Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

O ESTADO DE S.PAULO/SÃO PAULO | GERAL
Data Veiculação: 08/11/2020 às 03h00

Sem Cuca, com covid-19, Santos busca reação O Santos entra em campo hoje, às i8hi5, sem o técnico Cuca na beira do gramado para enfrentar o Red Bull Bragantino, em Bragança, pelo Brasileirão. O treinador se sentiu mal e teve forte dor de cabeça antes do treino de ontem e, encaminhado ao hospital Beneficência Portuguesa em Santos, foi diagnosticado com covid-19. “O quadro dele é estável, mas, por precaução, o técnico será encaminhado para o hospital Sírio Libanês, em São Paulo. O comandante ficará em observação e isolamento”, informou o clube, já prestando solidariedade. “Desejamos força ao Professor Cuca neste momento.” Cuca já apresentou problemas cardíacos recentemente e, por isso, foi encaminhado para o hospital na Capital para acompanhamento especializado. Sem o treinador no comando Cuquinha, auxiliar e irmão de Cuca, será o técnico -, o Santos tentará apagar a má impressão deixada diante do Ceará na eliminação da Copa do Brasil na última quarta-feira. Só a vitória interessa em Bragança Paulista para o time buscar as primeiras posições do Brasileirão. Além de Cuca, o Santos não terá o seu principal jogador. O time terá de se reinventar sem Marinho, que está suspenso pelo terceiro cartão amarelo. Artilheiro da equipe com 12 gols, ele vive grande fase e é quem dita o ritmo do time. Quando vai bem, os resultados positivos são maioria. Em dias de rendimento ruim, como na eliminação diante do Ceará, o time costuma somar tropeços. O poder ofensivo cai consideravelmente pelo fato de o atacante ser uma espécie de “faz tudo”. Marinho cobra faltas, escanteios, finaliza, dribla e dá passes decisivos. As opções são: reforçar o setor de marcação com Pará, apostar em Arthur Gomes na armação, ou manter o esquema mais ousado com Lucas Braga. Desfalque importante no CaslRctU!ulll0Í3r^ m Red Bull Bragar itino x! ãantos 203 RODADA DO BRASILEIRÃO Bragantino: Cleiton; Aderlan, Léo Ortiz, Ligger e Edimar; Ricardo Ryller, Raul e T. Anderson; Morato (L. Evangelista), Artur e Hurtado. Técnico: M. Barbieri. Santos: João Paulo; Madson (Pará), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Pituca, Jobson e Jean Mota; Lucas Braga (Arthur Gomes), Kaio Jorge e Soteldo. Técnico: Cuquinha. Juiz: Vinícius Furlan (SP). Local: Nabi Abi Chedid. Horário: 18hl5. Na TV: Pay-per-view. telão, Lucas Veríssimo retorna à defesa para manter o bom desempenho do setor quando está ao lado de Luan Peres. Também eliminado da Copa do Brasil, mas pelo Palmeiras, o Bragantino foca suas atenções na luta contra o rebaixamento à Série B no Brasileiro.

O GLOBO ONLINE/RIO DE JANEIRO
Data Veiculação: 08/11/2020 às 05h00

RIO — Uma pesquisa realizada pela Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) mostra que 55% dos homens acima de 40 anos deixaram de fazer alguma consulta regular ou tratamento médico em função da pandemia. Esse dado pode ter impacto, por exemplo, no diagnóstico de câncer de próstata, o segundo mais comum entre os pacientes do sexo masculino, atrás do câncer de pele não-melanoma. Cuidado: Em meio a doenças e dúvidas, só 3,5% dos adolescentes vão ao urologista O Inca estima que 65.840 casos de tumor na próstata surjam em 2020. No entanto, nem todos os novos casos devem ser diagnosticados neste ano devido à queda de consultas urológicas provocada pela Covid-19. De acordo com Antonio Carlos Pompeo, presidente da SBU, houve uma redução de 70% dos exames laboratoriais de PSA, um dos testes que ajuda no diagnóstico. Por isso ele reforça a importância de que homens voltem a procurar por especialistas para realizar o diagnóstico precoce, já que os sinais começam a aparecer apenas quando a doença já está avançada. Os homens devem procurar por um urologista a partir dos 50 anos. Aqueles que apresentam fator de risco aumentado, como caso de doença na família ou etnia negra, devem iniciar as consultas aos 45 anos. Câncer de próstata: Mitos e verdades sobre a doença — Um homem com idade entre 70 e 80 anos têm 20% de chance de ter câncer de próstata — alerta Pompeo. O diagnóstico é feito com os exames de sangue (PSA) e toque retal. Um é complementar ao outro, por isso ambos são essenciais. Caso haja alguma alteração, o médico poderá solicitar uma biópsia. Se tudo estiver normal, o especialista orientará o paciente quando ele deverá fazer o rastreio da doença novamente. Chance de cura aumenta com diagnóstico precoce A realização de exames de rotina para o diagnóstico de câncer é fundamental para a descoberta da doença nas fases iniciais, o que aumenta muito as chances de cura. — A possibilidade de ter um tratamento efetivo aumenta quanto mais inicial é a doença, pois a probabilidade de cura é maior. Além disso, na fase inicial, a doença demanda um tratamento de menor complexidade e com menos efeitos colaterais — afirma Denis Jardim, oncologista clínico do Hospital Sírio Libanês. Futuro: 'Cirurgias de próstata serão feitas apenas com um furo’, prevê especialista Nem todos os casos de câncer de próstata recebem tratamento medicamentoso ou de radioterapia. Quando o tumor é muito pequeno, localizado apenas na próstata, e não é agressivo, o tratamento passa a ser vigilância ativa. Ou seja, o paciente faz exames rotineiramente para acompanhar a evolução da doença. Caso ela avance, inicia-se o tratamento usando as terapias mais indicadas. — Cerca de metade dos pacientes que entram em vigilância ativa nunca vão precisar tratar — afirma Jardim. Datafolha: Na pandemia, consumo de ultraprocessados quase dobrou em faixa etária de maior risco Para os pacientes que descobriram a doença em estágio avançado, o oncologista reforça que há várias novidades no tratamento que eleva as chances de cura mesmo nos casos mais complexos: — Estão ocorrendo enormes avanços no tratamento, desde o uso de remédios bloqueadores de testosterona mais potentes, como o uso da imunoterapia e de quimioterapias mais modernas.