Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

G1/NACIONAL
Data Veiculação: 07/07/2021 às 20h15

Circulam pelas redes sociais quatro imagens feitas em microscópio acompanhadas de um texto que diz que as fotos provam que as células sanguíneas são alteradas após "a injeção", em referência à vacina contra Covid-19. É #FAKE. Doutora em hematologia pela Escola Paulista de Medicina, professora do Uniceplac e médica hematologista do Hospital Sírio-Libanês, Martha Mariana Arruda deixa claro que tudo não passa de uma manipulação grosseira e afirma que nenhuma das imagens tem relação com a vacina. "Nada, absolutamente nada a ver com vacina. É má-fé, inclusive", diz. As imagens mostradas na mensagem falsa são de microscopia ótica, de campo invertido, fundo escuro. O que está sendo observado é um esfregaço de hemácias. As "alterações" que aparecem podem ser facilmente produzidas, bastando para isso provocar ou deixar ocorrer falhas na forma de preparação para a produção da imagem, entre eles um corante mal coado ou muito diluído e um erro na confecção da lâmina. Em vídeo (veja abaixo), a médica mostra imagens similares às da mensagem falsa encontradas na internet. "A postagem tem várias coisas erradas", diz. "Essa sujeira na lâmina é problema do corante, que está grumoso. Foi mal coado, tem que ser filtrado. Na microscopia ótica direta, você enxerga como uma sujeirinha roxa. Na microscopia de campo invertido fica como se fossem aquelas bolinhas brancas, que a postagem coloca como nanopartículas." A médica explica que, em uma das fotos, as hemácias não estão redondinhas, circulares, arrumadinhas porque ocorre, novamente, um erro na técnica de confecção de lâmina, algo comum. "Fazer lâmina não é fácil. Tem de treinar a mão para fazer e tem um passo-a-passo que precisa ser seguido", diz. Isso ocorre, por exemplo, se a lâmina não seca direito. O corante não é um corante facilmente encontrável, ele tem de ser manipulado, então se houver erro no PH ou se ele ficar muito diluído ou se ele assentar começa a fazer grumos, conta. "Tudo isso é artefato de técnica de coloração e esses artefatos foram utilizados como argumento para dizer que o sangue teve uma lesão. Não tem lesão nenhuma. Isso tudo aconteceu fora da pessoa", atesta. A mensagem falsa também erra ao mencionar que uma das imagens mostra nanopartículas. "Hemácia é micrômetro, cinco a sete a dez micrômetros. Nanopartícula eu não vejo na microscopia ótica. É outra informação absolutamente falsa. Não existem nanopartículas visíveis em microscopia ótica no sangue", diz a médica. Marcos Fleury, professor de hematologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, também é categórico: "Não é possível a visualização de nanopartículas neste tipo de preparação ou equipamento". A professora Martha Mariana Arruda explica o papel das nanopartículas no mecanismo das vacinas. "Nas vacinas de RNA eu estou passando o RNA que foi desenhado em laboratório, mas é idêntico ao do vírus, para que nosso organismo produza a proteína viral e faça um anticorpo contra essa proteína viral. Quando eu faço adenovírus, eu estou passando um adenovírus que não se replica, que leva o material genético para que o organismo reconheça esse material e faça a imunidade contra esse material. O mecanismo das vacinas que a gente tem é esse. O vírus morto, no caso da Coronavac, eu pego partículas do vírus inativado e coloco na pessoa." As imagens mostradas na mensagem falsa estão completamente fora desse enquadramento, diz a especialista. "Obviamente que a gente não enxerga essas partículas em microscopia ótica. Então, se eu pegar a vacina e esfregar, eu não consigo enxergar. O grau de grandeza daqueles pontinhos brancos está errado de todas as formas. Essas proteínas não são replicadas. Elas são desenhadas na nossa célula, elas não saem para o sangue, não estão distribuídas. Pelo contrário. O organismo vai fazer um anticorpo para conter essa proteína e aí contém tanto a proteína que foi produzida pela vacina quanto a proteína do vírus exógeno. Por isso é que eu gero imunidade. Aí passo a reconhecer e destruir antes de esse vírus causar a doença. Esse é o mecanismo da vacina." A médica diz que as imagens mostradas na mensagem falsa foram manipuladas. "Nitidamente você percebe que o texto é uma tradução inadequada do inglês. Então, isso surgiu de uma fake news de fora. A forma como as fotos estão encadeadas e a narrativa que foi criada para essas fotos é dolosa. Essa sequência foi feita para enganar, para causar uma narrativa. Porque todo mundo que trabalha com microscopia óptica já viu esse tipo de alteração em lâmina. Justamente por conta de erro de confecção na lâmina. Artefato de técnica é o termo técnico que a gente usa, inclusive para descartar a lâmina." Vídeo: Veja como identificar se uma mensagem é falsa VEJA outras checagens feitas pela equipe do FATO ou FAKE Adicione nosso número de WhatsApp +55 (21) 97305-9827 (após adicionar o número, mande uma saudação para ser inscrito) VEJA outras checagens feitas pela equipe do FATO ou FAKE Adicione nosso número de WhatsApp +55 (21) 97305-9827 (após adicionar o número, mande uma saudação para ser inscrito)

ANA MARIA ONLINE/SÃO PAULO
Data Veiculação: 07/07/2021 às 18h17

Passar pela covid-19 não é o único problema de quem é infectado pelo novo coronavírus. Além dele, estão sendo relatada uma ampla possibilidade de sequelas - entre elas, problemas cardíacos. Foi o caso de Sabrina Parlatone, que sofreu um derrame no coração e, por isso, desenvolveu uma arritmia. Apesar de ter tido apenas uma forma leve da covid-19, sem ter sido intubada, a apresentadora ainda convive com um cansaço constante e zumbidos nos ouvidos. Na última terça-feira (6), a jornalista de 46 anos recebeu a primeira dose da vacina e decidiu fazer um relato em suas redes sociais, alertando os seguidores da gravidade da doença. "Hoje é um dia bastante reflexivo pra mim. Recebi a primeira dose da vacina contra a covid-19 por me encaixar no grupo prioritário para a vacinação na minha faixa etária. Fui acometida por essa terrível doença esse ano e asseguro que não se trata de uma gripe. Tive os sintomas considerados leves, mas que nem de longe são leves. Ainda sinto cansaço, fiquei com um zumbido no ouvido e tive um derrame no coração como sequelas. Os sintomas durante a doença foram vários, incluindo uma assustadora arritmia cardíaca", afirmou. Ela também mencionou as mais de 500 mil vidas perdidas para o vírus - inclusive de um amigo próximo, o jornalista Rodrigo Rodrigues, que morreu há cerca de um ano. "Hoje choro e me revolto por aqueles que não conseguiram superar esse vírus, por aqueles que ficaram com sequelas graves e por aqueles que deveriam ter sido vacinados em janeiro por serem de altíssimo risco e que em função de uma injusta ordem de vacinação, morreram e continuam morrendo dessa doença. Que os culpados pela falta de vacina sejam punidos. Queremos justiça. Pensei muito no Rô [Rodrigo] hoje. Pensei muito na população pobre que vive este cenário de forma ainda mais trágica. Não é dia para se comemorar nada. Estamos longe de comemorar alguma coisa", completou. Ver essa foto no Instagram Uma publicação compartilhada por Sabrina Parlatore (@sabrinaparlaoficial) DERRAME CARDÍACO COMO SEQUELA? Sabrina sofreu de um derrame pericárdico, que corresponde ao acúmulo de líquidos (inclusive o sangue) na membrana que envolve o coração, o pericárdio, de forma inapropriada. Isto gera uma inflamação local - gatilho para uma arritmia cardíaca. “Essa situação é, na maioria das vezes, consequência da inflamação do pericárdio conhecido como pericardite, que pode ser causada por infecções bacterianas ou virais, doenças autoimunes e alterações cardiovasculares”, explica João Vicente, cardiologista do Hospital Sírio Libanês. No final das contas, a covid-19 não deixa de ser uma infecção viral. Neste caso, estão em risco pacientes com mau funcionamento em qualquer uma das quatro válvulas que mantêm o fluxo de sangue em direção ao coração. Há diversas doenças que estão neste espectro, que vão desde a insuficiência (quando a válvula não se fecha direito, provocando um ‘refluxo’ de sangue no sentido contrário - os famosos ‘sopros’) até a estenose (quando a abertura da válvula está alterada). Este último caso afeta os ventrículo esquerdo, uma das quatro áreas que formam o coração - afinal, a estenose provoca uma dificuldade do fluxo de sangue do átrio esquerdo e dos pulmões para o ventrículo. Assim, o perigo é ainda maior. A covid-19 também pode desenvolver miocardite e miopericardite - inflamações no coração, sendo uma no músculo e outra na membrana que reveste o órgão -, cardiomiopatia (doença em que as câmaras do coração aumentam de tamanho, de maneira a dificultar o fornecimento de sangue para o restante do corpo) e infarto agudo do miocárdio. Apesar da maioria dos casos de qualquer um desses problemas serem leves, passando despercebidos, alguns envolvem arritmias e insuficiências cardíacas, como o quadro de Sabrina Parlatone. Quando incomodam, os sinais são dor forte no peito, falta de ar ou alterações no ritmo cardíaco. Segundo o médico, existe tratamento para todas elas; ainda assim, isso favorece o desenvolvimento de hipertensão arterial sistêmica - a pressão alta, que possui uma série de outras complicações. Leia a matéria sobre isso aqui. “A forma mais eficiente de evitar é não contrair a doença, através das medidas sanitárias, uso de máscara e álcool em gel e ser submetido a vacinação”, completa o cardiologista.

VEJA BLOGS
Data Veiculação: 07/07/2021 às 10h30

Após ser liberado do isolamento por Covid-19, o senador José Serra (PSDB-SP) passou por exames de rotina e foi submetido a um cateterismo, além de colocar um stent em uma das artérias do coração. Os procedimentos, segundo sua assessoria, foram concluídos com sucesso e Serra deverá ficar em observação no Sírio-Libanês, em São Paulo, por 48 horas. O senador encerrou, na terça, o protocolo de isolamento para a Covid-19. Embora estivesse assintomático, o tucano havia decidido se internar no hospital no final de junho. Ele ainda tratou uma pneumonia leve, identificada nos exames de imagem. Mais lidas BrasilBrasilGolpistas que negociavam com Bolsonaro festejaram ‘último dia de pobre’ PolíticaPolíticaMoro lidera terceira via contra polarização de Lula e Bolsonaro, diz Ipsos PolíticaPolíticaJogo em comissão vira, e implantação do voto impresso ‘sobe no telhado’ BrasilBrasilO ‘culpado’ pelo calvário de Bolsonaro na CPI da Pandemia Leia mais PolíticaPolíticaAO VIVO: Ex-diretor nega propina e chama Dominguetti de 'picareta' PolíticaPolíticaNem Lula nem Bolsonaro: indecisos lideram sucessão presidencial PolíticaPolíticaClima para impeachment de Bolsonaro depende da CPI, diz Alexandre Kalil PolíticaPolíticaCPI: Servidora diz que não viu nada 'atípico' no processo da Covaxin.