Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

JORNAL HOJE/TV GLOBO/SÃO PAULO
Data Veiculação: 08/01/2021 às 13h59

Damião voltar a pressionar o sistema público de saúde por lá a taxa de ocupação de leitos de uti na rede privada também tá chegando ao limite a fita rosa no pulso é indicação de que o paciente foi diagnosticado com a Covid19 este é o procedimento no hospital vinte e oito de agosto em manaus o maior pronto-socorro do estado nos últimos dois dias o número de internações por convide ficou acima de duzentos no amazonas a taxa de ocupação dos leitos de uti para convívio na rede pública está em noventa e três por cento e na rede particular chegou a oitenta e oito por cento já tem clínica fechando a emergência a situação hoje num total caos desespero mesmo as pessoas não param de chegar com mais de duzentos e oito mil casos e mais de cinco mil mortes provocadas pela doença o governo do amazonas prorrogou por mais cento e oitenta dias o decreto de calamidade pública o que pode facilitar a contratação de mais profissionais de saúde de uma contratação temporária mas necessária nós estamos tendo é a iniciativa de primeiro priorizar os servidores que já são já tem um contrato com a rede de saúde o governo do estado tem um gabinete de crise para acompanhar todo esse trabalho de enfrentamento da pandemia no amazonas já a prefeitura de manaus deu início agora a montagem deste gabinete que vai contar com o apoio de um modelo de ação no hospital sírio libanês de são paulo mas estamos buscando todos os caminhos para enfrentamento desse vírus que tanto tem ceifado vidas no nosso estado é pra isso nós buscamos parcerias o objetivo é melhorar o fluxo de atendimento os dados coletados na ponta eles vão vim é em termos de informações e de gráficos traz mesas dos gestores e de posse das informações eles vão poder ter uma resposta imediata do que hoje é necessário do que é mais urgente dos demais emergentes no atendimento da população os sepultamentos em manaus chegaram a cento e doze ontem em vinte e quatro horas o amazonas registrou vinte e oito mortes pela Covid19 além de mil setecentos e seis novos casos um desses casos é o da dona edileuza de quarenta e cinco anos ela é mulher do francisco durante toda a manhã ele buscou informações sobre a mulher que está internada mas sem sucesso entre arquivar tentei uma informação é certa e biomédica apesar da saúde está sacrificado poxa sou seu francisco sobre esse caso em que a gente mostrou sua esposa dona edileusa a secretaria de saúde o amazonas disse que os parentes de pacientes internados nas unidades de saúde do estado devem buscar informações no setor de serviço social de cada local

R7.COM/SÃO PAULO
Data Veiculação: 08/01/2021 às 07h16

Com alta taxa de ocupação de leitos, hospitais em São Paulo têm remanejado leitos e esperam um crescimento do número de casos de covid-19 nas próximas semanas, como reflexo das aglomerações nas festas de fim de ano. Médicos o relatam aumento de "surtos familiares", quando dois ou mais da mesma família se infectam, o que pode ser reflexo de encontros de Natal. No Hospital Sírio-Libanês, 90% da área de atendimento dedicada a casos de covid19 está ocupada, com 159 internados - 45 na UTI. Em nota, a instituição afirma notar o crescimento das internações e infecções desde novembro. O hospital tem hoje mais de 500 leitos operacionais. Nas próximas semanas, planeja abrir mais leitos, com um aumento escalonado até meados de fevereiro", diz a instituição. No Albert Einstein, há 121 pacientes com diagnóstico positivo em - 53 em UTI. Assim como no Sírio, a instituição diz não calcular a taxa exata de ocupação desses leitos porque é possível remanejar vagas da enfermaria para o tratamento intensivo. "Ainda não estamos sentindo pico das festas de fim de ano, mas sim estabilidade de alta desde novembro. Nós, infectologistas, acreditamos que vai haver não uma nova onda de casos, mas uma intensificação do quadro atual", explica Moacyr Silva, infectologista do Einstein. Na Beneficência Portuguesa de São Paulo, das 50 vagas de UTI destinadas à covid19, 40 já estão ocupadas (80%). Em nota, a instituição diz que acompanha diariamente o fluxo de casos e remaneja os leitos conforme a demanda. "Não parece ter tido um boom, mas me assusta porque já está bem cheio. Os casos aumentaram desde novembro, mas ainda não teve um super pico, aponta João Prats, infectologista da BP. A taxa de ocupação nos hospitais públicos e privados de São Paulo é de 65%. A expectativa dos médicos é de que a intensificação ocorra a partir da próxima semana, quando terá passado a fase de incubação do vírus em quem se infectou nas festas de réveillon. "Hoje, já temos parte dos casos admitidos que podem ter se contaminado no Natal. O que a gente espera é que haja repique em cima daquilo que já estava ruim", diz Jaques Sztajnbok, médico intensivista e supervisor da UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Lá, todos os 40 leitos já estão ocupados e a maioria dos casos é referente a internações pela covid19. Copyright © Estadão. Todos os direitos reservados.

G1/NACIONAL
Data Veiculação: 08/01/2021 às 06h00

Um novo teste para detectar Covid-19 a partir da saliva está disponível em farmácias desde o final de dezembro. Este teste é chamado de RT-LAMP ( sigla em inglês para "transcrição reversa seguida por amplificação isotérmica mediada por loop"), e identifica o RNA (código genético) do vírus na amostra de pessoas infectadas durante a fase ativa do vírus. É um método de detecção rápida de vírus, surgido em 2012 e já utilizado para outras doenças como a dengue, zika, a chikungunya e encefalite japonesa. "Ele é capaz de detectar, diferenciar e quantificar carga viral com sensibilidade, rapidez e especificidade", explica Larissa Brussa, biotecnologista da Universidade Federal de Pelotas e especialista em genética. Sensibilidade e especificidade são termos médicos para a identificação de pessoas infectadas e não infectadas, respectivamente. Quais as diferenças entre o RT-LAMP e o RT-PCR? Segundo Cesar Nomura, superintendente de medicina diagnóstica do Hospital Sírio-Libanês, o RT-LAMP tem menos etapas de processamento em relação ao RT-PCR, o teste mais comum até o momento para detectar se a pessoa está doente naquele momento. Por isso, seu resultado sai mais rapidamente, em até 24 horas após a coleta. Brussa explica que, diferentemente do RT-PCR, o RT-LAMP não precisa de equipamentos "sofisticados", o que barateia e simplifica o diagnóstico. A análise é feita em tempo real: o resultado é obtido durante um processo de reação a que é submetido em laboratório. Além disso, por usar a saliva como base, elimina o desconforto que os testes com cotonete no nariz podem causar, como náusea e vertigem. A diretora de comunicação da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial, Annelise Lopes, também destaca que a saliva oferece menor risco aos profissionais de saúde porque a coleta é feita pelo próprio paciente. "Por ser menos invasivo, permite a coleta múltiplas vezes pela mesma pessoa, auxiliando na identificação precoce dos casos e rápido isolamento e controle de contactantes", explica. O Hospital Sírio-Libanês colaborou com o desenvolvimento do teste RT-LAMP do laboratório Mendelics, comercializado em farmácias brasileiras, mas Nomura ressalta que o RT-PCR ainda é o mais indicado. "Nós validamos e oferecemos o teste, mas precisamos reforçar que o melhor teste é o RT-PCR Swab. Estamos trabalhando para ajudar a população e por isso desenvolvemos, mas é inferior. Acho importante dizer para as pessoas que elas não devem trocar um teste mais sensível por um material com sensibilidade menor", ressalta Nomura. Como funciona o exame? O teste pode ser feito em farmácias, laboratórios e mesmo em casa. Ele funciona por meio da coleta de saliva, de 2 a 5 mL, que deve ser depositada em um tubo coletor. A amostra pode ser conservada até três dias em temperatura ambiente. Quando é recomendado fazer o teste? De acordo com os especialistas ouvidos pelo G1, os testes são indicados para pessoas que estão com sintomas da Covid-19, principalmente após terceiro dia do aparecimento de sintoma. No caso de pessoas que estiveram expostas ao vírus, por contato com infectados ou por situações de risco, mas ainda não apresentam sintomas, o indicado é fazer o teste a partir do 7º dia da exposição. "Pessoas que tiveram exposição recente, mas estão assintomáticas, podem ser testadas a partir de cinco a sete dias do contato, quando a probabilidade de um resultado positivo se eleva. Lembrando que, neste cenário, o período de incubação do vírus pode levar até 14 dias, portanto um resultado negativo realizado precocemente não tem a capacidade de excluir a doença", explica Annelise Lopes. O teste identifica se estou com o vírus ou se já tive? O teste RT-LAMP identifica se a pessoa está infectada com o vírus no momento da coleta. Ele detecta a presença do material genético do vírus na saliva durante sua fase ativa. Quando sai o resultado? O resultado pode sair em até 24 horas. O resultado é preciso? Segundo o infectopediatra Marcelo Otsuka, da Sociedade Brasileira de Infectologia, ainda não existe um consenso sobre o percentual de eficácia deste teste, mas ela tem pequenas variações dependendo do laboratório que o oferece. De acordo Nomura e a bióloga molecular Mel Markoski, os testes oferecidos no Brasil têm eficácia de cerca de 90%. A sensibilidade (capacidade de detectar os pacientes infectados) costuma ser menor do que a especificidade (capacidade de detectar pacientes não infectados). A sensibilidade também varia de acordo com a etapa da infecção, segundo a diretora de comunicação da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica. "Em pacientes nos primeiros dias de sintomas, a saliva pode ter uma sensibilidade superior a 90% comparada à nasofaringe. Entretanto, em pacientes com carga viral mais baixa, como aqueles assintomáticos ou em fases mais tardias, essa sensibilidade pode cair", diz. Segundo Nomura, o teste pode ter resultado falso-negativo caso seja feito em pacientes com baixa carga viral. "Se um paciente com sintomas fizer o teste, o resultado for negativo e os sintomas continuarem, ele precisa repetir o teste em até 72 horas", explica. Quem desenvolve o teste? No Brasil, há um teste desenvolvido e oferecido pela Universidade de São Paulo (USP), por meio do Centro de Pesquisas e Genoma Humano e Células-Tronco (CEGH), e um desenvolvido e oferecido pelo laboratório Mendelics. Quanto custa um teste RT-LAMP? Eles variam de R$ 90 a R$ 170, em média, de acordo com o laboratório e o método de coleta. Os pacientes que optarem pela retirada do material em casa, têm custo mais alto.

O ESTADO DE S.PAULO/SÃO PAULO | GERAL
Data Veiculação: 08/01/2021 às 03h00

Hospitais de SP têm ocupação alta de leitos e preveem piora Sírio tem 90% dos Leitos covid19 ocupados e lotação na UTI da Beneficência é de 80%; médicos relatam casos na mesma família João Ker Com alta taxa de ocupação de leitos, hospitais em São Paulo têm remanejado leitos e esperam um crescimento do número de casos de covid-19 nas próximas semanas, como reflexo das aglomerações nas festas de fim de ano. Médicos ouvidos pelo Estadão relatam aumento de “surtos familiares”, quando dois ou mais da mesma família se infectam, o que pode ser reflexo de encontros de Natal. No Hospital Sírio-Libanês, 90% da área de atendimento dedicada a casos de covid19 está ocupada, com 159 internados 45 na UTI. Em nota, a instituição afirma notar o crescimento das internações e infecções desde novembro. O hospital tem hoje mais de 500 leitos operacionais. Nas próximas semanas, planeja abrir mais leitos, com um aumento escalonado até meados de fevereiro”, diz a instituição. No Albert Einstein, há 121 pacientes com diagnóstico positivo em 53 em UTI. Assim como no Sírio, a instituição diz não calcular a taxa exata de ocupação desses leitos porque é possível remaneje arsvagas da enfermaria para o tratamento intensivo. “Ainda não estamos sentindo pico das festas de fim de ano, mas sim estabilidade de alta desde novembro. Nós, infectologistas, acreditamos que vai haver não uma nova onda de casos, mas uma intensificação do quadro atual”, explica Moacyr Silva, infectologista do Einstein. Na Beneficência Portuguesa de São Paulo, das 50 vagas de UTI destinadas àcovid,40 já estão ocupadas (80%). Em nota, a instituição diz que acompanha diariamente o fluxo de casos e remaneja os leitos conforme a demanda. “Não parece ter tido um boom, mas me assusta porque já está bem cheio. Os casos aumentaram desde novembro, mas ainda não teve um super pico, aponta João Prats, infectologista da BP. A taxa de ocupação no s ho sp it ai s público s e p rivados de São Paulo é de 65%. A expectativa dos médicos é de que a intensificação ocorra a partir da próxima semana, quando terá passado a fase de incubação do vírus em quem se infectou nas festas de réveillon. “Hoje, já temos parte dos casos admitidos que podem ter se contaminado no Natal. O que a gente espera é que haj a repique em cima daquilo que já estava ruim”, diz Jaques Sztajnbok, médico intensivista e supervisor da UTI do Instituto de Infectologia Emílio Ribas. Lá, todos os 40 leitos já estão ocupados e a maioria dos casos é referente a internações pela covid19.