Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

JORNAL GLOBONEWS - EDIÇÃO DAS 13H/GLOBONEWS
Data Veiculação: 17/04/2021 às 13h04

Bonés outra hora se está havendo mas outros países ação já liberando sp da máscara clientes abertos infelizmente o gente tem visto o e países que verdade em estádio e a gente casa sem muita e nela estou atrasado só que a gente tem plano nacional de o que era um dos melhores planos mundiais ou seja retomado né albert realidade quem sabe então prontamente disponíveis assim senhorita o deve voltar a ter uma vida normal e eu novidade dentro da lata plantões normais léa saudades deles saudades plantou outros e né nunca Covid19 são pacientes muito graves mais graves do que a média dos passeios desse valor da pandemia então isso gera faço hoje além obviamente do medo frank então é um sempre mesmo com a vacinação ou maior p a cuidado pitaco depois da vacina saúde o número de casos desenvolvem pelos meus colegas de trabalho nada foi muito bom mas mesmo assim continuar tomando os nossos cuidados muito bom de folga o fado e trabalhando há um ano então o vômito botões mais tranquilo patamares aceitáveis muito obrigada mais uma eu que agradeço.

JORNAL GLOBONEWS - EDIÇÃO DAS 13H/GLOBONEWS
Data Veiculação: 17/04/2021 às 12h46

Por aqui, a gente vai seguir falando sobre esse assunto tão urgente tão crítico que a possível falta de medicamentos do que tipo de ação a gente recebe agora, doutor Luciano Azevedo, ele que é médico intensivista do Hospital sírio-libanês, doutor, bom, obrigado pela presença aqui com a gente e uma boa tarde. Eu que agradeço o convite com boa tarde, ele voltou pelas informações que a gente ouviu da Gabriela agora ainda um cenário de muita incerteza sobre esse abastecimento. A gente tem um horizonte muito curto aí com um abastecimento mesmo do que tinha informação, né. É na verdade uma o hotel próprio jeito de a própria Norma, na verdade, não é um que tinha uma ação é muito mais do que isso são medicamentos que a gente usa, não só para fazer o procedimento de incubação que e como a gente coloca o paciente mas para a sorte só, mas também para manter o paciente sob sedação, ou seja, que a gente antigamente conhecer como coma induzido e então esses medicamentos são usados, não só no procedimento de incubação que gerar um procedimento muito rápido e cinco minutos dez minutos e não justificaria a gente tem tanta preocupação com o um a um desabastecimento desses medicamentos, na verdade, o que consome mais esses medicamentos e a utilização por vários dias que esses pacientes com couve de precisão para ser mantido sedado com vocês estão vendo um vídeo aí e quando eles são colocados em posição próxima e que de barriga para baixo e quando a gente precisa ajustar os pagamentos do respirador artificial. Tudo isso, o paciente precisa receber esses medicamentos, porque ele precisa estar sedado na maior parte das vezes, então o que faz esse consumo ser tão grande desses medicamentos é muito mais do que simplesmente a incubação e sim, um procedimento de salvação que esses pacientes recebem durante a sua fase de maior gravidade da doença. Então, esse padrão de tempo de internação por convide pesa muito né, que é diferente de outras situações que vocês também utilizam esse medicamento. Exatamente e não só para pacientes com vídeo e quando falta o uso de medicamentos de sedação e os ativos e os analgésicos e medicamentos para controle de do isso pode faltar também para pacientes não convide que, por exemplo, precisariam fazer um procedimento cirúrgico, uma cirurgia de emergência pessoa ter um apêndice de alguma coisa assim e precisou fazer uma cirurgia e não tem o medicamento sedativo para fazer o procedimento cirúrgico nesse contexto, então faz diferença assim o tempo que os pacientes ficam com no respirador e não sobre legislação mecânica. E a quantidade de medicamentos que eles usam a partir disso, então a gente tem feito estratégias para minimizar o consumo desses medicamentos para ver se a gente consegue distribuir de forma mais adequada. O prefeito não paciente o paciente coitado já entubado e essa situação começa a diminuir, não tem medicamento naquele hospital com efeito diz para o paciente. Então e isso pode prejudicar bastante evolução do paciente a se irritar no momento que ele ainda precisa estar sedado porque o pulmão dele ainda não está se que a prisão do de forma adequada ainda não está melhorando de forma adequada e ainda precisaria estar com o sedativo e com o gesto seria acordo antes do tempo, ele pode começar a fazer o que a gente chama de brigar com o aparelho de respiração artificial no sentido de que ele ao invés de respirar, causa da mente forma como seria o esperado em como seria o adequado para o pulmão dele nessa fase de recuperação, ele começa a ter momentos onde ele espera junto com o aparelho é que tudo isso pode gerar uma dificuldade maior de recuperação, o paciente pode ficar agitado sem os ativos de forma adequada, então, quando ele fica agitado com risco, por exemplo, de arrancar o próprio tubo ou arrancar ainda outros dispositivos estão conectados de Buscapé diz que a gente diz a apreensão de medicamento, então, tudo isso é uma consequência da ausência de saudação no momento que o paciente ainda precisar está sedado para controle da sua doença. Então, você no Azevedo vai pedir que só se vê aqui, conosco, vamos trazer mais algumas notícias também sobre a pandemia e a gente volta a conversar daqui a pouquinho, até já.