Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

JORNAL GLOBONEWS - EDIÇÃO DAS 16H/GLOBONEWS
Data Veiculação: 16/12/2020 às 16h59

A Covid19 no estado da última vez que ouve nesse mesmo patamar fará um dia só no último mês dezoito pontuais lílian cury detalhado uti enorme e em relação a quem está doente hospital de um leito algo grave julian é verdade cenas que do começo falta leito e fazia há quatro meses são paulo não ficava acima disso por cento hoje sessenta a sead que mede os leitos e pais estaduais e também os privados é um retrato fiel da paulo preparamos uma tela das taxas de uti acompanhar junto no dia quinze de julho essa taxa estava alta são paulo depois ela passou a cair e um mês adotou novamente a trajetória de alta e agora patamares agosto agora numa segunda tela sou forma mais do que a média são paulo em junho bem caiu para em agosto e agora já chega a quase sete sabe e vê pessoas corredores à espera de leigos mas privados também é bastante delicada sírio libanês que tem hoje trinta e nove jornadas por causa e dezenove igualando da doença privada que são paulo é o albert einstein leonardo também por causa da corrida dezenove e vem registrando um aumento no número de internações ao longa e aí a gente vê né enquanto um lado internações tem também essas cenas são paulo vemos agora as imagens agora as imagens do brás que aqui na região são paulo estamos vendo mais e isso tudo mas não é foi hoje às oito horas da manhã deste movimento de compras de fim de ano a gente muita gente que tá aí fiz a vem todo ano são os ambulantes aí na rua misturado com clientes carros também não dá nem pra ver direito que rua o que é mas tem claro os cuidados estamos e aí próximos aglomeração favorecem a Covid19 e muitas avisar a máscara protesto o bastante então as autoridades estão muito preocupadas palco de são paulo e também paulo estado e que vai abrir mais oito mil leitos para o dezenove anos ajuda é aquela que mais se nina na primeira onda nós tivemos por fim de caso ok a capital que momento agora josé houve muito piru portanto sistema o maori escala ï reabrindo leitos que foram estabelecidos ao longo desses últimos meses hospitais do estado hospitais municipais puros custeando esses leitos e também com o setor privado nesse primeiro momento restabelecido os hospitais se for necessário certeza o faremos.

ESTADÃO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 16/12/2020 às 16h41

Internado por covid-19 no Hospital Sírio-Libanês, o técnico Vanderlei Luxemburgo revelou nesta quarta-feira ter sofrido falta de ar na noite de terça. Mas garantiu estar melhor. O hospital não divulgou nesta quarta novo boletim médico sobre a situação do ex-treinador do Palmeiras. "Bom dia, galera! Faltou um pouco de ar ontem à noite, mas depois voltou. Mas estou bem, fiz a barba, (para não) ficar com aspecto ruim. Acordei bem melhor hoje, nem fui medicado ainda. Só não tomei café, estou um pouco cansado. Tchau. Beijo!", disse Luxemburgo, em vídeo. Durante a gravação, feita por ele mesmo, o técnico teve um ligeiro acesso de tosse. O treinador de 68 anos foi internado após sentir fortes dores na cabeça e no corpo quando estava no Rio de Janeiro. Após retornar para São Paulo, ele foi levado ao hospital ainda na sexta-feira. Segundo pessoas próximas, Luxemburgo apresentou alguns sinais de melhora nesta terça-feira, com a estabilização da febre. De acordo com boletim médico divulgado na terça-feira, pelo hospital, Luxemburgo ainda não tem previsão de alta. Em julho, quando ainda era o técnico do Palmeiras, ele também foi diagnosticado com o novo coronavírus, porém apresentou quadro sem sintomas. "Ele (Vanderlei Luxemburgo) foi medicado e seu estado clínico é estável, sem necessidade de oxigenoterapia. O paciente deverá permanecer internado, sem previsão de alta, e está sendo acompanhado pela equipe médica coordenada pelo Prof. Dr. Esper Kallas", disse em nota o hospital, na terça. Luxemburgo está sem clube desde que foi demitido do Palmeiras em outubro. O clube trouxe o português Abel Ferreira para a vaga.

CNN NOVO DIA/CNN BRASIL/SÃO PAULO
Data Veiculação: 16/12/2020 às 09h41

As opiniões emitidas pelos comentaristas do quadro não refletem necessariamente a posição da cnn nove horas e quarenta e um minutos e nós seguimos rodando com as nossas equipes de reportagens por todo o brasil e agora gustavo um dado preocupante sobre o avanço da Covid19 mais de noventa por cento dos hospitais particulares a que do país relatam um aumento no número de casos da doença no último mês a gente fala sobre isso agora com o renan fiúza e até já te faço uma pergunta a renan se a rede particular está preparada de fato caso haja esse aumento a gente mostrou aqui já um avanço no número de ocupação e leitos de uti da rede pública por exemplo mas a particular também precisa ficar atento nessa missão na mesa é isso eliza na semana passada a gente conversou aqui no novo dia inclusive notava que no sírio libanês que estava de fato mostrou que a taxa de ocupação em hospitais privados aqui da capital paulista estavam aumentando significativamente aqui no chile por exemplo essa taxa de ocupação já ultrapassava noventa por cento aí respondendo a sua pergunta segundo a própria associação nacional de hospitais privados quarenta e dois por cento dos hospitais que foram questionados nerds gestores que foram entrevistados dizem estar em sim aptos para receberem estes pacientes para atender casos mais graves de Covid19 inclusive enfrentar uma possível segunda onda mas a gente está falando de quarenta e dois por cento ou seja o restante dos hospitais privados será que de fato têm essa capacidade para atender a gente percebe mais uma vez que a taxa de ocupação vem aumentando bastante esse número é bastante significativo noventa e três por cento desses entrevistados dessa pesquisa e levantamento da associação mostra que de fato as internações por causa da Covid19 e também de casos suspeitos aumentaram em todo o país e aí a gente passa aí a questionar uma outra questão outro ponto com relação à o número que foi passado para nós apenas cinco por cento destes hospitais privados tiveram um aumento aí do número de leitos ou seja a gente teve do começo do ano até agora esse momento que a gente tá vivendo cinco por cento só sopro de aumento de leitos ou seja é um número muito baixo para a quantidade de pessoas que estão pedindo ajuda digamos assim nestes hospitais que estão precisando do suporte de uti também de enfermaria gente tem também outros dados aqui de internações por conta de doenças infecciosas ou seja por conta da Covid19 ela se encaixa nesse perfil de doença de janeiro a outubro essa gente vou fazer uma comparação dois mil e dezenove a gente tinha três vírgula cinco por cento do total de internações em hospitais privados e aí se a gente for comparar janeiro a outubro de dois mil e vinte deste ano que a gente está vivendo uma pandemia já esteve um salto mesmo que pequeno né sete por cento do total de internações mas é de se preocupar sim portanto fica aí essa dúvidas essa dúvida né com esse número de dias de procura e com esse aumento será que de fato os hospitais estão preparados taxa de ocupação de utis enfermaria já tá bem alto aqui na capital paulista e hospitais privados a gente ainda nem mencionou com relação a rede pública tem muita gente que precisa e de serviço público de atendimento na revolta com vocês josé renan é uma situação preocupante não só na capital paulista em várias cidades do brasil a gente vem registrando dessa taxa de ocupação altíssima nos leitos de uti e vai ser cremado hoje no rio de janeiro o corpo do cantor paulinho do grupo.

ESTADÃO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 16/12/2020 às 08h00

A internação do técnico Vanderlei Luxemburgo por causa do novo coronavírus cinco meses depois de ter testado positivo pela primeira vez serve como alerta ao futebol. Assim como o ex-treinador do Palmeiras, vários outros jogadores têm apresentado diagnósticos confirmados da doença pela segunda ocasião. A situação deixa médicos e equipes com a certeza de que mesmo elencos que atravessaram surtos numerosos de covid-19 não estão livres de terem novamente o problema. Luxemburgo, de 68 anos, está internado no hospital Sírio Libanês em estado estável e sem previsão de alta. Em julho, o treinador teve um quadro assintomático da doença e se recuperou em casa, sem atravessar grandes dificuldades. Os sintomas foram fracos. Recentemente, o Palmeiras detectou que o meia Gustavo Scarpa testou positivo para covid-19 pela segunda vez também. O Athletico-PR viveu situação semelhante com o zagueiro Thiago Heleno e ainda o Vasco enfrentou o problema envolvendo o atacante Talles Magno. Cada vez mais comum no futebol brasileiro, a repetição de testes positivos nas mesmas pessoas ainda não pode ser confirmada como uma reinfecção, embora exista essa possibilidade. O diretor da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Estêvão Urbano, explicou ao Estadão que para ter certeza de que se trata, de fato, de uma reinfecção, seria preciso realizar um exame detalhado para cada um desses casos e nem sempre esse trabalho pode ser feito. "Para comprovar a reinfecção, teria de guardar o vírus da primeira infecção e comparar com o novo vírus. É preciso ter um banco de vírus, até para saber se é o mesmo tipo de coronavírus que atingiu a pessoa na segunda vez. É um trabalho bastante sofisticado", comentou. "O diagnóstico exato de reinfecção exige critérios mais rigorosos. Há poucos casos publicados e reportados", completou o médico. Pela previsão do especialista, deverá ser mais comum nas próximas semanas os jogadores apresentarem testes positivos para covid-19 pela segunda vez e virarem desfalques novamente por causa dos protocolos de segurança. A repetição se explica pelos atletas terem em geral quadros muito leves da doença. "Se o indivíduo teve um caso muito leve da doença, os anticorpos que ele desenvolveu podem durar muito pouco e logo ele está suscetível de novo à doença. Por outro lado, quem teve a doença grave e sobreviveu, a tendência é os anticorpos durarem mais tempo no organismo"O indivíduo teve um caso muito leve da doença, os anticorpos que ele desenvolveu podem durar muito pouco e logo ele está suscetível de novo Estêvão Urbano, Diretor da SBI A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) registrou até o fim do mês de novembro 689 casos positivos do novo coronavírus entre jogadores dos times da Série A, B, C e D do Campeonato Brasileiro. Todos os jogadores tiveram somente sintomas leves, sem a necessidade de internação. O monitoramento dos médicos apontou que não houve transmissão da doença de um time para o outro durante as partidas. Além de estarem possivelmente sujeitos ao novo contágio, os jogadores têm testado positivo pela segunda vez em algumas ocasiões por portarem ainda fragmentos da doença. "Às vezes são as partículas virais que ficaram no nariz da pessoa e são pegas pelo exame do PCR. São resquícios da covid-19. Não necessariamente é uma reativação do vírus. Possivelmente é um fragmento que ficou no corpo. O exame de PCR é tão sensível, tão efetivo, que mesmo se encontrar um pedaço do vírus que não causa a doença, o resultado será positivo", disse o infectologista. Às vezes são as partículas virais que ficaram no nariz da pessoa e são pegas pelo exame do PCR. São resquícios. Não necessariamente é uma reativação do vírus Estêvão Urbano, Diretor da SBI O médico explicou ainda que esses possíveis resquícios dos vírus podem permanecer por meses dentro do nariz de quem se recuperou, mas são incapazes de causar o adoecimento da pessoa. A literatura médica tem pouco a pouco registrado casos de reinfecção. Porém, enquanto o vírus ainda é estudado, o melhor a se fazer no Campeonato Brasileiro é manter os testes rotineiros de todos, inclusive de quem já teve a doença. "Todos os jogadores têm de continuar sendo testados continuamente, porque pode ter esse risco, sim, de testar positivo novamente", alertou.

O ESTADO DE S.PAULO/SÃO PAULO | GERAL
Data Veiculação: 16/12/2020 às 03h00

O técnico Vanderlei Luxemburgo apresenta quadro clínico estável após ser internado no Hospital Sírio Libanês com quadro moderado de covid-19. Segundo boletim médico, o treinador de 68 anos recebeu medicação e por enquanto não precisou ser submetido a tratamento com oxigênio para melhorar o sistema respiratório. De acordo com os médicos, o paciente ainda não tem previsão de alta.