Confira o que os especialistas do Hospital Sírio-Libanês já falaram na imprensa sobre o novo Coronavírus:

FOLHA DE S.PAULO/SÃO PAULO | COTIDIANO
Data Veiculação: 03/04/2021 às 03h00

Ao menos 10 prefeitos do país morreram de Covid-19 neste ano Sete mortes ocorreram a partir de 14 de março, com a piora da pandemia; governantes tinham entre 42 e 73 anos Marcelo Toledo ribeirão preto A morte do prefeito de Hortolândia (SP), Ângelo Perugini (PSD), 65, na quinta-feira (i°), em decorrência da Covid-19, foi a mais recente do tipo. Ao menos dez cidades de oito estados brasileiros perderam seus principais governantes para a Covid-19 nos primeiros meses deste ano. Desses, quatro estavam em sua primeira gestão. Os governantes tinham entre 42 e 73 anos. Perugini morreu apenas três meses após o início da atual gestão. Ele estava em seu quarto mandato à frente da cidade na região metropolitana de Campinas (2005-2012 e desde2oió). Ficou dois meses internado, nas últimas semanas em um leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) em São Paulo, intubado. Uma de suas últimas agendas foi o recebimento do primeiro lote de vacinas contra a Covid-19, que chegou à cidade em 20 de janeiro. Hortolândia, que agora será comandada pelo até então vice, Zezé (PL), decretou luto de sete dias. Sete das mortes dos prefeitos ocorreram a partir de 14 de março, mês em que os óbitos causados pela pandemia se aceleraram em todo o país. A morte de Perugini ocorreu apenas um dia após o prefeito de Pitimbu (PB), Jorge Luiz (PDT), 43, perder a vida depois de passar três dias internado com Covid-19.0 prefeito estava se recuperando em sua casa, mas sentiu falta de ar e procurou um hospital em João Pessoa, a s8km de distância. Dois dias antes da morte do prefeito paraibano, Tarek Dargham (PTB), 68, que governava Guararapes, na região de Araçatuba, morreu em São Paulo, onde estava internado. O político tinha sido reeleito em novembro do ano passado. No último dia 23, a prefeita de Coremas (PB), Francisca das Chagas Andrade de Oliveira, a Chaguinha de Edilson (PDT), 62, morreu em João Pessoa, onde estava internada. Chaguinha —que também estava em seu segundo mandato— tinha manifestado no último dia 2 o interesse de a cidade aderir a um consórcio público para comprar vacinas. No dia 9, ela foi internada e intubada. Seu quadro se agravou e ela morreu na manhã do dia 23. Neste domingo (4), haverá uma missa virtual pelo sóyanos de emancipação política de Coremas e em memória de Chaguinha. Na posse, o novo prefeito da cidade paraibana, Irani Alexandrino (Republicanos), chorou ao discursar. “Não tenho palavras para expressar a dor que estamos passando. Coremas está de luto e ainda chora a partida precoce, trágica, da doutora Chaguinha [...] Para mim vai ser sempre a nossa prefeita. Era uma grande amiga, líder” O prefeito de Campanário (MG), Luiz Antônio Souza Campos (PSC), 65, morreu na madrugada do dia 20 de março no hospital Ma ter Dei, em Belo Horizonte. Em 18 de março, foi a vez de o prefeito licenciado de Vitória da Conquista (BA), Herzem Gusmão (MDB), 72, ter sido vítima do coronavírus. Ele morreu na noite daquele dia no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Gusmão estava internado desde 26 de dezembro e tomou posse virtualmente em 1" de janeiro. Treze dias antes de morrer, o prefeito gravou um áudio para informar a população da cidade baiana que retornaria para a UTI. “Quero dizer para minha terra que, por necessitar de mais oxigênio, a equipe médica indicou o meu retorno para tratamento na UTI.” Ele estava iniciando seu segundo mandato, em quatro tentativas de chegar à prefeitura —disputou o cargo também em 2008 e 2012, antes de ser eleito pela primeira vez em 2016. A vice, Sheila Lemos (DEM), assumiu a função. A primeira das sete mortes de março foi a de Jorge Postal (MDB), 73, que governava São Jorge (RS) e morreu no último dia 14. O prefeito, que já tinha governado a cidade entre 2009 e 2012, teve diagnóstico de Covid-19 no fim de fevereiro e logo teve de ser internado. Após alguns dias no hospital São João Batista, em Nova Prata, onde foi intubado, foi transferido para a UTI do hospital Mãe de Deus, em Porto Alegre, no dia 7. Outros três óbitos ocorre- Prefeitos mortos por Covid-19 no Brasil Ângelo Perugini (PSD), 65, Chaguinha do Edilson Hortolândia (SP) (PDT), 62 Coremas (PB) Herzem Gusmão (MDB), 72 Jorge Luiz (PDT), 43 Vitória da Conquista (BA) Pitimbu (PB) Jorge Postal (MDB), 73 Luiz Antônio S. Campos São Jorge (RS) (PDT), 65 Campanário (MG) Maguito Vilela (MDB), 71 Goiânia (GO) Marcelo Puppi (DEM), 61 Campo Largo (PR) Otoni Queiroz (PDT), 42 Ereré (CE) Tarek Dargham (PTB), 68 Guararapes (SP) ram ainda em janeiro. O primeiro prefeito a morrer dentro do atualmandato foi Marcelo Puppi (DEM), 61, de Campo Largo (PR), no dia 7 daquele mês. Ele estava internado desde 25 de novembro, dez dias após ter sido reeleito prefeito do município de 133 mil habitantes. Apenas três dias após ter sido internado, Puppi foi transferido para a UTI, mas não conseguiu se recuperar e estava no hospital na data em que deveria iniciar um novo mandato. Em seu lugar, assumiu Maurício Rivabem (PSL). A situação foi a mesma enfrentada por Maguito Vilela (MDB), 71, de Goiânia, que não chegou a administrar a capital de Goiás. Ele tomou posse no hospital, onde estava internado desde outubro devido a complicações decorrentes da Covid-19. Isso significa que ele não participou da reta final da sua campanha eleitoral, tampouco foi às urnas para votar nele próprio nos dois turnos da eleição goiana. Vilela morreu na madrugada do dia 13 de janeiro no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo. Com isso, Rogério Cruz (Republicanos), 56, assumiu o governo na capital. Eleito com 100% dos votos -foi candidato únicopara governar Ereré (CE), o pro fessor Otoni Queiroz (PDT), 42, foi outro que não chegou a assumir o cargo. Internado ainda em dezembro, ele morreu em 20 de janeiro. Em sua última postagem pública numa rede social, em 8 de dezembro, relatou quadro de dor de cabeça, febre e calafrio. A febre aumentou e ele passou a ter dor nos olhos, o que o fez ir para Fortaleza para passar por exames. “Dentre os exames, fiz uma tomografia do tórax que apresentou 'características de imagem e o mumente reportadas na pneumonia por Covid-19’, com envolvimento de25-so% do parênquima pulmonar. Falta receber ainda o resultado do exame swab, mas mesmo assim o médico já confirmou que estou como coronavírus.”