros lugares de trabalho medidas, pedidos de mudança de comportamento. E o medo, o pânico e o a dor das perdas nessas cidades, enfim, então acho que são muitas dimensões que estão presentes nesse momento e I feel moda como as pessoas vão lidar com isso, vai depender também de como das condições que a gente vai ter em termos de políticas de orientação de políticas de proteção. A gente não pode achar que dependerá única e exclusivamente do sujeitos a produzir em boas respostas para isso, né, acho que no momento a gente tem um grande desafio, que é muito embora a gente fale das pessoas que estão em casa isoladas, enfim, a gente tem muitas pessoas que não estão em casa isolar a Viação que não tenha muitas pessoas que não tem essa opção por muitas condições, né. Desde que a gente não tem proteção em termos e condições de trabalho para que todos os trabalhadores possam efetivamente parar nesse momento mesmo, seguir, as recomendações dos gestores públicos em relação aos critérios aí de paralisação de afastamento de trabalho em casa, enfim, a gente também tem uma situação, então a gente viveu uma situação de precarização do trabalho dos últimos anos, né, que faz a gente ter um conjunto de trabalhadores sem nenhum direito sem nenhuma proteção e que a orientação de pare para ele não é simples, né. Tem uma série de impactos, enfim, então tem desde esta situação até situações mais extremas das pessoas que estão nas ruas que vivem nas curvas, né e escolar com uma série de dificuldades para a gente poder seguir as orientações que são as orientações necessárias apresentadas nesse momento pelo campo da saúde pública da vigilância que são fundamentais para a gente poder controlar a epidemia Neto, endemia, na verdade em ela exige uma mudança de comportamento que não é simples de fazer pelas condições objetivas das pessoas pelas condições de vida delas, mas um tanto também muitas vezes por condições psicológicas emocionais, então, muita gente entre pânico, muita gente menos Press o que está acontecendo, a gente ainda tem isso é uma fuga da realidade, né, a vida e dar muitas pessoas embora, haja indicação de se puder não saia de casa todo mundo que puder não saia, né. Muitas pessoas não estão ainda cumprindo essa recomendação, existem coisas têm de ter razões e seis e tem implicações importantes Raquel. Obrigada, Aline, Eliza. E a gente estava começando mais cedo com a doutora Maria Beatriz infectologista do Hospital sírio-libanês em São Paulo, ela me ela foi uma coisa que me chamou muito a atenção que as pessoas não tem não devem confundir os sintomas do coronavírus falta de ar com ansiedade, porque a gente sabe que essas questões emocionais também tem aspectos físicos, né. A pessoa fica com o coração acelerado quando ela fica nervosa, ela tem falta de ar. Eu queria que você explicasse para essas pessoas como fazendo ou que tem que ficar em casa de isoladas, não pode ter contato não pode sair, ficam negociadas ou para quem tem que sair tão chateado, porque tem que sair ou que tipo de de de elemento, a gente tem que prestar atenção no nosso dia a dia para a gente também não, né. As pessoas não entrar em pânico, tanto por uma situação quanto por outra que pode se desculpar.

TERRA/SÃO PAULO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 11h56

Como se organizar para trabalhar de casa, com ou sem filhos? O Estado faz nesta quarta-feira, 17, uma transmissão ao vivo com João Klupel, diretor da Michael Page, empresa de recrutamento especializado, para responder essas e outras dúvidas sobre o home office. A transmissão será realizada em nossas redes sociais e está marcada para às 16 horas. As perguntas podem ser enviadas por meio do grupo #EstadãoInforma: Coronavirus (para entrar), espaço para discussão e troca de informações sobre a pandemia, aberto a todos os leitores do Estadão. A iniciativa é parte da cobertura especial do Estadão sobre a pandemia. Nessa semana, o jornal já recebeu a psicanalista e pesquisadora na área da infância Ilana Katz para falar sobre como lidar com as crianças e a infectologista do hospital Sírio Libanês, Dra. Mirian Dal Ben. O jornal disponibilizou seus principais conteúdos sobre a epidemia gratuitamente aos leitores que não são assinantes. Foi criado também Boletim Coronavírus, newsletter aberta a todos com as principais notícias do dia sobre o tema.

PAIS & FILHOS ONLINE/SÃO PAULO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 11h55

É preciso muito cuidado na organização da sua rotina em casa a partir de agora (Foto: Getty Images) após a confirmação da primeira morte por coronavírus no Brasil, a preocupação com a prevenção, principalmente em São Paulo que foi considerado o epicentro da doença, dobrou! Dentre as medidas tomadas pelo governo de vários estados brasileiros está o cancelamento das aulas e a recomendação que as empresas, que puderem, dispensem os funcionários para trabalharem de casa. De acordo com a infectologista do Hospital Sírio Libanês, Dra Maria Beatriz, é preciso muito cuidado na organização da sua rotina em casa a partir de agora. Porque não adianta deixar as crianças com os avós, porque os idosos fazem parte do grupo de risco – mais vulneráveis à infecção, e ela também alerta: “Não agrupem as crianças em um só lugar”. Em entrevista para a Globo News, a especialista deixou claro que o isolamento das famílias é importante nesta fase de contenção da contaminação que estamos vivendo. A orientação é que você não junte as crianças da família em uma casa. “Não adianta cancelarem as aulas e os pais levarem todas as crianças para só um lugar”, reforça. “Não agrupem as crianças em um só lugar”, orienta infectologista (Foto: Getty Image) A gente sabe o quanto é difícil manter as crianças entretidas em casa, principalmente se elas estiverem sozinhas. Separamos algumas dicas para você tirar essa fase de letra: Explore a imaginação as crianças que gostam de brincar de faz de conta são boas em se divertir, disse o Dr. Willard, Psy.D., psicólogo infantil em Boston e autor de Child’s Mind. “As crianças não serão capazes de jogar uma bola ou andar de bicicleta em todas as situações chatas, mas sempre terão sua imaginação “, diz ele. Experimente estes jogos para aproveitar a vida de fantasia de seu filho: da próxima vez que você tiver muitas tarefas a fazer, sugira que seu filho finja que ela é uma alienígena que está acompanhando você durante o dia para descobrir como são os terráqueos. Ou quando você estiver na fila do caixa no supermercado, peça para seu filho acreditar que ela é uma chef de TV comprando mantimentos para seu programa. Depois de algumas vezes, pare de fornecer o cenário e pergunte ao seu filho o que ele deveria fingir ser. “Com a prática, você pode chegar ao ponto em que ela se sente confortável olhando pela janela em uma longa viagem de carro, porque ela pode criar uma história elaborada”, diz o Dr. Willard. Recompense-o por brincar sozinho na escola, seu filho tem mais ou menos 20 colegas possíveis. Em casa, ele pode estar sozinho – ou apenas com um irmão, fazer esse ajuste é difícil. Para resolver o problema, programe um tempo para seu filho se divertir sozinho – fazer um quebra-cabeça, construir um forte com peças de montar e ler livros ilustrados são ótimas atividades para crianças. Caso seu filho precise de um ponto de partida para aprender a se divertir sozinho, sugira-os, mas, caso contrário, deixe-o inventar algo por conta própria. Comece com apenas 15 ou 20 minutos de tempo sozinho e adicione mais cinco ou dez minutos por semana, trabalhando até uma hora. (Obviamente, você nunca deve deixar seu filho sem vigilância em qualquer lugar, pois pode haver um problema de segurança, como a cozinha ou a garagem.) Vale recompensá-lo por esse tempo sozinho, quando o quebra-cabeça é concluído, por exemplo, faça algo que irá agradá-lo, como brincar um pouco com ele, ou até o presentear com refeições que ele goste. Pense fora da caixa de brinquedos Kathleen M. Reilly disse que, quando seu filho Patrick se sentia entediado, ela costumava dizer: “Olhe para esses tanto de brinquedo que você tem, por qu não brinca com algum deles?”. O problema é que os especialistas dizem que quando as crianças estão entediadas, um carrinho ou uma Barbie não os animam. “Eles desejam algo único para brincar”, disse Robert Epstein, Ph.D., psicólogo infantil em San Diego. Certifique-se de que seu filho saiba que coisas domésticas comuns – um porta-toalhas de papel, uma caixa de papelão gigante, macarrão seco e outras massas divertidas, sacos de papel, botões extras de todas as cores e tamanhos – estão disponíveis, desde que ela pede sua permissão primeiro. Mas resista a empacotar os suprimentos em uma “caixa do tédio”, porque tira o senso de descoberta. “Suponha que seu filho tenha a ideia de fazer um fantoche de mão com materiais em toda a casa. Ela desenvolverá mais habilidades de resolução de problemas pesquisando de sala em sala para encontrar o que vai usar para os olhos do que abrir uma caixa e encontrar tudo o que ela precisa ali”, falou Epstein. Foque na criatividade não há problema em sugerir uma solução para as crianças quando elas estão entediadas, especialmente se tiver passado pelo menos 10 ou 15 minutos e elas não tiverem conseguido criar algo por conta própria. Mas as distrações mais comuns – ligar um programa de TV, escolher um filme ou até mesmo entregar o celular – ensinam seu filho a esperar gratificação instantânea. Eles provavelmente manterão seu filho ocupado por um tempo, “Mas a longo prazo, essas correções tornarão seu filho menos tolerante com o tempo quieto, porque ele sentirá que sempre precisa responder a alguma coisa”, diz o Dr. Epstein. “Além disso, geralmente não há nada criativo neles.” Como uma possível alternativa, Dr Cuneo sugere ter alguns projetos na manga para ocupar à criança em momentos que você também estiver sem criatividade. Um deles, por exemplo, é construírem juntos um jardim de flores, vegetais, temperos, etc. As crianças podem regar, arrancar ervas daninhas, semear, colher e até usar um caderno para desenhar – ou escrever, caso já saiba – o progresso das plantas. “Dentro da razão, deixe-os decidir o que plantar e onde fazer o jardim. Às vezes, dá certo e às vezes não, mas dar-lhes liberdade ajuda a promover o pensamento criativo”, diz o Dr. Cuneo. Agora, você pode receber notícias da Pais&Filhos direto no seu WhatsApp. Para fazer parte do nosso canal CLIQUE AQUI! * Leia também: Descumprir medidas preventivas contra coronavírus pode levar a 1 ano de prisão Turma da Mônica: Cebolinha cria “plano de ploteção” contra novo coronavírus e as crianças vão amar!

ESTADÃO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 11h44

Como se organizar para trabalhar de casa, com ou sem filhos? O Estado faz nesta quarta-feira, 17, uma transmissão ao vivo com João Klupel, diretor da Michael Page, empresa de recrutamento especializado, para responder essas e outras dúvidas sobre o home office. A transmissão será realizada em nossas redes sociais e está marcada para às 16 horas. As perguntas podem ser enviadas por meio do grupo #EstadãoInforma: Coronavirus (clique aqui para entrar), espaço para discussão e troca de informações sobre a pandemia, aberto a todos os leitores do Estadão. A iniciativa é parte da cobertura especial do Estadão sobre a pandemia. Nessa semana, o jornal já recebeu a psicanalista e pesquisadora na área da infância Ilana Katz para falar sobre como lidar com as crianças e a infectologista do hospital Sírio Libanês, Dra. Mirian Dal Ben. O jornal disponibilizou seus principais conteúdos sobre a epidemia gratuitamente aos leitores que não são assinantes. Foi criado também Boletim Coronavírus, newsletter aberta a todos com as principais notícias do dia sobre o tema.

UOL NOTÍCIAS - ÚLTIMAS NOTÍCIAS/SÃO PAULO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 11h31

O Hospital Albert Einstein, em São Paulo, informou na manhã de hoje que 21 pessoas estão internadas em sua unidade com diagnóstico confirmado de novo coronavírus. Outros 24 pacientes estão internados com quadro de suspeita de covid-19, nome dado à doença causada pelo vírus. Desse total de 45 pessoas, sete pacientes estão em UTIs (Unidades de Terapia Intensiva). A assessoria de imprensa do hospital não informou quantos deles têm o diagnóstico confirmado. A informação foi divulgada após áudios circularem nas redes sociais e apontarem que nos hospitais Albert Einstein e Sírio Libanês estariam internados mais de 100 pacientes em UTIs em razão da pandemia. O Einstein desmentiu a informação indicada no áudio. Procurado, o Sírio-Libanês não se manifestou até o momento. Foi no Einstein que houve a primeira confirmação de um caso do novo coronavírus no país, no final de fevereiro. Ontem, o estado de São Paulo confirmou a primeira morte pela covid-19 no país. A vítima era um homem de 62 anos que estava internado em um hospital da rede Prevent Senior. Outros quatro óbitos ocorridos em hospital da mesma empresa da área de saúde são investigados por suspeita de ligação com o novo coronavírus. De acordo com o último informe do Ministério da Saúde, o país possui 291 casos da covid-19. Desses, 164 estão no estado de São Paulo.

PRIMEIRO IMPACTO/SBT/SÃO PAULO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 10h22

Transcrição:

*CORONAVÍRUS X CRISE*: No *SBT*, no *Primeiro Impacto*, foi informado em reportagem os impactos da crise de Coronavírus nos estados do Brasil. No Rio de Janeiro as rodoviárias estão deixando de fazer viagens, e informou que por causa de receio da população, os hemocentros estão com baixa e estão sendo pedidas doação de sangue. 22 de volta com Temer, impacto brigada pela companhia pela audiência, a gente volta a falar sobre o impacto do coronavírus na rotina da nossa população à rodoviária lá do Rio de Janeiro para desertas gente nunca tinha sido visto na cena como essa e apesar de ser uma das cidades mais procuradas pelos turistas no verão, muita gente já têm preferido ficar em casa, na isso, Daniel terá fim. Na Rodoviária Novo Rio e aqui a gente sentir muito bem os efeitos do decreto do governador Wilson vice-presidente jogou a região metropolitana do Rio, nenhum ônibus pode sair daqui e para outras cidades do estado e nenhum ônibus chega aqui outra cidade do estado de outro estado, aqui no Rio de Janeiro e a situação é essa olha só as baias onde geralmente ficam os ônibus estão totalmente vazias, a rodoviária parece até que estava parada, parece até que não estava funcionando a gente vê um pouco de água que atingiu a mostrar e a à direita na alguns passageiros apenas estão aqui desde ontem à noite e que vão embarcar no ônibus para Belém do Pará, quem tem passagens compradas, vai embarcar para outros estados, mas pessoas de outros estados não chegam aqui e de outras cidades que são fora da região metropolitana do Rio de Janeiro, cidade da Região Serrana, Região dos Lagos, Cabo Frio Arraial do Cabo, Nova Friburgo Teresópolis também não chegam aqui, mas a situação é essa estamos neste momento numa situação de uma rodoviária que parece volta a falar, parece e tem nova falar para a superfinal que não tem mais utilidade alguma, mas isso é fruto do decreto do governador Wilson para conter a e a prorrogação do coronavírus aqui na região metropolitana. Marte. Bom Daniel continua acompanhando por aí a gente volta também a falar sobre o grave problema da falta de sangue nos hemocentros aqui de São Paulo, a fundação pro sangue, por exemplo, opera com 40 por cento das reservas necessárias e é de lá que a gente vai conversar ao vivo com a Fernanda Trigueiro Fernandinha já tem gente pelo menos, se mobilizando para e doação de hoje. Tem bastante demais se ainda bem isso, porque os estoques já estavam baixas aqui na Fundação para sangue por conta das férias por conta do Carnaval e agora, então, com esse alerta com o risco do novo coronavírus muita gente acabou deixando devido a Aneel conversar agora que com doutor Jorge, que é médico aqui da fundação doutor. Qualquer importância dessas pessoas virem para cá e principalmente, porque muita gente está deixando de doar nesse momento que é de suma importância na 5 onde a 1ª vez que a gente agradece vocês estarem aqui. Porque o chamamento é importante a população muito solidária, então, nesse momento nós estamos numa agência só do grupo sanguíneo mais frequente e o positivo, a gente quer a população compareça. Apuração, prossegue, tomou algumas precauções com relação às falas era a passar um pouquinho os candidatos à doação e a nacional hoje na minha equipe do alto também já foi feito para impedir que haja muita proximidade só que todos os materiais que nós utilizamos são descartadas então a população compareça que assim, estou precisando são e não há risco nenhum de contaminação e doutor 0 0 não há risco de se contaminar com os rivais que estão que estão. Quem vem do sangue passa por uma entrevista e sempre será muito importante, esse candidato e ele aprovado ele vem aqui comprar com certeza. Ele vai salvar a vida de 4 pacientes simultaneamente, doutor, tenho certeza que nosso público vai ajudar a que o pessoal do Hemocentro e olha só a Márcia, as pessoas que podem doar sangue pessoas com boas condições de saúde entre os 16 69 anos de idade, pesa mais de 50 quilos e só então chegar aqui com um documento com foto recente e é claro, você vai ajudar vai fazer bem a quem mais precisa. O endereço da e Fernandinha qual a região que citar. Doutor o interesse da que agora a gente teve um probleminha lá na nossa no nosso link, então, depois de 2 informação entrar na nossa jeito sociais que a gente vai data, bom e olha o ministro do STF, Celso de Mello estava internado no Hospital sírio-libanês, em São Paulo, o repórter da rádio são Dutra, direto da redação tem os detalhes da ação já se sabe se tem alguma relação com o coronel não. Por Marc não terão, inclusive nota divulgada agora há pouco pelo Supremo Tribunal Federal e também pelo gabinete do ministro não tem relação nem com o coronavírus e nem com a cirurgia que ele fez no quadril em janeiro, lembrando que o Celso de Mello, ele está afastado na está de licença médica desde então ele iria retornar às atividades amanhã esse essa licença foi renovada até o fim do mês para que ele se recupere, lembrando que desde essa cirurgia aí ele que tem 74 anos, ele estava se locomover no né e era possível vê-lo numa cadeira de rodas, mas não tem relação nenhuma cirurgia. E nem com o coronavírus ainda bem dar lição, valeu pelas informações e olha o SBT gente decidiu restringir de forma mais vigorosa à circulação de pessoas aqui dentro é uma forma é claro de evitar a contaminação do novo coronavírus e assim assegurar a saúde de todos nós colaboradores, visitantes, elenco e os demais profissionais ligados ao SBT. A gravação da novela às aventuras de Poliana já foi suspensa e a partir da próxima segunda-feira serão suspensas também as gravações dos demais programas aqui da nossa grade, só o jornalismo e a equipe do focaliza ano que vai continuar presente aqui toda essa equipe de jornalismo e mais vocalizado a gente vai estar presente, informando prestando para você todos os serviços é claro do nosso telespectador do SBT que é fiel a todos os dias aqui com a gente, então as mudanças vão acontecer mais jornalismo segue trabalhando firme.

RÁDIO CBN FM 90,5/SÃO PAULO | CBN NOITE TOTAL
Data Veiculação: 18/03/2020 às 21h07

centro de combate o coronavírus foi montado em Itapevi na Grande São Paulo para receber pacientes com suspeita da doença, apesar de não ter nenhum caso confirmado a prefeitura se inspiram em exemplos internacionais de unidades específicas para pacientes sintomáticas os. De acordo com o prefeito da cidade Igor Soares, objetivo é evitar que infectados aguardem atendimento nos postos de saúde correndo o risco de espalhar o vírus. O nariz e param para pedir então uma lista de espera militar dos em algumas questões que nós tratamos de segurança para que as pessoas não espere uma dor ao lado da outra, enfim, nós tivemos um equipamento público de arte da equipe como gente rápida para dar ritmo e vinte e duas pessoas por então me levar em que as outras empresas de compra e até às onze horas da manhã de quarta-feira foram atendidos, noventa e oito pacientes com sintomas de febre. Tosse e dificuldade em respirar o prédio seria um pronto-socorro infantil com previsão de inauguração para junho nas começou a ser adaptado no sábado para atender a pandemia de coronavírus são treze leitos disponíveis e a unidade funciona vinte e quatro horas por dia hospitais privados do estado também estão se adaptando ao novo coronavírus na rede d'Or São Luís houve intensificação do treinamento dos protocolos de segurança e planos de contingência em todas as unidades, o diretor de governança clínica do hospital Sírio Libanês Fernando Ganem explica que os pacientes são encaminhados para Humana específica e recebem cuidados com profissionais treinados. Que precisam ficar internados. Isso é uma aula de apartamentos de unidade de internação que os caminhões e ônibus com Kin preparador treinador dentro da unidade de Terapia Intensiva outros assuntos. Um quadro clínico crítico também há uma específica com as obras de reais em que registrou o primeiro caso da couve de dezenove no Brasil também tem aulas especificas para o tratamento desses pacientes presidente da instituição, o médico se declara ainda também falou que o hospital está preparado, caso precisa expandir o atendimento. Limpe a gente está aí é que um dos com que nós temos aqui a minha equipe e a gente não pensa e aí nós teremos uma readequação e a mente que foi um. E se houver necessidade de mudança de eventos para a UTI e certamente procedimento permite e alta complexidade, ele terminou sem que um quinto em entrevista à CBN o governador de São Paulo João Dória descartou por enquanto a criação de hospitais de campanha específicos para o coronavírus. Missionária como previsão, mas este ano nós tivemos vários cenários liderados por este grupo de contigente ano e é um dos cenários onde esta medida poderá ser adotada na última atualização, é de cento e noventa e seis casos confirmados de pacientes com coronavírus em São Paulo.

O GLOBO ONLINE/RIO DE JANEIRO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 20h27

RIO - Circula pelas redes sociais um áudio em que uma mulher afirma que há de 600 a 700 internados por coronavírus no hospital Albert Einstein e o dobro disso no hospital Sírio-Libanês. O número, segundo ela, não é revelado por ordem do governo. É #FAKE. LEIA:Veja o que é #FATO ou #FAKE sobre o coronavírus No áudio, a mulher não identificada cita uma empresa chamada "Bio". Segundo ela, trata-se de um laboratório responsável por transportar órgãos para transplante. A empresa, relata, recebeu uma proposta para transferir pacientes infectados e, durante uma reunião, os principais hospitais de São Paulo revelaram que escondem o número de internados por ordem do governo. As informações são falsas. Em nota, a Bio Transportes diz que é uma empresa courier especializada no transporte nacional e internacional de amostras biológicas, correlatos, medicamentos, produtos termolábeis, reagentes e documentos. "Ao contrário do divulgado, a Bio Transportes não é um laboratório nem faz transporte de pessoas ou órgãos a serem transplantados", afirma. Em outro trecho do áudio, a mulher diz que todos os funcionários da empresa foram afastados e orientados a comprar o máximo de mantimentos nos mercados. A Bio nega. "Não há recomendação para os colaboradores ficarem em casa nem para estocar alimentos." "Todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas para identificar e responsabilizar as pessoas envolvidas na divulgação desta fake news. A Bio Transportes não concorda com a divulgação de informações anônimas que visam apenas causar tumulto, alarmismo e que tem alto potencial lesivo a população e à paz social." A mulher também cita números totalmente irreais. Ela diz que há de 600 a 700 pessoas internadas no Hospital Albert Einstein com o novo coronavírus — sendo 100 entre a vida e a morte na UTI. No Sírio-Libanês, ela diz que há o dobro de pacientes. E afirma que os hospitais estão escondendo os dados "por ordem do governo", para que não gere "um caos muito grande para a população". O Albert Einstein diz que o áudio é totalmente falso. O hospital diz que há 45 pacientes internados, sendo 21 confirmados e 24 suspeitos para a Covid-19. Desses pacientes, sete se encontram na UTI. As informações se referem ao dia 18 de março. O Sírio-Libanês também reforça que a mensagem em áudio é falsa. A assessoria do complexo hospitalar diz que um simples fato já torna a mensagem sem total cabimento: existem 474 leitos no hospital. Ou seja, impossível que o Sírio abrigue de 1.200 a 1.400 pacientes internados, como diz a mensagem falsa. Procurado, o Ministério da Saúde afirma que atua, de forma transparente, prestando esclarecimentos à população e a jornalistas, diariamente, sobre a pandemia do coronavírus. "O número de casos é atualizado todos os dias por meio da Plataforma IVIS e em coletivas de imprensa, transmitidas ao vivo pelas redes sociais."

O GLOBO ONLINE/RIO DE JANEIRO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 20h27

RIO - Circula pelas redes sociais um áudio em que uma mulher afirma que há de 600 a 700 internados por coronavírus no hospital Albert Einstein e o dobro disso no hospital Sírio-Libanês. O número, segundo ela, não é revelado por ordem do governo. É #FAKE. LEIA:Veja o que é #FATO ou #FAKE sobre o coronavírus No áudio, a mulher não identificada cita uma empresa chamada "Bio". Segundo ela, trata-se de um laboratório responsável por transportar órgãos para transplante. A empresa, relata, recebeu uma proposta para transferir pacientes infectados e, durante uma reunião, os principais hospitais de São Paulo revelaram que escondem o número de internados por ordem do governo. As informações são falsas. Em nota, a Bio Transportes diz que é uma empresa courier especializada no transporte nacional e internacional de amostras biológicas, correlatos, medicamentos, produtos termolábeis, reagentes e documentos. "Ao contrário do divulgado, a Bio Transportes não é um laboratório nem faz transporte de pessoas ou órgãos a serem transplantados", afirma. Em outro trecho do áudio, a mulher diz que todos os funcionários da empresa foram afastados e orientados a comprar o máximo de mantimentos nos mercados. A Bio nega. "Não há recomendação para os colaboradores ficarem em casa nem para estocar alimentos." "Todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas para identificar e responsabilizar as pessoas envolvidas na divulgação desta fake news. A Bio Transportes não concorda com a divulgação de informações anônimas que visam apenas causar tumulto, alarmismo e que tem alto potencial lesivo a população e à paz social." A mulher também cita números totalmente irreais. Ela diz que há de 600 a 700 pessoas internadas no Hospital Albert Einstein com o novo coronavírus — sendo 100 entre a vida e a morte na UTI. No Sírio-Libanês, ela diz que há o dobro de pacientes. E afirma que os hospitais estão escondendo os dados "por ordem do governo", para que não gere "um caos muito grande para a população". O Albert Einstein diz que o áudio é totalmente falso. O hospital diz que há 45 pacientes internados, sendo 21 confirmados e 24 suspeitos para a Covid-19. Desses pacientes, sete se encontram na UTI. As informações se referem ao dia 18 de março. O Sírio-Libanês também reforça que a mensagem em áudio é falsa. A assessoria do complexo hospitalar diz que um simples fato já torna a mensagem sem total cabimento: existem 474 leitos no hospital. Ou seja, impossível que o Sírio abrigue de 1.200 a 1.400 pacientes internados, como diz a mensagem falsa. Procurado, o Ministério da Saúde afirma que atua, de forma transparente, prestando esclarecimentos à população e a jornalistas, diariamente, sobre a pandemia do coronavírus. "O número de casos é atualizado todos os dias por meio da Plataforma IVIS e em coletivas de imprensa, transmitidas ao vivo pelas redes sociais."

G1/NACIONAL
Data Veiculação: 18/03/2020 às 19h37

Circula pelas redes sociais um áudio em que uma mulher afirma que há de 600 a 700 internados por coronavírus no hospital Albert Einstein e o dobro disso no hospital Sírio-Libanês. O número, segundo ela, não é revelado por ordem do governo. É #FAKE. — Foto: G1 No áudio, a mulher não identificada cita uma empresa chamada "Bio". Segundo ela, trata-se de um laboratório responsável por transportar órgãos para transplante. A empresa, relata, recebeu uma proposta para transferir pacientes infectados e, durante uma reunião, os principais hospitais de São Paulo revelaram que escondem o número de internados por ordem do governo. As informações são falsas. Em nota, a Bio Transportes diz que é uma empresa courier especializada no transporte nacional e internacional de amostras biológicas, correlatos, medicamentos, produtos termolábeis, reagentes e documentos. "Ao contrário do divulgado, a Bio Transportes não é um laboratório nem faz transporte de pessoas ou órgãos a serem transplantados", afirma. Em outro trecho do áudio, a mulher diz que todos os funcionários da empresa foram afastados e orientados a comprar o máximo de mantimentos nos mercados. A Bio nega. "Não há recomendação para os colaboradores ficarem em casa nem para estocar alimentos." "Todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas para identificar e responsabilizar as pessoas envolvidas na divulgação desta fake news. A Bio Transportes não concorda com a divulgação de informações anônimas que visam apenas causar tumulto, alarmismo e que tem alto potencial lesivo a população e à paz social." A mulher também cita números totalmente irreais. Ela diz que há de 600 a 700 pessoas internadas no Hospital Albert Einstein com o novo coronavírus – sendo 100 entre a vida e a morte na UTI. No Sírio-Libanês, ela diz que há o dobro de pacientes. E afirma que os hospitais estão escondendo os dados "por ordem do governo", para que não gere "um caos muito grande para a população". O Albert Einstein diz que o áudio é totalmente falso. O hospital diz que há 45 pacientes internados, sendo 21 confirmados e 24 suspeitos para a Covid-19. Desses pacientes, sete se encontram na UTI. As informações se referem ao dia 18 de março. O Sírio-Libanês também reforça que a mensagem em áudio é falsa. A assessoria do complexo hospitalar diz que um simples fato já torna a mensagem sem total cabimento: existem 474 leitos no hospital. Ou seja, impossível que o Sírio abrigue de 1.200 a 1.400 pacientes internados, como diz a mensagem falsa. Procurado, o Ministério da Saúde afirma que atua, de forma transparente, prestando esclarecimentos à população e a jornalistas, diariamente, sobre a pandemia do coronavírus. "O número de casos é atualizado todos os dias por meio da Plataforma IVIS e em coletivas de imprensa, transmitidas ao vivo pelas redes sociais." É #FAKE áudio que diz que Einstein tem 700 internados com coronavírus e Sírio, o dobro disso, mas que os hospitais escondem o número por ordem do governo — Foto: G1 Vídeo: Veja como identificar uma mensagem falsa Como identificar se uma mensagem é falsa VEJA outras checagens feitas pela equipe do FATO ou FAKE Adicione nosso número de Whatsapp: +55 (21) 97305-9827 (após adicionar o número, mande uma saudação para ser inscrito OUTRAS CHECAGENS DO FATO OU FAKE Veja o que é #FATO ou #FAKE sobre o coronavírus Veja o que é #FATO e o que é #FAKE sobre imunização Veja o que é #FATO ou #FAKE sobre as queimadas na Amazônia É #FAKE mensagem que fala sobre WhatsApp Gold e vídeo que pode destruir o celular É #FAKE texto que diz que nova dipirona importada da Venezuela contém vírus mortal É #FAKE que diretor do HC mandou mensagem com dicas para evitar gripe e que Tamiflu é feito de erva-doce 5 dicas de como checar uma mensagem falsa Saiba como identificar se um conteúdo é falso No áudio, a mulher não identificada cita uma empresa chamada "Bio". Segundo ela, trata-se de um laboratório responsável por transportar órgãos para transplante. A empresa, relata, recebeu uma proposta para transferir pacientes infectados e, durante uma reunião, os principais hospitais de São Paulo revelaram que escondem o número de internados por ordem do governo. As informações são falsas. Em nota, a Bio Transportes diz que é uma empresa courier especializada no transporte nacional e internacional de amostras biológicas, correlatos, medicamentos, produtos termolábeis, reagentes e documentos. "Ao contrário do divulgado, a Bio Transportes não é um laboratório nem faz transporte de pessoas ou órgãos a serem transplantados", afirma. Em outro trecho do áudio, a mulher diz que todos os funcionários da empresa foram afastados e orientados a comprar o máximo de mantimentos nos mercados. A Bio nega. "Não há recomendação para os colaboradores ficarem em casa nem para estocar alimentos." "Todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas para identificar e responsabilizar as pessoas envolvidas na divulgação desta fake news. A Bio Transportes não concorda com a divulgação de informações anônimas que visam apenas causar tumulto, alarmismo e que tem alto potencial lesivo a população e à paz social." A mulher também cita números totalmente irreais. Ela diz que há de 600 a 700 pessoas internadas no Hospital Albert Einstein com o novo coronavírus – sendo 100 entre a vida e a morte na UTI. No Sírio-Libanês, ela diz que há o dobro de pacientes. E afirma que os hospitais estão escondendo os dados "por ordem do governo", para que não gere "um caos muito grande para a população". O Albert Einstein diz que o áudio é totalmente falso. O hospital diz que há 45 pacientes internados, sendo 21 confirmados e 24 suspeitos para a Covid-19. Desses pacientes, sete se encontram na UTI. As informações se referem ao dia 18 de março. O Sírio-Libanês também reforça que a mensagem em áudio é falsa. A assessoria do complexo hospitalar diz que um simples fato já torna a mensagem sem total cabimento: existem 474 leitos no hospital. Ou seja, impossível que o Sírio abrigue de 1.200 a 1.400 pacientes internados, como diz a mensagem falsa. Procurado, o Ministério da Saúde afirma que atua, de forma transparente, prestando esclarecimentos à população e a jornalistas, diariamente, sobre a pandemia do coronavírus. "O número de casos é atualizado todos os dias por meio da Plataforma IVIS e em coletivas de imprensa, transmitidas ao vivo pelas redes sociais." VEJA outras checagens feitas pela equipe do FATO ou FAKE Adicione nosso número de Whatsapp: +55 (21) 97305-9827 (após adicionar o número, mande uma saudação para ser inscrito.

BOM DIA SP/TV GLOBO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 07h12

Transcrição:

*CASOS X CORONAVÍRUS*: Na *Tv Globo*, no *BDSP* às *07h12*, âncora Rodrigo Bocardi informou que a primeira morte pelo Coronavírus estava internado no Hospital Prevent Senior, e que essa rede especializada em idosos já registrou 5 mortes suspeitas e tem 50 pacientes internados. A reportagem de Graziela Azevedo registrou o momento em que médicos passavam para as autoridades de saúde, os detalhes sobre a primeira morte por Coronavírus. A reportagem mostrou que dos 365 exames coletados o resultado veio apenas para 15% e que 24 deram positivos, e que o prazo para entrega dos resultados em um dos principais laboratórios do país é de até 7 dias. Reportagem mostrou que as pessoas que têm sintomas leves estão sendo tratadas e monitoradas de casa, e que os médicos estão internando os casos suspeitos e os mais graves a partir dos exames clínicos e tomografia. Em sonora, a Diretora do Prevent Senior Carla Guerra disse que o diagnóstico está sendo feito pelo quadro clínico e pela tomografia que tem mostrado um padrão característico. Também em sonora, o Diretor Executivo da rede, Pedro Benedito Batista Júnior disse que tem 50 pacientes em internação hospitalar, 30 deles em UTI, 20 estão em intubação e que grande parte está aguardando o resultado do exame em domicílio, em quarentena, além de afirmar que existe um hospital dedicado e que estão preparando mais um a rede de 8 Hospitais para poder receber os pacientes. A reportagem mostrou que a maioria dos internados tem mais de 60 anos, e que um dos pacientes dos tratados com o Covid-19 tem 33 anos e tem problemas respiratórios. Repórter disse que muitas pessoas vão ter sintomas leve da gripe e que muitos não vão precisar de internação, mas muitas pessoas doentes têm precisado da UTI, um recurso que dificilmente tem sobrado, e por isso é tão importante a escalada da epidemia. Segundo a reportagem, o Ministério da Saúde disse que tem 55,101 leitos de UTI para todas as doenças, e a reportagem também mostrou como a doença atinge o pulmão e informou que o tratamento pelo mundo é longo. Em entrevista o Médico do Sírio Libanês, Maurício Henrique Claro dos Santos, disse que as pessoas ficam internados em média 3 semanas e apresentam quadro de problemas respiratório. A reportagem informou que o esforço tanto da rede pública como no privado é de aumentar a capacidade de atendimento nas UTI. A reportagem veiculou um trecho da entrevista coletiva do médico David Uip, que disse que estão aumentando os leitos para as pessoas que dependem do SUS, e em sonora diretora do Prevent Senior, Carla Guerra, disse que a orientação para as pessoas que evitem circular e que permaneçam nas suas casas, e que a preocupação é que nenhum serviço de saúde vai ter condição de cuidar de todos ao mesmo tempo. O âncora Rodrigo Bocardi disse que, em nota, que o Coordenador do Centro de Vigilância David Uip disse que é natural o descompasso do diagnóstico do laboratório, e que a notificação dos casos da Covid-19 e a demora do resultado é porque muitas pessoas fizeram os exames sem indicação médica, e que os laboratórios a partir de agora devem priorizar os exames de pacientes internados e dos profissionais da saúde. sete e doze primeira morte por convide dezenove foi de um paciente que estava internado em hospital da Previ incêndio. Essa rede especializada em idosos já registrou outras cinco mortes suspeitas e tem cinquenta pacientes internados. Veja mais detalhes na reportagem de Graziela Azevedo. Registramos um momento em que os médicos passaram para as autoridades de saúde, os detalhes sobre a primeira morte por convide dezenove no país e a. A anos de ir a fundo a dia e ele não tinha nenhuma nenhum da minha voz forte e não tinha viagem fora do país de rolar de rir que eles soubessem e a confirmar que a gente cobra pessoas que está circulando entre todos nós. A rede de a primeira vítima foi atendida e apresente sênior especializada em idosos que já tem um número grande de pacientes monitorados internados aguardando resultados de exames. segundo os diretores dos trezentos e sessenta e cinco o testes feitos do dia nove para cá o resultado veio apenas para quinze por cento deles dos cinquenta e quatro exames, vinte e quatro deram positivo o prazo para entrega num dos principais laboratórios de São Paulo, hoje está em sete dias quem tem sintomas leves está isolado em casa e sendo monitorado pelos profissionais do próprio convênio não têm sede, não tem falta de ar seco deixa muito tranquilo, se em poder esperar os médicos estão internados casos suspeitos e mais graves a partir dos exames clínicos e de tomografias como essas que a gente tem usado como parâmetro de diagnóstico suspeito. E o quadro clínico que o paciente apresentou uma insuficiência respiratória, dificuldade para respirar muito importante e a tomografia que tem mostrado um padrão característico de vidro fosco basicamente, nós temos aí. São cinquenta pacientes em internações hospitalares, trinta deles em UTI, mas de vinte deles aí sei que na verdade, vinte deles, exatamente nesse momento estão já e informação. Estamos e uma característica muito importante é que grande parte desses pacientes que passaram pelos exames estão aguardando resultado em domicílio em quarentena hoje nós temos um hospital dedicado já estamos preparando mais um hospital da nossa rede de hospitais para poder receber esses pacientes com já a agravamento do quadro clínico não seja por formação de seis óbitos, somente um. Com o corte de dezenove os outros cinco o estão com exames radiológicos e eles os exames clínicos sugestivas de convite, dezenove aguardando resultados é a maior parte dos internados tem mais de sessenta anos. Mas um dos pacientes tratados na UTI com suspeita da couve de dezenove tem trinta e três anos e problemas respiratórios anteriores, a maioria dos contaminados pelo novo coronavírus ter apenas sintomas leves e nem vai precisar de internação, mas os pacientes muito graves que são cerca de seis por cento dos doentes têm precisado da UTI um recurso que dificilmente temos sobrando por isso é tão importante evitar uma escalada rápida da epidemia se. Segundo o Ministério da Saúde, o país tem cinquenta e cinco o mil cento e um leitos de UTI para todas as doenças cerca da metade para pacientes do SUS. Os outros leitos são particulares más atendem apenas a vinte cinco por cento da população que tem acesso a planos de saúde nas unidades de Terapia Intensiva, o principal equipamento vários pacientes mais graves é esse o respirador, o pulmão comprometido precisa de ajuda para fazer a oxigenação do sangue no mundo todo o tempo de recuperação tem sido longo. Em média, eles acabam ficar internados entre duas a três semanas de tempo para ter uma recuperação de um ano melhor. Indicação desses passeios. De Terapia Intensiva e quatro e sem estar tanto. No setor público quanto no privado, o esforço é para aumentar a capacidade de atendimento nas U T I o médico David Uip afirmou que para atender a população que depende do SUS serão criados mais leitos. Esse primeiro momento, o empate por um serviço que vais fazer questão de dias horas para ir para os estados tema que nós estamos nos preparando para adicionar aos sete mil e duzentos leitos de UTI. Mas mil e quatrocentos reais no primeiro momento e essa é a nossa grande preocupação é por isso que nós estamos orientando o nosso beneficiários, que já as que são mais idosos que fiquem em suas casas que não circulem que não vão na farmácia na padaria que eles fiquem em casa restritos qual é nossa grande preocupação, se todo mundo ficar doente, nesse primeiro momento nenhum serviço de saúde vai ter condição de cuidar de todos ao mesmo tempo. O coordenador do centro de contingenciamento do novo coronavírus em São Paulo, David Uip diz que é natural o descompasso do diagnóstico do laboratório e a notificação de casos da corrida e dezenove que a demora para sair resultados, ocorre porque muita gente fez exames e ainda faz sem indicação e que os laboratórios a partir de agora, devem priorizar exames de pacientes internados e dos profissionais da saúde.

AGORA CNN/CNN BRASIL/SÃO PAULO
Data Veiculação: 18/03/2020 às 06h18

Transcrição:

Vírus aqui no Brasil trazendo recorte nacional os testes para a confirmação da doença escutam essa já estão em fase. Os exames, apenas para casos mais graves. Está em frente ao hospital Albert Einstein a esse aqui em São Paulo. Bom dia já temos mudanças por aí. Bom dia, sim, temos mudanças aqui no hospital Albert Einsten hospital decidiu suspender então os exames de coronavírus para pessoas que estão com sintomas leves para pessoas que estão sem sintomas, decidiu suspender também a coleta domiciliar agora só quem faz o exame de coronavírus aqui no Albert Einsten então são pessoas em estado grave e que precisam de internação no Hospital Sírio Libanês, também cancelou a coleta ambulatorial e também domiciliar de ao laboratório e mais tarde também suspendeu a coleta domiciliar em Minas Gerais, Rio de Janeiro. Outros laboratórios, eles ainda não retornaram para contar como está a situação por lá também a gente lembra que a Organização Mundial de Saúde OMS disse na última segunda-feira que a orientação. O número de exames e examinar, então todo o mundo, mas o secretário de Vigilância em saúde Vanderson Oliveira disse ontem que essa recomendação é o que chamou de complexa, ele lembrou que a recomendação inicial do m s era examinar os primeiros cem casos e depois examinar só o pessoal que estivessem tão no grupo de risco, eu conversei com o presidente da Sociedade Brasileira de análises clínicas, doutor Luís Fernando Barcellos. Ele me disse que o problema é a falta de kits, então, para esses exames do coronavírus esses kits, eles vêm da China e como a demanda mundial não tá chegando o suficiente aqui no Brasil e pode-se. Então a resposta pode ser o motivo, então nos hospitais e também nos laboratórios até o momento são cento e sessenta e quatro casos confirmados de coronavírus aqui no Estado de São Paulo e cinco o mil e quarenta e sete casos suspeitos. Segundo o último levantamento divulgado pelo Ministério da Saúde cais.

METRÓPOLES/BRASÍLIA
Data Veiculação: 18/03/2020 às 05h29

Nos últimos dias, circulou nas redes sociais uma notícia alarmante sobre o avanço do coronavírus: o índice de casos no Brasil, nos 20 primeiros dias após a primeira confirmação, foi muito superior ao da Itália. Para verificar essa afirmação, o (M)Dados – núcleo de jornalismo de dados do Metrópoles – fez uma análise não só dos números da Organização Mundial da Saúde (OMS), mas também ouviu especialista sobre a questão. O olhar frio sobre os dados confirma a informação que circula na internet, mas a realidade não está devidamente representada nos números, alerta Alexandre Cunha, médico infectologista do Hospital Sírio Libanês, do Hospital Brasília e dos laboratórios Sabin. De 27 de fevereiro (quando a OMS incluiu o primeiro caso brasileiro em seus boletins) até essa terça-feira (17/03), houve crescimento de 28.900% no país, enquanto na Itália, nos primeiros 20 dias após 31 de janeiro (1º caso de coronavírus), houve aumento de apenas 50%. O gráfico acima mostra a evolução em alguns dos países mais atingidos pelo Covid-19 até agora. No entanto, Alexandre Cunha é enfático em dizer que essa comparação leva as pessoas a fazerem uma conclusão incorreta da situação. “Os sistemas de vigilância de cada país e o número de pessoas testadas são muito diferentes, o que influi muito no número de casos confirmados.” De acordo com a OMS, a Itália foi de 2 para 3 casos em 20 dias, enquanto o Brasil, de 1 para 290 – conforme noticiado pelo Ministério da Saúde. Para tornar a comparação proporcional à população de cada país, foi feito o cálculo de caso por 100 mil habitantes. A taxa na Itália foi de 0,0050, enquanto por aqui foi de 0,1364. “Não podemos avaliar como os primeiros dias foram tratados na Itália, mas não podemos comparar um país com o outro”, reforça o médico infectologista. Ele destaca a situação de países como a Índia, uma das maiores populações do mundo, mas que confirmou 114 casos até hoje. “Mesmo estando tão próximo da China. Não faz sentido”, diz. Exemplos Outro exemplo é a Coreia do Sul, que adotou métodos eficazes para diminuir o número de transmissão de coronavírus e efetuou testagem em massa nos cidadãos. No país asiático, existem 8.236 casos confirmados. Ao aumentar o espectro da comparação com outros países, a explicação de Alexandre Cunha mostra-se ainda mais clara. Suíça, Irã e Países Baixos tiveram um crescimento muito superior de Covid-19 em relação aos demais. Na coletiva desta terça-feira (17/03), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, disse que o Sistema Único de Saúde (SUS) teve uma das melhores performances do mundo em termos de identificação de casos e triagem. No entanto, o médico Alexandre Cunha destaca que o Brasil não dispõe de recursos suficientes para testar todas as pessoas suspeitas. “Há uma decisão consciente para testarmos apenas as situações mais graves, caso contrário os estoques vão acabar em uma semana. Temos 290 casos confirmados,mas podem ser muito mais, não há como ter certeza”, pontua o especialista.

METRÓPOLES/BRASÍLIA
Data Veiculação: 18/03/2020 às 05h00

Infectologistas do Hospital Sírio-Libanês (SP), Albert Einstein (SP) e outras instituições de referência no país afirmam que a letalidade do coronavírus, pandemia que assusta o planeta, é próximo de zero em crianças. Isso significa que as chances de uma criança infectada falecer é praticamente inexistente. Porém, famílias com filhos menores que passaram por um transplante recente ou que estão em processo de quimioterapia podem responder de forma diferente ao vírus. Nesse caso, as famílias precisam ficar mais atentas aos sinais do contágio. Até o momento, especialistas dizem não compreender totalmente por que o coronavírus estaria “poupando” o público infantil. A verdade é que apenas 2,4% dos casos confirmados de infecção do Covid-19 aconteceram com crianças na China, país onde a manifestação do vírus iniciou. Mesmo entre os 2,4% dos casos confirmados, somente 2% chegaram a apresentar sintomas mais graves.

O GLOBO/RIO DE JANEIRO | Geral
Data Veiculação: 18/03/2020 às 03h00

CORRIDA PELOS TESTES HOSPITAIS E LABORATÓRIOS RESTRINGEM EXAMES ELISA MARTINS E PEDRO ZUAZO sociedade@oglobo.com.br RIO E SÃO PAULO Com a alta procura por exames para o novo coronavírus, o Albert Einstein, o Sírio Libanês e o Hospital Alemão Oswaldo Cruz, em São Paulo, estabeleceram regras para a testagem de pacientes. Laboratórios particulares também restringiram a oferta no Rio. Na rede pública, o teste já era limitado aos casos mais graves, conforme definido no boletim epidemiológico do Ministério da Saúde. No Rio, desde sexta-feira, os cariocas não conseguem mais agendar por telefone o exame, que agora é reservado a pacientes internados e com sintomas. Até a semana passada, não havia exigências para a solicitação nas unidades particulares, onde é realizado por R$ 280. O GLOBO entrou em contato com seis laboratórios e não conseguiu agendar o teste em nenhum deles. Foram eles: Sérgio Franco, Lâmina, Bronstein, Alta Diagnóstico, A+Medicina Diagnostica e Richet. Diretor médico do Richet, o patologista Helio Magarinos Torres Pilho afirma que o laboratório ainda tem material para fazer testes, mas restringiu para priorizar casos com indicação clínica. De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial, Carlos Eduardo Ferreira, tais medidas otimizam recursos. —O teste PCR é em tempo real, não é de simples execução. Com a correta solicitação deste exame, conseguimos otimizar os recursos da saúde e garantir agilidade na liberação dos testes para os pacientes que realmente precisam—diz. Segundo ele, quem não apresentar sintomas deve ficar em casa. MUDANÇA NA ROTINA O Hospital Israelita Albert Einstein suspendeu exames em pacientes com prescrição de médicos particulares. A mesma medida foi adotada para coleta domiciliar. O número de exames diários aumentou e chegou à marca de 1.700 por dia no último fim de semana. Albert Einstein, com capacidade para 3.500 exames por dia, limitou testes para evitar desabastecimento mês quem tiver sintomas fortes, como febre alta. A avaliação é feita no atendimento, por profissionais de saúde. Em nota, o hospital afirmou que a medida foi tomada “como forma de racionalizar a utilização do teste e evitar seu desabastecimento”. Segundo o Einstein, a capacidade é de realizar cerca de 3.500 exames por dia. Ao menos três dos maiores laboratórios de diagnóstico da capital paulista suspenderam exames. O GLOBO procurou algumas unidades e a informação é que não há mais material para realizar o procedimento. O Sírio Libanês também viu a demanda aumentar: — Tem muito mais gente fazendo exame. Aqui a taxa é de apenas 2% de positividade nessas coletas —diz a infectologista Maura Salaroli de Oliveira, da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Sírio-Libanês. Segundo ela, não há necessidade ou indicação para que pessoas sem sintomas do novo coronavírus façam os exames. Diante da demanda crescente, o Hospital Alemão Oswaldo Cruz prioriza a coleta de exames para detecção em dois tipos de grupos de suspeitos: o de pessoas com histórico de viagem para países com transmissão sustentada ou para área com transmissão local nos últimos 14 dias; e de pessoas que tenham tido contato com caso suspeito ou confirmado nos últimos 14 dias. O paciente também precisa apresentar sintomas.