Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

ESTADÃO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 10/03/2021 às 19h34

O Hospital Albert Einstein, em São Paulo, bateu recorde de novas internações nesta quarta-feira, 10, com 205 pacientes. O aumento é de 20% em relação à semana anterior e a previsão é de que alta continue nas próximas semanas. O pico fez com que a unidade de referência da capital paulista atingisse 104% na taxa de ocupação geral (todas as enfermidades) pela 2ª vez neste ano. Na rede estadual, 19 hospitais não têm vagas e seis reportam lotação superior a 95%. A ocupação de UTIs no Estado é de 83%. Diante do avanço do vírus, o governo João Doria (PSDB) já estuda aumentar as restrições no Estado. Só estão liberados hoje serviços essenciais, como supermercados, farmácias, postos de gasolina e escolas. Templos religiosos e partidas de futebol também têm permissão de funcionamento. Pelo menos 26 pacientes morreram na fila da UTI em oito cidades da Grande São Paulo e do interior, segundo levantamento feito pelo Estadão. Do total de internados no Einstein nesta quarta-feira, 87 pacientes foram direto para a terapia intensiva com diagnóstico da covid19 e outros dois também estão em uma unidade de terapia intensiva, mas sem ter a doença confirmada. Com 104% de ocupação, há uma fila de espera. O hospital deve abrir mais leitos ainda nesta semana e espera que os doentes que aguardam vaga sejam atendidos o mais rápido possível. Por isso, também trabalham com as consultas online. Casos mais leves têm recebido alta e são monitorados de casa. Outros hospitais da rede privada também registram aumento de internados. O Sírio Libanês. pelo segundo dia consecutivo, teve mais de 200 pacientes internados em 24h. Na segunda, foram 201 e nesta terça chegou a 210, sendo que 61 estão na UTI. A taxa de ocupação geral do hospital é de 93%, com 519 leitos ocupados (todas as enfermidades). Já o Hospital Oswaldo Cruz teve 172 pacientes internados nas últimas 24 horas e está com taxa de ocupação dos leitos geral em 97%. Para pacientes de UTI covid, chegou a 100%. No São Camilo, a ocupação dos leitos tem o porcentual de 97% na enfermaria e 94% na UTI. O hospital ainda deve abrir mais vagas para pacientes nesta semana. Nos hospitais estaduais, os números são semelhantes ao da semana passada. No total, 19 hospitais atingiram 100% de ocupação e seis estão com mais de 95%¨. O que preocupa ainda mais nesta semana é que houve aumento na Central de Regulação de Ofertas e Serviços da Saúde (Cross), ligada à Secretaria da Saúde. O sistema é responsável por migrar pacientes de um hospital lotado para outros que ainda possui vaga. Nesta quarta, havia 1.930 pedidos de regulações - no início de dezembro, a média era de 150. As taxas de ocupação dos leitos de UTI são de 83,6% na Grande São Paulo e 83% no Estado. O total de pacientes internados é de 20.876, sendo 11.692 em enfermaria e 9.184 em unidades de terapia intensiva, conforme dados da Secretaria Estadual de Saúde.

JORNAL DA BAND/TV BANDEIRANTES/SÃO PAULO
Data Veiculação: 10/03/2021 às 19h21

Número registrado em um único dia até aqui por todo o país governos estaduais estão correndo pra de novos leitos nos hospitais o rodrigo hidalgo está no palácio dos bandeirantes onde foi anunciada a abertura de vagas de enfermaria e o their boa noite rodrigo por outro lado a boa noite a todos muitos esperavam hoje o anúncio de medidas mais restritivas no estado mas isso não ocorreu são paulo continua na fase vermelha da quarentena apenas com os serviços essenciais em funcionamento mais de mil novos leitos deverão ser entregues até o fim do mês contudo o ritmo de internações não para de crescer são mais de vinte mil pessoas internadas no estado sendo nove mil na uti no fim de fevereiro o número total era de quinze mil com Covid19 hospitais no estado já estão com cem por cento de leitos de uti ocupados com pacientes com o coronavírus o sírio libanês referência hospitalar no país suspendeu por quinze dias a cirurgias e também alguns exames para tentar evitar o colapso a média da taxa de ocupação dos leitos de uti está em oitenta e dois por cento no estado amanhã o governador joão dória deve conceder uma nova entrevista coletiva e não se descarta o anúncio de uma fase chamada de roxa em que o limita o horário de funcionamento dos serviços essenciais voltamos ao estúdio.

G1/NACIONAL
Data Veiculação: 10/03/2021 às 14h24

O governo de São Paulo anunciou nesta quarta-feira (10) a abertura de mais 338 leitos para pacientes de Covid-19 até o final de março. O número, entretanto, representa um valor abaixo do que o sistema de saúde, nas redes públicas e privadas, recebe de novas demanda por dia. Desde 27 de fevereiro o total de pacientes internados bateu recordes todos os dias e, nesta terça (9), chegou a 20,3 mil pessoas, entre pacientes internados em enfermaria e em UTIs. Em 27 de fevereiro, eram 15.517 pacientes nesta situação em São Paulo. Este aumento significa que, em 11 dias, foram 4.797 leitos ocupados a mais, o que corresponde a uma demanda de 436 leitos extras por dia em todo o estado, considerando hospitais públicos e privados. Durante a coletiva, o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn, afirmou que a criação de leitos exige uma complexa estrutura hospitalar e admitiu que o estado não tem condições de suprir a atual demanda, principalmente para casos mais graves. "Estamos aumentando da forma que conseguimos. Quando eu falo aumentar número de leitos não é simplesmente um colchão, uma cama e um respirador. É além disso, a equipe que vai dar assistência a esse paciente. Estamos internando 130 pessoas a mais por dia nas UTIs. Nós não temos fôlego para abrir na mesma velocidade o número de leitos." A necessidade de liberação de leitos, principalmente de UTI, passou a ser imediata, uma vez que diversas cidades já registram colapso no sistema de saúde. Levantamento feito pelo G1 nesta terça aponta que menos 30 pacientes com Covid-19 morreram na fila de espera por leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no estado de São Paulo nestes primeiros nove dias de março. As mortes de pacientes que aguardavam liberação de leitos intensivos ocorreram em cidades localizadas na Grande São Paulo e no interior do estado. Restrições mais rígidas Desde o último sábado (6), todo o estado está na fase vermelha, a mais restritiva pelo Plano SP. A previsão era de que fossem anunciadas medidas restritivas mais rígidas nesta quarta. Pela regra, a fase vermelha autoriza apenas o funcionamento de setores da saúde, transporte, imprensa, estabelecimentos como padarias, mercados, farmácias e postos de combustíveis, além de escolas e atividades religiosas, que foram incluídas na lista de serviços essenciais por meio de decretos estaduais. Entretanto, a gestão de João Doria disse que ainda estuda mudanças e avalia tanto a decisão da Justiça de proibir a convocação de professores para trabalhar presencialmente quanto a recomendação para fechar escolas e templos religiosos. Em entrevista à GloboNews nesta quarta (10), o procurador-geral de Justiça, Mario Luiz Sarrubbo, defendeu o fechamento de todos os setores, inclusive escolas. Nesta terça, ele já tinha recomendado ao governador João Doria (PSDB) que suspenda a realização de cultos, missas e outras atividades religiosas coletivas, além de todos os eventos esportivos, como jogos de futebol. Colapso no sistema Nesta terça-feira (9) a média diária de mortes por Covid-19 no estado foi de 298 óbitos, recorde pelo segundo dia seguido. A taxa de ocupação de UTIs, com 82%, também foi a maior de toda a pandemia, bem como o total de pacientes internados em leitos intensivos e de enfermaria, que chegou a 20,3 mil pessoas. Além disso, 13 cidades da Grande São Paulo já têm 100% dos leitos de UTI ocupados com pacientes que estão com coronavírus. A situação mais grave é a de Taboão da Serra, onde 11 pessoas morreram desde sexta-feira (5) à espera de vagas. A lotação também abala a rede particular da capital paulista. Na terça, o hospital Sírio-Libanês divulgou medidas para ampliar a acomodação de pacientes com Covid-19, dada a elevada taxa de ocupação de leitos. Foram suspensas cirurgias eletivas estéticas e funcionais e de intervenção guiada por imagem, além de exames também eletivos de colonoscopia, endoscopia, broncoscopia e exames ambulatoriais de polissonografia. Na rede pública da capital, a prefeitura quer transferir pacientes sem Covid da rede municipal para hospitais particulares e liberar leitos para a doença no SUS. Vídeos: Tudo sobre São Paulo e região Metropolitana

SP1/TV GLOBO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 10/03/2021 às 12h33

É a maior taxa desde o começo da pandemia um ano atrás pelo menos quatro hospitais municipais e déficits estaduais já bateram já atingiram cem por cento de lotação dá uma olhada aqui comigo no nosso telão como a situação tá preocupante na zona sul a pior situação no hospital geral aqui da pedreira Ipiranga Dante passantes Arturo sabóia e no hospital também da cruz vermelha zona norte não tem mais leitos de terapia intensiva no hospital geral de taipas no geral da vila penteado na brasilândia e também no hospital josé soares um gria na região central nada de leitos de uti no hospital brigadeiro e na velha e tem varios também que já bateram cem por cento de ocupação sapopemba ou geral de são mateus o geral de guaianases o santa marcelina ou entrar em paulista e também o hospital da vila alpina e por falar em vila alpina é de lá que nós vamos conversar ao vivo agora como bernardo bortolotto bernardo boa tarde e bem-vindo à como os pacientes não param de chegar por aí a preocupação é que além desses hospitais nem outros também vizinhos e próximos atinjam aí cem por cento de ocupação como é que as autoridades estão lidando com essa questão tão difícil e delicada bem-vindo boa tarde obrigado tralha boa tarde é uma preocupação muito grande porque a procura por leitos é maior do que a quantidade de leitos corri dezenove disponíveis para os pacientes a própria secretaria estadual da saúde os um exemplo disso mostrando que em junho do ano passado havia uma procura diária de seiscentos e noventa leitos com vídeo por dia e só agora nos primeiros dias de março essa procura aumentou para mil por dia ou seja aqueles hospitais que ainda tem leitos tem pouco só aqui na capital são oito mas que estão atendendo acima dos noventa por cento de ocupação do das utis principalmente que atende aos casos mais graves você vai ver aqui do lado que destes oito presos estão numa situação ainda mais crítica o hospital vila penteado com noventa e cinco por cento a ocupação na zona norte e na zona leste os hospitais carmem prudente em cidade tiradentes e inácio gouveia ali no parque da moóca com noventa e sete por cento da ocupação com isso a secretaria municipal aqui de são paulo tá tentando encontrar formas para aumentar o número de leitos tanto de uti quanto de enfermaria que atende aos casos mais leves de convide dezenove nós circulamos por alguns hospitais e percebemos que é urgente a criação de novos leitos porque a demanda ela é alta e também é bem difícil conseguir um leito veja a angústia de quem está com o Covid19 só aumenta na medida em que as vagas nos hospitais vão acabando a esposa está fazendo é um caso grave ele está com muita falta de ar frittata saturação muito baixa de existem leitos não universalizar ele está no corredor o marido da berland é estar no hospital municipal doutor ignácio proença de gouveia no parque da moóca zona leste a lotação da unidade de terapia intensiva é de noventa e sete por cento escutei um enfermeiro falar que não aguenta mais secar gelo eu falei mais o que significa sua carreira ele falou muito óbito de tão lotado ione que estava com sintomas da convide preferiu aguardar o atendimento na calçada ele esperou por horas disse que chegou a sete e meia da manhã de ontem ao hospital e só fui atendido depois das três da tarde os hospitais municipais registram hoje a maior ocupação desde o começo da pandemia oitenta e um por cento dos leitos de terapia intensiva estão cheios dez hospitais estaduais da capital atingiram a lotação máxima na pior fase da pandemia a preocupação também é grande para quem precisa de hospital pra outros tratamentos aqui no astral do ipiranga ainda há uma outra preocupação além da lotação dos leitos de uti para Covid19 e espera por um atendimento da consulta aqui no ambulatório muita gente reclama que não tem espaço adequado para guardar e aí o pessoal fica aglomerado mesmo nas cadeiras e não há um controle desse distanciamento necessário para evitar o contágio do novo coronavírus é muito aglomerado eu saí as cadeiras são ali não tem um lugar assim tipo o distanciamento entendo tá todo mundo sentando junto às fileiras das cadeiras não tem sinalização de distanciamento à espera fica do lado de fora em frente ao ambulatório o problema não é que o problema quando sobe lá por médicos é perdido há poucos médico para muitas pessoas eu ia ficar aglomerado em cima também muito mais do que a que a capital corre contra o tempo para ampliar a capacidade de atendimento desde segunda-feira consultas e exames eletivos estão suspensas na rede municipal na próxima semana a prefeitura deve abrir mais setenta leitos de uti e mais sem de enfermarias e tenta transferir pacientes não convide para a rede privada nós devemos agora publicar até sexta-feira um chamamento de adesão ao chamamento público e adesão para que os hospitais privados que hoje não tem mais leitos de convide como tiveram um ano passado pra alugar para a prefeitura mas eles têm leitos normais então a ideia nossa é exatamente estes leitos transferir pacientes não convide pra esses hospitais e assim a gente libera espaço nos hospitais públicos da prefeitura para rapidamente implantados novos leitos de enfermaria e novos leitos de uti para tratamento de convívio nos hospitais particulares as alas que recebem pacientes com Covid19 também estão sob pressão o sírio libanês que está com noventa e três por cento da wta e ocupada suspendeu por quinze dias cirurgias e exames que não são urgentes para priorizar quem precisa de tratamento intensivo sobre na fila de espera do ambulatório do hospital ipiranga a governo do estado informa que a unidade a porta aberta e precisa atender várias especialidades além da Covid19 está pedindo que os pacientes possível não leve acompanhante para ajudar a evitar aglomerações e de manhã elvira o telefone de um grande especialista que trabalha no centro de contingência do estado que outro grande problema é que no ano passado né quando teve mais restrição a os hospitais estavam atendendo muito mais convide obviamente aquecendo não né porque além da covilhã tem gente se acidentando tem gente a tem muito mais casos de violência também enfim com a circulação maior nas ruas faz com que a sobrecarga nos hospitais por outras demandas também seja muito grande e a taxa de ocupação de terra na grande são paulo é de quase oitenta e três por cento já oitenta e dois ponto oito então já são quatro dias seguidos de recordes essa taxa.

BOM DIA SP/TV GLOBO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 10/03/2021 às 07h46

Ocupação de leitos de uti para correr dezenove chegou a oitenta e um por cento esse capital os leitos de enfermaria atingiram a taxa média de sessenta e quatro por cento capital tem atualmente mil cento e cinquenta e quatro leitos de uti de enfermaria são mil cento e dezesseis todos estes são exclusivos para atendimento Covid19 antes da pandemia a cidade tinha quinhentos e sete leitos de uti onde a capital tem vinte e seis hospitais municipais sendo oito deles entregues durante a pandemia é isso na gente mais um número e é da capital da escola porque por que pessoas tão morrendo na são paulo sem atendimento sendo que em seguida de oitenta que que tá acontecendo e a gente não tem esse remanejamento é de ocupação de leitos três hospitais entre estaduais e municipais já estão com os leitos de uti lotados esse sim lotados assunto aí do guilherme pimentel pra gente ao vivo também de gallagher rodrigo você falou da taxa de ocupação a taxa média de ocupação de leitos de uti na capital em oitenta e um por cento lembrando que a capital não bati essa marca de oitenta por cento desde o fim de maio do ano passado o que mostra um avanço da pandemia e o que dá a entender que os próximos dias serão muito difíceis porque a gente tá vendo colapso em cidades da região metropolitana que tendem a aumentar a pressão sobre o sistema de saúde da a capital um sistema que já está bastante carregado eu vou chamar duas artes primeiro a gente vai ver a relação dos hospitais estaduais da capital que atingiram cem por cento de ocupação dos leitos de uti do hospital geral de pedreira de onde a gente fala ao vivo em frente ao hospital da vila alpina hospital geral de são mateus os hospital do ipiranga o santa marcelina do itaim paulista hospital geral de guaianases o hospital geral de taipas o instituto dante pazzanese e o hospital estadual de sapopemba vou reforçar até como uma pedido de atenção ao pessoal da zona leste só nessa lista que a gente tem cinco hospitais na zona leste com a uti lotada para ouvir dezenove agora temos uma outra arte com os hospitais municipais que fecham essa lista de treze que já estão contentes lotados hospital saboya no jabaquara hospital municipal josé soares hungria em pirituba hospital da cruz vermelha em indianópolis e hospital municipal brigadeiro na bela vista esses números são das secretarias municipal e estadual da saúde rodrigo ontem a procuradoria geral de justiça de são paulo é o procurador geral de justiça mário luiz farrobo recomendou ao governador do estado diante desse cenário diante da contaminação em alta do número de mortos também e dos hospitais ficando mais cheios recomendou ao governo a suspensão da realização de cultos missas e atividades religiosas coletivas para evitar aglomerações e pediu também o recomendou a suspensão de todos os eventos esportivos incluindo os jogos de futebol uma medida que aí afetaria o campeonato paulista que acabou de começar esse documento foi emitido ontem pela procuradoria a ontem também o secretário municipal de saúde édson aparecido disse que a prefeitura está pensando vai abrir um chamamento público para tentar transferir os ou os pacientes não convide dezenove dos os prédios municipais para os hospitais particulares falta definir isso deve acontecer hoje o quanto os hospitais particulares seriam é quanto eles receberiam por cada um desses leitos a gente faz uma observação cris também vai depender da situação dos hospitais particulares que também estão carregados e se a gente tem um exemplo pra dar por exemplo o hospital sírio libanês ontem anunciou que tá a gente apurou que tá se mexendo pra tentar abre espaço para mais pacientes de Covid19 já antevendo talvez um aumento na procura nos próximos dias por exemplo o sírio libanês suspendeu cirurgias eletivas estéticas e funcionais bem como alguns exames eletivos também toda uma ala da uti foi convertida para o vídeo dezenove e um andar inteiro foi aberto como unidade de internação para Covid19 e além disso o hospital ter estimulando a transferência de pacientes crônicos e estáveis e que tenham condição de serem transferidos para saírem do hospital e irem pra casa pra cuidar do home care tudo isso seria vanessa fazendo para tentar abre espaço remanejar leitos para que mais gente envolvida com Covid19 possa ser atendido no hospital tão vai depender muito da situação dos hospitais particulares se essa iniciativa da prefeitura vai ter sucesso de fato você falou da taxa de ocupação duzentos de tem oitenta e um por cento na capital a taxa média de enfermaria em sessenta e quatro por cento e uma outra novidade de ontem que deve é provocar algumas mudanças que o governo deve tomar ao longo de hoje deve anunciar a partir desta semana a justiça defende proibiu a convocação de professores pra irem trabalhar em aulas presenciais nos nas escolas públicas e privadas de são paulo isso nos municípios que estiverem na fase laranja vermelha hoje nesse caso ao estado inteiro essa medida vale para professores vinculadas vinculados aos sindicatos e sobre esse endurecimento da quarentena com a recomendação da procuradoria com essa proibição da convocação dos professores o governo vai discutir hoje algumas medidas de mais restrição dilma me de restrições mais severas como por exemplo a limitação do horário de funcionamento até dos serviços considerados essenciais que desde o início da quarentena tiveram mais flexibilidade pra trabalhar o governo estudando limitar isso um pouquinho então vai ter horário de funcionamento para supermercados para farmácias propostas de combustíveis tudo isso pensando em uma maior restrição da circulação de pessoas e na diminuição da aglomeração que a gente tem visto todos os dias no morro de são paulo principalmente no transporte público com a proibição da convocação dos professores está em pauta também a discussão sobre a suspensão das aulas presenciais que acabaram de voltar as aulas seriam suspensas mas as merendas nas unidades né nas escolas a municipais continuariam pras crianças que precisem e escola pra se alimentar melhor então tudo isso vai ser discutido está sendo discutido deve ser anunciado ao longo da semana pra passar a valer já no sábado essas são as informações da capital sendo pressionada pelo avanço da pandemia rodrigo pressão muito forte mesmo você verá a iniciativa ser mesmo acabou falando inciativa da prefeitura de são paulo de tentar é usar hospitais particulares os hospitais particulares estão enviando as pessoas que estão internadas pelo menos com intenção você relatou aí o sírio libanês enviar pra casa ou pra home care para clínica tentar em situação estável como é que vai receber outro paciente que não sejam de convite vamos nessa guilherme pimentel obrigado por enquanto eu prefeitura de santo andré inclusive no grande abc também decidiu suspender as cirurgias consultas e cirurgias.

G1/NACIONAL
Data Veiculação: 10/03/2021 às 07h35

O governo de São Paulo deve anunciar novas medidas de restrição e limitar o horário de funcionamento dos serviços essenciais. A gestão estadual também estuda suspender as atividades presenciais nas escolas e manter as unidades abertas apenas para fornecimento de merenda. Desde o último sábado (6), todo o estado está na fase vermelha da quarentena, considerada até então a mais restritiva, que veta a abertura de comércios, restaurantes, academias e salões de beleza. Pela regra, a fase vermelha autoriza apenas o funcionamento de setores da saúde, transporte, imprensa, estabelecimentos como padarias, mercados, farmácias e postos de combustíveis, além de escolas e atividades religiosas, que foram incluídas na lista de serviços essenciais por meio de decretos estaduais (veja a lista completa mais abaixo). Entretanto, nesta terça (9), a Justiça proibiu a convocação de professores para atividades presenciais em escolas públicas e privadas do estado. Na mesma data, o procurador-geral de Justiça, Mario Luiz Sarrubbo, recomendou ao governador João Doria (PSDB) que suspenda a realização de cultos, missas e outras atividades religiosas coletivas, além de todos os eventos esportivos, como jogos de futebol, durante a fase vermelha. Levantamento feito pelo G1 nesta terça aponta que menos 30 pacientes com Covid-19 morreram na fila de espera por leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no estado de São Paulo nestes primeiros nove dias de março. As mortes de pacientes que aguardavam liberação de leitos intensivos ocorreram em cidades localizadas na Grande São Paulo e no interior do estado. Colapso no sistema Nesta terça-feira (9) a média diária de mortes por Covid-19 no estado foi de 298 óbitos, recorde pelo segundo dia seguido. A taxa de ocupação de UTIs, com 82%, também foi a maior de toda a pandemia, bem como o total de pacientes internados em leitos intensivos e de enfermaria, que chegou a 20,3 mil pessoas. Além disso, 13 cidades da Grande São Paulo já têm 100% dos leitos de UTI ocupados com pacientes que estão com coronavírus. A situação mais grave é a de Taboão da Serra, onde 11 pessoas morreram desde sexta-feira (5) à espera de vagas. A lotação também atinge a rede particular da capital paulista. Nesta terça, o hospital Sírio-Libanês divulgou medidas para ampliar a acomodação de pacientes com Covid-19, dada a elevada taxa de ocupação de leitos. Foram suspensas cirurgias eletivas estéticas e funcionais e de intervenção guiada por imagem, além de exames também eletivos de colonoscopia, endoscopia, broncoscopia e exames ambulatoriais de polissonografia. Na rede pública da capital, a prefeitura quer transferir pacientes sem Covid da rede municipal para hospitais particulares e liberar leitos para a doença no SUS. O que pode funcionar na fase vermelha: Vídeos: Tudo sobre São Paulo e região Metropolitana.