Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

JORNAL NACIONAL/TV GLOBO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 11/03/2021 às 20h37

Tem mais leitos de uti para Covid19 o estado de são paulo tem nove mil quatrocentas e cinquenta e duas pessoas internadas em utis por causa da corrente é o pior número pelo terceiro dia seguido setecentos e noventa e cinco pacientes a mais do que na segunda-feira quase duzentas novas internações por dia um cenário que o secretário estadual da saúde ganho está classifica como o mais difícil da pandemia hoje cinquenta e três municípios estão com cem por cento nas taxas de ocupação lembrando que na segunda-feira no trinta e dois municípios com esse percentual é a velocidade de instalação da pandemia no nosso estado que compromete a assistência assistência à vida mais de duas mil pessoas estão na fila por um leito em são paulo mas nem todos os pacientes suportam a espera a prefeitura de ribeirão pires na grande são paulo confirmou hoje que mais quatro pessoas que aguardavam transferência para o their morreram já são seis mortes desde o começo do mês o provedor da santa casa de fernandópolis no interior do estado diz que pacientes que precisariam ser internados estão sendo mantidos dentro de ambulâncias a nós estamos começando a experienciar a vaga zero ou seja a unidade simplesmente manda o paciente pela ambulância você aceitando ou não e ele acaba guardando na ambulância à espera de alguma vaga infelizmente de alta ou óbito isso já está acontecendo inclusive hoje conosco a situação também é crítica na rede particular um levantamento do sindicato dos hospitais clínicas e laboratórios do estado de são paulo mostra que oitenta e dois por cento dos hospitais têm taxas de ocupação de leitos de uti entre noventa e um e cem por cento o sírio libanês suspendeu cirurgias programadas e alguns exames converteu uma ala da uti e unidade de tratamento para pacientes com a convide e abriu mais um mandato inteiro pra internar os doentes o médico paulo quintais responsável pelo hospital de campanha de heliópolis na zona sul de são paulo explica que o perfil dos pacientes tem feito com que os leitos de uti fiquem ocupados por mais tempo são pacientes mais jovens é uma doença agressiva e que está se mostrando mais agressiva dessa população tão certamente para o tempo de permanência deles válter está aumentando em trinta anos de formado e nesses trinta anos eu nunca presenciei algo parecido a situação está realmente crítica é aquilo que nós passamos na primeira fase da prova a pandemia na primeira onda e está muito distante do que está acontecendo hoje.

SBT BRASIL/SBT/SÃO PAULO
Data Veiculação: 11/03/2021 às 19h51

Protocolo para encurtar o tempo de internação de pacientes com outras doenças as medidas mais restritivas chegam atrasadas para quem hoje precisa de internação cirurgia a lotação não é mais uma ameaça mas uma realidade maior rede de saúde do país este médico e professor de administração hospitalar da fundação getúlio vargas que o cenário era previsível foi mais bizarro que a gente poderia chegar na satisfação e que tínhamos que ter tomado medidas que não tomamos mostramos uma de manhã já maior do que a capacidade operacional depender isto é o sinônimo do colapso do sistema de saúde entre os vinte e cinco hospitais públicos estaduais de são paulo dezenove já atingiram cem por cento de ocupação de leitos os demais tem noventa e cinco o pai de tatiana que tem câncer não consegue fazer uma cirurgia para retirada de um rim e não tem a menor previsão de agendamento parece que no país agora cuidado só comigo ninguém pensava ninguém tem canos ninguém derrame não uma brasileira é muito triste e por uma família os pacientes mais pobres há muito estão acostumados a dificuldade no atendimento agora é a vez também dos mais ricos os hospitais privados já vem alterando protocolos adiando cirurgias não gente mas de uma semana pra cá como a situação se agravou novas estratégias estão em operação no hospital sírio libanês que dispõe de cerca de quinhentos e setenta leitos desses send their a taxa média de ocupação é de noventa e dois por aqui medidas como o monitoramento à distância vem sendo usadas para evitar internação não necessário quanto poder da alca um pouquinho mais precoce desde que eu não comprometa a segurança do paciente então ele pede para que as equipes não figurem os pacientes internados se eles não passam de oxigênio se eles não precisam de medicações na veia coisas que eu só consigo fazendo um cenário hospitalar e mas a solução não se resume a abertura de leitos faltam profissionais eu não tenho recursos humanos vividos no mercado ou níveis pra trabalhar porque todo mundo está trabalhando muito em todos os lugares então eu tenho que fazer esse gerenciamento fino do recurso humano que eu tenho do recurso físico que eu tenho e isso pode ser dinâmico fica o alerta não vai ter equipe de saúde não vai ser eleito o suficiente e se a gente não reduzir a transmissão do coronavírus pelo amor de deus usem máscara mantém o distanciamento social e a gente não vai sair dessa gente não se da nossa exercício de cidadania.

G1/NACIONAL
Data Veiculação: 11/03/2021 às 16h41

Jundiaí (SP) foi escolhida para participar de uma pesquisa com medicamento anticoagulante que tem como objetivo estudar se a medicação pode ajudar no tratamento do coronavírus. A pesquisa, que é coordenada pelo hospital alemão Oswaldo Cruz em parceria com o Albert Einstein e o Sírio-Libanês, começa na próxima segunda-feira (15) nas unidades de saúde que atendem pacientes com sintomas gripais. Em entrevista à TV TEM, pesquisador e médico da rede pública de Jundiaí, Raphael Cruz Prudente, explicaram que o intuito é diminuir as complicações causadas pela doença. Durante o estudo, será usada medicação anticoagulante nos pacientes com sintomas gripais que tenham o diagnóstico da Covid. "Bom, essa é uma pesquisa inédita, uma parceria inédita, para utilizarmos uma medicação anticoagulante dentro do contexto dos pacientes com sintomas gripais que tenham o diagnóstico da Covid-19. Por que pensamos em utilizar essa medicação, esse anticoagulante, juntamente com o hospital Oswaldo Cruz que são os idealizadores desse estudo? Porque a Covid19 tem se mostrado uma doença trombogênica, que causa trombose, que é o entupimento dos vasos sanguíneos onde o sangue circula e, havendo trombose, isso dificulta a oxigenação pulmonar e com essa dificuldade o paciente tem falta de ar e precisa ser encaminhado para a hospitalização", explica. "Então, dentro deste pensamento, o nosso estudo vai avaliar se o uso de uma medicação anticoagulante é eficaz para prevenir a complicação de trombose em pacientes que tenham risco para a doença”, complementa. Ainda segundo o médico, este medicamento utilizado na pesquisa já está no mercado há muito tempo, é seguro e para indicações de tratamento de trombose gera poucos riscos, porém, ainda não se sabe se ele terá algum efeito colateral para a Covid-19. Para isso, será feita uma pesquisa e avaliação criteriosa dos resultados do uso da medicação. Sobre quem poderá participar dessa pesquisa, o especialista lista os pré-requisitos. “Poderão participar pacientes maiores de 18 anos que apresentarem pelo menos dois fatores de risco para trombose e estiverem com manifestações da Covid-19 até o sétimo dia. Esses pacientes precisam ter o diagnóstico firmado pelo PCR para que sejam eletivos a pesquisa. Pacientes que tenham doenças hepáticas, oncológica ou algum problema hemorrágico, não serão eletivos”, completa. A pesquisa será realizada com mil pacientes e deve ter uma duração de dois meses. Nos próximos 30 dias, será feita a captação dos pacientes e nos outros 30 dias eles serão acompanhados pelos pesquisadores. “Este é um ensaio clínico que nós chamamos de randomizado, então é um estudo controle. Desses mil pacientes que estão em todos os centros que participam desses estudos, metade serão elegíveis para o uso da medicação e a outra metade não. Um sistema fará uma escolha aleatória que apontará qual paciente eu devo indicar a medicação ou não para que não haja vício da conduta médica e o desfecho seja avaliado de uma forma mais fidedigna”, complementa Prudente. VÍDEOS: mais reportagens da região

CNN NOVO DIA/CNN BRASIL/SÃO PAULO
Data Veiculação: 11/03/2021 às 08h47

Cidade de são paulo e tudo isso fez a prefeitura criaram um plano de parcerias com hospitais privados com é a ideia disso tudo é usar leitos de instituições particulares para pacientes com doenças não relacionadas à Covid19 e assim ajudar a desafogar a rede pública não é álisson negrine até porque todas as outras doenças continuam existindo mesmo em meio a uma pandemia isso é lesar o problema é que os hospitais privados aqui da capital paulista também estão enfrentando a mesma situação leitos estão ocupados e a ocupação atinge a marca superior aos noventa por cento em alguns hospitais como por exemplo o albert einstein em santa catarina e este hospital aqui a gente fala ao vivo que é o sírio libanês outro hospital que tem taxa alta também é o hospital são camilo que já tem oitenta e nove por cento dos leitos gerais ou culpados esses são números apurados pela produção da cnn o brasil à prefeitura de são paulo pretende iniciar o chamamento público destes hospitais a partir da semana que vem exatamente na terça-feira a ideia então é diminuir a fila de pacientes que estão à espera de um leito de uti de acordo com as informações confirmadas pela secretaria de saúde duzentas e cinquenta pessoas aguardam um leito de uti estão sem receber o atendimento devido a taxa de ocupação de acordo com último boletim divulgado aqui em são paulo é de oitenta e quatro por cento nos leitos de uti e setenta e oito por cento nos leitos de enfermagem mas esses números mudam ao longo do dia volto com vocês.

G1/NACIONAL
Data Veiculação: 11/03/2021 às 06h52

A missa de 7º dia do presidente do Grupo São Braz José Carlos da Silva Júnior acontece nesta quinta-feira (11), de forma presencial e online. A celebração está marcada para 7h, na Paróquia Santuário Nossa Senhora Mãe dos Homens, em João Pessoa, e às 17h30 no Instituto São Vicente de Paulo, em Campina Grande. Também proprietário das TVs Cabo Branco e Paraíba, José Carlos da Silva Júnior, morreu na manhã do dia 5 de março em decorrência da Covid-19. Ele estava internado no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, e não resistiu a uma parada cardiorrespiratória. José Carlos tinha 94 anos, foi vice-governador da Paraíba e senador. Era viúvo e deixou três filhos, Ricardo Carlos, Eduardo Carlos e Eliane Freire. José Carlos da Silva Júnior nasceu em Campina Grande, em 16 de junho de 1926. Filho de José Carlos da Silva e Maria Rosa da Silva, formou-se em contabilidade e construiu a vida profissional como empresário nos segmentos de alimentos, comunicação e automotivo. Vídeos mais assistidos do G1 Paraíba